Conheça vulcões da América do Sul

Ativo ou não, de formato cônico ou com topo irregular, para ver de longe ou ser escalado.

Seja qual for o tipo, vulcões são aquelas paisagens naturais que fascinam viajantes, sobretudo os brasileiros que não contam com essa opção em sua geografia. E é aqui bem do lado de casa, nos países vizinhos dos Andes, que aventureiros encontram alguns dos vulcões mais impressionantes e ativos do planeta.

LEIA TAMBÉM: “Confira destinos da América do Sul para conhecer em junho”

Confira a lista que o Viagem em Pauta selecionou com os vulcões mais belos do continente.

1. Licancabur
(Chile e Bolívia)

Localizado entre o Chile e a Bolívia, esse vulcão é um dos mais belos em toda a América do Sul. Com quase 5920 metros de altitude, em plena cordilheiras dos Andes, esse ícone da região do Atacama pode ser visto a partir de diferentes pontos do povoado de San Pedro.

Vulcão Licancabur, entre o Chile e a Bolívia (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Licancabur, entre o Chile e a Bolívia (foto: Eduardo Vessoni)

O setor vulcânico do Licancabur possui ruínas arqueológicas de antigos incas e sua cratera abriga o quinto lago mais alto no mundo, com um diâmetro de 90 por 70 metros.

De agosto a dezembro são os meses mais recomendados para escalar esse vulcão semi-ativo.

LEIA TAMBÉM: “Deserto do Atacama pela primeira vez”

2. Osorno
(Chile)

Este vulcão da Região dos Lagos, entre Porto Varas e Porto Montt, está localizado  a 2.661 metros sobre o nível do mar, no interior do Parque Nacional Vicente Pérez Rosales.

Ativo, o Osorno possui fácil acesso e oferece vistas panorâmicas do lago Llanquihue e do rio Petrohué, além de abrigar uma estação de esqui construída aos pés da montanha.

Vulcão Osorno (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Osorno (foto: Eduardo Vessoni)

3. Villarica
(Chile)

Este vulcão de Pucón, na Região da Araucanía, é considerado um dos mais ativos da América do Sul e se localiza no Parque Nacional Villarrica.

O atrativo natural conta com atividades para todos os níveis de aventura como caminhadas até seu topo, a 2.848 metros, uma estação de esqui com 20 pistas e estradas em bom estado de conservação que cruzam florestas.

A temporada no local varia de acordo com o nível de neve, mas costuma ir de junho a setembro.

Vulcão Villarrica (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Villarrica (foto: Eduardo Vessoni)

4. Calbuco
(Chile)

Vulcão localizado em Porto Varas, a sudeste do Lago Llanquihue, a 56 km de Porto Varas.

Fontes de águas termais e caminhadas são as principais atividades que podem ser realizadas nesse vulcão inativo com mais de dois mil metros de altura.

Vulcão Calbuco (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Calbuco (foto: Eduardo Vessoni)

5. Puntiagudo
(Chile)

Esta é uma das atrações naturais que podem ser vistas durante o cruzamento dos lagos entre Porto Varas e a argentina Bariloche.

Localizado a 30 km do vulcão Osorno e a quase 100 km de Porto Varas, o vulcão está a 2.493 e é considerado um dos mais complexos para caminhadas até seu topo.

Vulcão Puntiagudo (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Puntiagudo (foto: Eduardo Vessoni)

6. Ampato
(Peru)

Esse vulcão está localizado no sul do Peru, próximo a Arequipa, e se encontra a 6.288 metros sobre o nível do mar.

Vulcão Ampato (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Ampato (foto: Eduardo Vessoni)

Situado na cordilheira do Ampato, o local é conhecido por ter abrigado por 500 anos a múmia Juanita, corpo de uma garota de 12 anos que teria sido usada em um ritual de oferenda aos deuses, em 1466.

Seu impressionante bom estado de conservação se deve às altas elevações da região e à temperatura local de 20° negativos.

7. Cotopaxi
(Equador)

Com uma elevação de 5.897 metros sobre o nível do mar, esse vulcão ativo é considerado um dos mais elevados do Equador e um dos vulcões ativos mais altos do mundo.

O local se localiza na Avenida de los Volcanes, nome que se refere ao conjunto andino que ocupa parte das serras do centro e norte do Equador.

Vulcão Cotopaxi (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Cotopaxi (foto: Eduardo Vessoni)

8. Sierra Negra
(Galápagos)

Esse vulcão é considerado um dos mais antigos da Isla Isabela, no arquipélago de Galápagos, território a mil km da costa equatoriana.

Ainda em atividade, o Sierra Negra possui terreno irregular formado por lavas jovens que dificultam as caminhadas pela região.

LEIA TAMBÉM: “Destinos da América do Sul que brasileiros não costumam incluir em suas viagens”

Vulcão Sierra Negra, em Galápagos (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Sierra Negra, em Galápagos (foto: Eduardo Vessoni)

9. Rano Kau
(Ilha de Páscoa)

Dono de uma impressionante cratera com uma lagoa em seu interior, esse vulcão de 2,5 milhões de anos está a 324 metros sobre o nível do mar, na entrada da aldeia cerimonial rapa nui  Orongo.

Vulcão Rano Kau, na Ilha de Páscoa (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Rano Kau, na Ilha de Páscoa (foto: Eduardo Vessoni)

11. Misti
(Peru)

A mais de 5.800 metros sobre o nível do mar, esse vulcão cônico do sul do Peru, a 18 km de Arequipa, pode ser alcançado em longas caminhadas que duram dois dias.

O Mitsi continua em atividade, embora a última grande erupção tenha sido registrada no século 19.

LEIA TAMBÉM: “Viagem pelo maior salar do mundo é experiência única na América do Sul”

Vulcão Misti, no Peru (foto: Divulgação)
Vulcão Misti, no Peru (foto: Divulgação)

12. Chimborazo
(Equador)

Localizado nos Andes Centrais, esse vulcão equatoriano é considerado a montanha mais alta do país e está a 150 km de Quito. Ativo, esse vulcão apresenta um intervalo de mil anos entre suas erupções.

Vulcão Chimborazo (foto: Florent Figon/Flickr-Creative Commons)
Vulcão Chimborazo (foto: Florent Figon/Flickr-Creative Commons)

13. Volcán Domuyo
(Argentina)

Esse vulcão da província de Neuquén está a 4.707 metros sobre o nível do mar e é considerado o Teto da Patagônia por ser a montanha mais alta da região.

Vulcão Domuyo (foto:http://www.turismo.gov.ar/)
Vulcão Domuyo (foto:http://www.turismo.gov.ar/)

 

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*