Praias do Brasil que valem por uma piscina (natural, claro)

Com mais de sete mil km de costa litorânea, segundo dados do IBGE, o Brasil tem praias para todos os gostos.

Tem praias para baladeiros e as de águas calmas para a família. Tem também as de cenário selvagem para quem quiser ser o único a caminhar por ali e tem até áreas exclusivas para naturistas.

Mas são nas águas cristalinas afastadas das praias que viajantes encontram locais do litoral que mais parecem uma piscina.

O Viagem em Pauta selecionou alguns desses endereços (turísticos ou mais selvagens) que valem uma visita.

Antunes (Maragogi)

Praia Antunes, em Maragogi (foto: Eduardo Vessoni)
Praia Antunes, em Maragogi (foto: Eduardo Vessoni)

Essa praia isolada é uma das paradas de quem faz os passeios de bugue pelo litoral da Costa dos Corais, roteiro de 185 km, entre o norte de Alagoas e o sul de Pernambuco.

Croa da Barra Grande (Maragogi)

Galé de Barra Grande, Maragogi (foto: Eduardo Vessoni)
Galé de Barra Grande, Maragogi (foto: Eduardo Vessoni)

Essa piscina natural é uma opção para quem quer fugir das congestionadas galés da região de Maragogi, com piscinas mais vazias e tons de água mais claros. Maragogi é um dos municípios que formam a bela Costa dos Corais, uma Área de Proteção Ambiental com 185 km, entre o norte de Alagoas e o sul de Pernambuco.

Fernando de Noronha (Pernambuco)

Fernando de Noronha (foto: http://www.dolphinhotel.tur.br/)
Fernando de Noronha (foto: dolphinhotel.tur.br)

O destino dispensa qualquer explicação, mas nunca é demais lembrar que esse arquipélago vulcânico pertencente ao Pernambuco é um dos cenários mais exclusivos e bem preservados de todo o Brasil. Com apenas 26 km², Noronha é considerado Parque Nacional e um dos destinos mais cobiçados para praticantes de mergulho.

Gruta Azul (Bonito)

Gruta Azul, Bonito (foto:www.bonitour.com.br)
Gruta Azul, Bonito (foto: bonitour.com.br)

Bonito é um dos destinos mais populares do Mato Grosso do Sul, onde se encontra essa gruta descoberta por um índio local, no início dos anos 20. Localizada no interior de uma caverna, essa lagoa de águas, exageradamente, turquesas possui profundidade de até 90 metros e é tombada pelo IPHAN como patrimônio natural.

Taipú de Fora (Bahia)

Península de Maraú, Bahia (foto: Eduardo Vessoni)
Península de Maraú (foto: Eduardo Vessoni)

Essa piscina natural da Península de Maraú, no sul da Bahia, fica na praia de mesmo nome, uma extensa faixa de areia com sete quilômetros. O período recomendado é no período de luas Cheia e Nova, quando a maré está mais baixa.

Maracajaú (Rio Grande do Norte)

Maracajaú (foto: www.parrachos.com.br)
Maracajaú (foto: parrachos.com.br)

Localizadas em uma área de preservação de corais, as piscinas de Maracajaú estão a 60 km de Natal e suas barreiras de corais, conhecidas como parrachos, ficam a sete km da praia. A atração tem pouco mais de 13 km de extensão e profundidade que varia, na maré baixa, de um a três metros.

Lençóis Maranhenses (Maranhão)

Lençóis Maranhenses (foto: Leonardo Milano/ICMBIO)
Lençóis Maranhenses (foto: Leonardo Milano/ICMBIO)

Criado no início dos anos 80, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses possui 155 mil hectares e é formado por dunas e lagoas, cujos municípios próximos são Barreirinhas, Santo Amaro e Primeira Cruz. As lagoas estão cheias apenas entre maio e setembro. Nomes de atrações naturais como Lagoa Bonita e Lagoa Azul dão uma ideia do que o viajante encontra na região.

Porto de Galinhas (Pernambuco)

Piscina naturais ed Porto de Galinhas (foto: AHPG/Associação dos Hotéis de Porto de Galinhas)
Piscina naturais de Porto de Galinhas (foto: AHPG/Associação dos Hotéis de Porto de Galinhas)

Localizadas a 60 km de Recife, no município de Ipojuca, Porto de Galinhas já teve tempos melhores. Superlotado e turismo de massa exagerado, o destino já teve até uma de suas piscinas interditas pela Sedema, no início deste ano. Localizada a cinco minutos de jangada da orla, a atração é marcada pelas águas mornas e pelos aquários naturais entre arrecifes de corais.

