Com projeto de 15 mil m², SP ganha novos endereços para ver arte de rua

É bem possível que algumas das obras listadas nesta matéria já nem estejam no lugar onde foram produzidas. Seja pela ação de algum funcionário incauto da limpeza contratado por órgãos públicos ou pela ação implacável do tempo.

Mas desde que despontou no Brasil como forma de expressão transgressora, nos anos 70, a arte de rua de São Paulo nunca teve melhores notícias como as anunciadas, na semana passada.

Na última sexta-feira (16 de novembro), a Prefeitura de São Paulo se reuniu com um grupo de grafiteiros que participarão da curadoria de um projeto de arte urbana com cerca de 70 muros que serão pintados ao longo da avenida 23 de maio, entre o Terminal Bandeira e a passarela localizada em frente ao antigo Detran, onde hoje funciona o Museu de Arte Contemporânea.

VILA MADALENA: O bairro abriga o Beco do Aprendiz, conhecido também como Beco Escola, próximo às ruas Belmiro Braga e Ignácio Pereira da Rocha (foto: Eduardo Vessoni)
VILA MADALENA: O bairro abriga o Beco do Aprendiz, conhecido também como Beco Escola, próximo às ruas Belmiro Braga e Ignácio Pereira da Rocha (foto: Eduardo Vessoni)

Os trabalhos, que devem ficar prontos entre o fim de janeiro e início de fevereiro, já estão sendo considerados “um dos maiores corredores de grafite da América Latina”, segundo informou a Secretaria Executiva de Comunicação.

Com 15 mil m² e 5,4 km de extensão com intervenções de grafite, os trabalhos devem começar a ser feitos a partir da primeira semana de dezembro, em uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura e mais de 200 artistas a serem definidos.

Mas enquanto a arte urbana não toma conta de vez da cidade (e de forma legalizada), o Viagem em Pauta relembra os endereços em São Paulo que abrigam arte de rua, muitos deles assinados por nomes de fama internacional como Osgemeos, Nunca, Eduardo Kobra, Nina e Finok.

VEJA GALERIA DE FOTOS

  • NOVE DE JULHO: Grafite na avenida 9 de julho, no centro de São Paulo (foto: dfactory/Flickr-Creative Commons)
    NOVE DE JULHO: Grafite na avenida 9 de julho, no centro de São Paulo (foto: dfactory/Flickr-Creative Commons)

  • Vista do trabalho de Daniel Melim, no Centro de São Paulo (foto: Paulisson Miura/Flickr-Creative Commons)
    CENTRO: Vista do trabalho de Daniel Melim, na região central de São Paulo (foto: Paulisson Miura/Flickr-Creative Commons)

  •  

  • VILA MADALENA: O bairro abriga o Beco do Aprendiz, conhecido também como Beco Escola, próximo às ruas Belmiro Braga e Ignácio Pereira da Rocha (foto: Eduardo Vessoni)
    VILA MADALENA: O bairro abriga o Beco do Aprendiz, conhecido também como Beco Escola, próximo às ruas Belmiro Braga e Ignácio Pereira da Rocha (foto: Eduardo Vessoni)

  • VILA MADALENA: Um dos pontos de grafite mais famosos do bairro é o Beco do Batman, nas ruas Gonçalo Afonso e Medeiros Albuquerque (foto: Eduardo Vessoni)
    VILA MADALENA: Um dos pontos de grafite mais famosos do bairro é o Beco do Batman, nas ruas Gonçalo Afonso e Medeiros Albuquerque (foto: Eduardo Vessoni)

  •  

  • LIBERDADE: Obra do artista Nunca no bairro oriental da Liberdade, em São Paulo (foto: Eduardo Vessoni)
    LIBERDADE: Obra do artista Nunca no bairro oriental da Liberdade, em São Paulo (foto: Eduardo Vessoni)

  • LIBERDADE: Grafite do artista Nunca em banca de jornal da Liberdade (foto: Eduardo Vessoni)
    LIBERDADE: Grafite do artista Nunca em banca de jornal da Liberdade (foto: Eduardo Vessoni)

  • BURACO DA PAULISTA: Obra de Rui Amaral, no Buraco da Paulista (foto: Eduardo Vessoni)
    BURACO DA PAULISTA: Obra de Rui Amaral, no Buraco da Paulista (foto: Eduardo Vessoni)

  • BURACO DA PAULISTA: O túnel da Paulista que dá acesso às avenidas Rebouças e Dr. Arnaldo é outro endereço tradicional da arte urbana de São Paulo e abriga um mosaico de painéis coletivos (foto: Eduardo Vessoni)
    BURACO DA PAULISTA: O túnel da Paulista que dá acesso às avenidas Rebouças e Dr. Arnaldo é outro endereço tradicional da arte urbana de São Paulo e abriga um mosaico de painéis coletivos (foto: Eduardo Vessoni)

  • EIXO LESTE-OESTE: Na alça de acesso ao Viaduto Jaceguai, o mural de 680 metros não passa despercebido por quem cruza a região de acesso às avenidas 23 de Maio, Radial Leste e o Minhocão (foto: André Deak, Arte Fora do Museu/Flickr-Creative Commons)
    EIXO LESTE-OESTE: Na alça de acesso ao Viaduto Jaceguai, o mural de 680 metros não passa despercebido por quem cruza a região de acesso às avenidas 23 de Maio, Radial Leste e o Minhocão (foto: André Deak, Arte Fora do Museu/Flickr-Creative Commons)

  • EIXO LESTE-OESTE: Talvez esta seja a obra que melhor represente a arte urbana de toda a cidade, um coletivo de 2008 assinado por brasileiros que ganharam o mundo com seus traços únicos como Osgemeos, Nina Pandolfo, Nunca, Finok e Zefix 8. (foto: André Deak, Arte Fora do Museu/Flickr-Creative Commons)
    EIXO LESTE-OESTE: Talvez esta seja a obra que melhor represente a arte urbana de toda a cidade, um coletivo de 2008 assinado por brasileiros que ganharam o mundo com seus traços únicos como Osgemeos, Nina Pandolfo, Nunca, Finok e Zefix 8. (foto: André Deak, Arte Fora do Museu/Flickr-Creative Commons)

  • 12rd_MAUU_BY_Tikka Meszaros
    MUSEU ABERTO DE ARTE URBANA: Idealizado pelos grafiteiros e curadores Binho Ribeiro e Chivitz, o MAAU abriga 70 painéis nas colunas da estação do Metrô da av. Cruzeiro do Sul, na zona norte de São Paulo (foto: Tikka Meszaros/Flickr)

 

LEIA TAMBÉM: Roteiro mapeia arte de rua em São Paulo

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*