Conheça os caminhos rurais da Mata Atlântica, em Minas Gerais

Se tem um destino brasileiro que parece ter caprichado na geografia, esse lugar é o estado de Minas Gerais.

Lagoas, cachoeiras, montanhas exibidas e um bem preservado trecho de Mata Atlântica são alguns dos destaques do Circuito Mata Atlântica de Minas, voltado para o turismo rural e para as atividades ligadas ao ecoturismo e as eco-vivências.

Localizado no Vale do Aço, região do leste de Minas Gerais conhecida também como Região Siderúrgica, o circuito conta também com turismo de aventura, religioso, cultural e gastronomia regional.

Vista aérea da lagoa Dom Helvécio, no Parque Estadual do Rio Doce, em Minas (foto: Circuito Mata Atlântica de Minas/Divulgação)
Vista aérea da lagoa Dom Helvécio, no Parque Estadual do Rio Doce, em Minas (foto: Circuito Mata Atlântica de Minas/Divulgação)
“O projeto se destaca não só nas áreas rurais mas também em toda a área urbana. Somos felizes por ainda mantermos características típicas do interior e podermos oferecer toda essa simplicidade e hospitalidade mineira como um atrativo a mais ao turista”  - Rutyeli Nicolau, gestora do projeto

Um dos destaques do circuito é o Parque Estadual do Rio Doce (“a menina dos nossos olhos e dos pesquisadores das universidades federais”, conforme confessou Rutyeli para o Viagem Pauta).

Localizado a 248 km de Belo Horizonte, esse parque de quase 36 mil hectares abriga a maior floresta tropical de Minas e possui mais de 140 lagoas, o que lhe garante o título de 3° lugar em complexo lacustre do Brasil, atrás somente do Pantanal e da Floresta Amazônica.

Vista do Parque Estadual do Rio Doce, em Minas (foto: Divulgação)
Vista do Parque Estadual do Rio Doce, em Minas (foto: Circuito Mata Atlântica de Minas/Divulgação)

Uma das experiências inusitadas no local é o passeio noturno de barco, no qual o visitante pode ver (com sorte) animais como o jacaré de papo-amarelo, a onça pintada e o macaco mono-carvoeiro, espécie endêmica da Mata Atlântica que é considerada o maior primata das Américas.

Segundo Vinícius Moreira, gerente do parque, o diferencial dessa reserva é que o local serve de habitat para mais de 600 espécies de aves. No local, é possível também praticar arvorismo, fazer trilhas e caminhadas, e até se hospedar no camping ou no hotel localizados dentro do parque.

A gastronomia regional é um dos destaques do Circuito Mata Atlântica de Minas (foto: MTur/Divulgação)
A gastronomia regional é um dos destaques do Circuito Mata Atlântica de Minas (foto: MTur/Divulgação)

O roteiro na Mata Atlântica, formado também pelos municípios de Açucena, Belo Oriente, Marliéria, Santana do Paraíso e Timóteo, é conhecido também pelas apresentações de marujada, encenação religiosa que exalta os marinheiros que resgataram a imagem da Nossa Senhora do Rosário do mar.

O circuito foi um dos selecionados pelo programa “Talentos do Brasil Rural”, uma parceria entre o Ministério do Turismo (MTur), Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Sebrae, e “valoriza a identidade cultural da região”, segundo explicou o ministro do Turismo, Vinicius Lages, em nota à imprensa.

Conheça as atrações do circuito:

– São Domingos do Prata: O destino é conhecido pelo café da manhã colonial, pelo alambique da cachaça artesanal Amburaninha e pela capela decorada com pinturas do Mestre Ataíde, artista do barroco-rococó mineiro.

– Coronel Fabriciano: Destaque para o Santuário Nossa Senhora da Piedade, templo religioso localizado no alto de um morro a 7 km do centro da cidade, de onde se tem vistas panorâmicas da região.

– Serra dos Cocais: Cachoeira do Macarrão; Mirante dos Cem Homens, atrativo a 800 metros de altitude e próximo à pedra de mesmo nome; e rapel na Cachoeira da Limeira, uma descida de mais de 120 metros.

– Ipatinga: Visita à Reserva Particular do Patrimônio Natural com trilhas ecológicas e educação ambiental. Na Fazenda do Zaca, por exemplo, é possível ouvir ‘causos’ mineiros e participar de aulas sobre preservação ambiental

SAIBA MAIS
Circuito Mata Atlântica de Minas
www.circuitomataatlantica.com.br

COMO CHEGAR
De carro: acesso pela BR 381. São Domingos do Prata, a primeira cidade do circuito, está a 151 km de Belo Horizonte.
De trem: Estrada de Ferro Vitória a Minas (saiba mais)
De avião: Os principais acessos são pelos aeroportos de Ipatinga ou de Belo Horizonte.

(* por Eduardo Vessoni, com informações do Ministério do Turismo)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*