Pajuçara (Alagoas)

Piscina natural de Pajuçara, Maceió (foto: Reprodução/ Secretaria de Turismo do Estado de Alagoas)
Piscina natural de Pajuçara, Maceió (foto: Reprodução/ Secretaria de Turismo do Estado de Alagoas)

Urbana, a praia de Pajuçara, em Maceió, é endereço de uma das atrações mais visitadas na capital alagoana. Localizadas a dois quilômetros da costa, a piscina natural da Pajuçara pode ser visitadas a partir de passeios em jangadas que levam 15 minutos até a atração. Prepare-se para uma certa farofa que acontece em alto mar com as churrasqueiras instaladas pelos próprios jangadeiros para comercializar carnes, lagostas e queijo coalho assados.

Alter do Chão (Pará)

Alter do Chão, Santarém (foto: Eduardo Vessoni)
Alter do Chão, Santarém (foto: Eduardo Vessoni)
Ilha do Amor, em Alter de Chão, Santarém (foto: Eduardo Vessoni)
Ilha do Amor, em Alter de Chão, Santarém (foto: Eduardo Vessoni)

Localizada a pouco mais de trinta quilômetros de Santarém, essa vila balneária já foi considerada pelo jornal inglês The Guardian a dona da mais bela praia do Brasil. Alter do Chão é formada por praias de areias claras que se surgem durante o período de vazão do rios locais, a partir de junho e até novembro.

Picãozinho (Paraíba)

Piscina natural de Picãozinho, no litoral de João Pessoa (foto: Eduardo Vessoni)
Piscina natural de Picãozinho, no litoral de João Pessoa (foto: Eduardo Vessoni)

As piscinas naturais de Picãozinho, em João Pessoa, são uma das atrações mais populares da capital paraibana e estão a um quilômetro da praia de Tambaú, onde os viajantes embarcam em direção à atração.

Jalapão (Tocantins)

Fervedouro do Soninho, piscina natural no Jalapão, destino indicado para outubro (foto: Eduardo Vessoni)
Fervedouro do Soninho, piscina natural no Jalapão, destino indicado para outubro (foto: Eduardo Vessoni)

É quase como uma miragem. Em meio ao deserto brasileiro, no Jalapão, emergem essas piscinas naturais de águas transparentes com até seis metros de profundidade. Conhecidas como fervedouros, essas piscinas são conhecidas por um fenômeno chamado ressurgência que não deixa que o visitante afunde devido à força das águas dos rios subterrâneos e do excesso de partículas de areia. Na foto, vista do Fervedouro do Soninho, a 34 km de Mateiros

Conde (Paraíba)

Vista da praia de Carapebus, em Conde, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Vista da praia de Carapebus, em Conde, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)

Piscinas naturais a poucos metros da praia e águas cristalinas são a atração de Conde, município paraibano localizado a menos de 35 quilômetros de João Pessoa.

Superagui (Paraná)

Praia de Superagui, no litoral do Paraná (foto: Eduardo Vessoni)
Praia de Superagui, no litoral do Paraná (foto: Eduardo Vessoni)

Localizado no município de Guaraqueçaba, no litoral norte do Paraná, este vilarejo rústico é considerado Patrimônio Natural pela Unesco e faz parte do parque nacional de mesmo nome, uma área com quase 34 mil hectares que protege praias desertas, geografia variada de Mata Atlântica, restingas, rios e manguezais.

Trancoso (Bahia)

Jacumã, praia que fica no roteiro que vai de Trancoso à Praia do Espelho, no litoral sul da Bahia (foto: Eduardo Vessoni)
Jacumã, praia que fica no roteiro que vai de Trancoso à Praia do Espelho, no litoral sul da Bahia (foto: Eduardo Vessoni)

Embora belas, as praias de Trancoso, no litoral sul da Bahia, são mais cheias e com serviço falho como a falta de estacionamento e a cobrança de consumação mínima. A praia dos Nativos é a mais tranquila e dá para ser aproveitada sem as taxas abusivas de praias vizinhas. É ali onde o rio Trancoso encontra o mar e forma uma paisagem única com várias piscinas naturais e um pequeno mangue.

3 Comentário

  1. É importante frisar que não é permitida a entrada na Gruta do Lago Azul. Bonito tem um controle ambiental bastante forte e, para preservar essa beleza, não é permitido que as pessoas entrem na água.

Deixe uma resposta para Fátima Siqueira Sene Oliveira Cancelar resposta

Seu e-mail não será divulgado.


*