Degustação às cegas é experiência inusitada da Serra Gaúcha

Na mesa comprida de madeira, taças, guardanapos e um pano preto dão a pista do que se seguirá nos próximos 60 minutos.

A enóloga que conduzirá a sessão dá a primeira (e mais importante) instrução: “Quando vocês colocarem a bandana sobre os olhos, a brincadeira vai começar”. E, de olhos vendados, os aprendizes de enologia dão início à degustação a cegas que acontece na vinícola Dal Pizzol, em Faria Lemos, distrito de Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha.

E se a visão impedida já não permite ver aquele líquido escuro e violáceo escorrer sobre a taça, é hora de aguçar os outros sentidos.

Diferente das sessões sisudas de degustações de vinhos que, por vezes, constrangem ou intimidam os menos entendidos no assunto, a experiência é  relaxada e com tons lúdicos.

“Isso faz parte do contexto da empresa. Não queremos mostrar o lado industrial da Dal Pizzol. queremos a emoção, o que está além da taça”, descreve a enóloga Simara Troian.

1º sentido: audição
Já com os olhos vendados, os visitantes ouvem uma gravação com sons que remetem ao mundo dos vinhos. A enóloga conduz então um brainstorming etílico que leva os aprendizes a sommelier a descobrirem que sons são aqueles, para qual ambiente são levados, qual é o contexto, qual seria o tipo de vinho, se havia decanter…

Nessa hora, vale até tentar ouvir o balançar do vinho na taça para tentar adivinhar qual bebida acaba de ser servida.

A degustação a cegas começa com certa agitação dos recém chegados (tem até alguns visitantes que insistem em burlar a regra dos olhos vendados), mas logo aqueles sons vão levando os visitantes a um estado de relaxamento com os mesmos efeitos tranquilizadores do vinho.

2º sentido: tato

Na segunda etapa da atividade, todos são convidados a tocarem objetos colocados sobre a mesa como taças de vinho, e são encorajados a relacionarem sua forma com a de outros objetos.

E é nesse momento, que o grupo vai longe nas descrições, comparando aquelas inconfundíveis objetos de vidro com videiras, uvas e até seios femininos.

3º sentido: olfato

Outro sentido aguçado na experiência é o aroma dos líquidos colocados nas taças. O que nos lembra esse cheiro? A que lugar ou momento especial nos remete essa bebida?

Essas são algumas das perguntas feitas pela enóloga que fazem os visitantes viajarem por aromas como o de pão tostado, fermento e até uma cuca. Em uma das etapas, os degustadores são até instigados a imaginarem o tipo de vinho a partir da temperatura da bebida servida.

4º sentido: paladar

É branco ou tinto? Pode ser um espumante? Qual é a safra?

Na última etapa da degustação, os visitantes são convidados a beberem alguns exemplos de vinhos e adivinharem qual é o tipo de bebida provada.

“O vinho é o caminho, o meio para que os visitantes se divirtam, vivendo uma experiência com a qual não estão acostumados. As pessoas viajam para um mundo de recordações, de sentimentos e de lembranças da infância que vão além do que está na taça”, completa a enóloga responsável pela atividade.

A brincadeira continua na sala ao lado, em um pequeno museu dedicado ao vinho.

Já com a visão recuperada, o visitante vê se exibir diante dos olhos um acervo com 235 garrafas nacionais e estrangeiras, no Eco Museu da Cultura do Vinho, onde são guardados rótulos como um provável Cabernet Franc produzido pela Cia Vinícola Riograndense, em 1937, e o Velho Capitão, um tinto produzido pela então viticultora Dreher em homenagem a Assis Chateaubriand, um dos maiores orgulhos do colecionador Rinaldo Dal Pizzol.

Conheça o museu.

SAIBA MAIS
Site de turismo de Bento Gonçalves
www.turismobento.com.br

EcoMuseu da Cultura do Vinho Dal Pizzol

www.dalpizzol.com.br

 

* O Viagem em Pauta viajou a Bento Gonçalves com o apoio da Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves, da Aprovale e do Dallonder Grande Hotel

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*