60 anos sem Frida Kahlo

por Eduardo Vessoni / fotos: Museo Frida Kahlo

Conhecida como La Casa Azul, esta construção de 1904 serviu como principal endereço de uma das mais impressionantes artistas latino-americanas do século passado: a pintora Frida Kahlo.

Foi nesta casa em Coyoacán, um dos bairros mais antigos da Cidade do México, que Frida nasceu, em 1907, cresceu com sua família, morou com o muralista Diego Rivera e morreu, em 1954.

Visitar esta construção de 800 m² é entrar no mundo íntimo dessa polêmica pintora mexicana, onde objetos pessoais, móveis e fotos estão no local como na época em que a artista dividia a casa com o muralista Diego Rivera. O bom gosto do casal se vê materializado nos móveis coloridos de diversos ambientes e no interesse pelas artes popular e pré-hispânica.

Como descrevera em 1955 o museólogo Carlos Pellicer, responsável pela montagem do museu: “Pintada de azul, por fora e por dentro, parece abrigar um poco de céu. É a casa típica da tranquilidade de vilarejos, onde a boa mesa e o bom sono oferecem às pessoas a energia suficiente para viver sem grandes sobressaltos e morrer, pacificamente”.

Convertido em museu, quatro anos após a morte de Frida, o local é um dos espaços de exposição mais visitados da capital mexicana e recebe 25 mil pessoas todos os meses.

Conheça alguns dos ambientes da Casa Azul:

COZINHA
Vista da cozinha com fortes influências da cultura popular indígena e com o fogão a lenha da época.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

SALA DE JANTAR
Conservado como seus moradores ilustres a deixaram, a sala de jantar guarda objetos originais da época como os armários de madeira, o chão amarelo e os trabalhos de papel pendurados na parede, feitos pela artista Carmen Caballero.

Por ali passaram figuras como o escritor francês André Breton, o intelectual marxista León Trotsky e o cineasta soviético Sergei Eisenstein.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

ESTÚDIO
Cavalete, pincéis, livros e o famoso espelho que Frida usou para realizar seus autorretratos podem ser vistos neste ambiente da casa, desenhado em 1944 pelo arquiteto mexicano Juan O’ Gorman.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

QUARTO
Neste antigo quarto de Frida é possível ver o espelho que sua mãe mandou colocar no teto da cama para que a jovem pintora pudesse fazer seus trabalhos após o acidente de ônibus que Frida sofrera quando tinha 18 anos, voltando da Escuela Nacional Preparatoria.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

OBJETOS
Diversos objetos pré-hispânicos decoram a casa onde moraram Frida e Diego como esta urna em forma de sapo que guarda as cinzas da pintora. Outra peça famosa em exposição na casa é a foto realizada pelo fotógrafo Nickolas Muray, em 1939.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

JARDIM
No jardim da casa, Frida e Diego fizeram decorações com grande variedade de plantas e peças pré-hispânicas da coleção do muralista.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

OBRAS
Um dos destaques da coleção permanente da artista em exposição na Casa Azul é o quadro ‘Viva la Vida’, trabalho que Frida realizou oito dias antes de morrer e que é considerado uma homenagem a sua vontade de continuar viva, embora já estivesse bem debilitada.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

A obra não terminada ‘Frida y la cesárea’ também está em exibição e representa um dos maiores desejos da pintora: ser mãe.

foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução
foto: Museo Frida Kahlo/Reprodução

Museo Frida Kahlo

Onde: Londres, 247 (Coyoacán, Cidade do México)

Quando: Terça, das 10h às 17h45; quarta, das 11h às 17h45; e de quinta a domingo, das 10h às 17h45

Quanto: 80 pesos mexicanos (R$ 15, aproximadamente)

www.museofridakahlo.org.mx

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*