Destinos brasileiros que acham que estão na Europa

Construções em estilos alpino e enxaimel, baixas temperaturas e gastronomia para aquecer o inverno, regada a exageradas doses de vinhos.

Até parece a Europa, mas nesses destinos brasileiros o destaque são atrações e clima inspirados nas cidades mais frias do Velho Continente.

Desde que os primeiros imigrantes europeus começaram a desembarcar do lado de cá do oceano Atlântico, no final do século 19, cidades do Sul e do Sudeste se transformaram em uma espécie de filial da Europa, em terras brasucas.

Nessa seleção de destinos brasileiros com cara de Velho Mundo, tem cidade conhecida como a ‘Pequena Finlândia’, vilas alemãs, comunidades italianas e um destino onde é possível até ver neve.

PARANAPIACABA

(foto: Eduardo Vessoni)
(foto: Eduardo Vessoni)

Localizada a pouco mais de 50 km da capital de São Paulo, no topo de uma falha geológica que rasga a Mata Atlântica, Paranapiacaba começou a ser erguida a partir de 1867 com o objetivo de abrigar funcionários da São Paulo Railway Co. que naquele momento construíam a primeira estrada ferroviária de São Paulo que passaria a funcionar como vias importantes de escoamento do café para o porto de Santos.

No centro histórico compacto desse distrito de Santo André, no ABC paulista, é possível visitar construções preservadas como o Castelinho, obra em estilo vitoriano do final do século 19 que abrigou a residência do então engenheiro chefe da estação ferroviária; e um pequeno museu com peças da época como o arrojado sistema funicular de transporte por plataformas até o nível do mar.

O destino é considerado a única vila ferroviária em estilo inglês preservada do Brasil.

SAIBA MAIS: “A pouco mais de 50 km de SP, Paranapiacaba é lugar perfeito para trilhas”

PENEDO

(foto: Feel In House/Flickr-Creative Commons)
(foto: Feel In House/Flickr-Creative Commons)

Esse distrito de Itatiaia, no Rio de Janeiro, é outra versão europeia em terras brasileiras.

Considerado a ‘Pequena Finlândia’, o destino conta com atrações que homenageiam os primeiros colonos provenientes daquele país nórdico do norte da Europa, como o Clube Finlândia, onde acontecem os bailes finlandeses, no primeiro sábado do mês; o Museu Finlandês, no Largo Finlândia; e restaurantes de gastronomia típica.

BLUMENAU

Prefeitura Municipal de Blumenau (foto: Marcelo Campi/Flickr-Creative Commons)
Prefeitura Municipal de Blumenau (foto: Marcelo Campi/Flickr-Creative Commons)

Anualmente, esse destino do Vale Europeu, em Santa Catarina, recebe milhares de visitantes por conta da etílica Oktoberfest, a tradicional festa alemã emprestada de Munique, na Alemanha, onde a cerveja é a (cobiçada) protagonista.

Mas a Europa se faz presente no destino, durante todo o ano, com as construções em estilos alpino e enxaimel, como é conhecida a técnica de construir com madeiras encaixadas e alvenaria, como o edifício da prefeitura local que guarda a primeira locomotiva da cidade, trazida da Alemanha.

É tanta semelhança com o Velho Continente, que essa cidade conta com uma vila, a Itoupava, considerada o endereço mais germânico do destino. SAIBA MAIS

NOVA TRENTO

(foto: turismo.sc.gov.br)
(foto: turismo.sc.gov.br)

Outro destino do Vale Europeu é essa cidade de passado italiano, considerado um dos endereços nacionais que mais recebe fiéis e romeiros, atrás apenas de Aparecida do Norte, em São Paulo.

Embora sua principal atração seja o Santuário Santa Paulina, erguido em homenagem à primeira santa brasileira, que viveu até 1942 em Nova Trento, o local é conhecido pela produção de vinhos locais e pela Festa Incanto Trentino, com apresentações musicais em dialeto trentino.

POMERODE

(foto: turismo.sc.gov.br)
(foto: turismo.sc.gov.br)

Com mais de 300 construções erguidas em estilo enxaimel, o que lhe garantiu o título de maior concentração de construções do tipo, fora da Alemanha, Pomerode abriga a Rota do Enxaimel, uma sequência de casas típicas como uma antiga estufa de tabaco e a Casa Voigt, considerada o enxaimel mais antigo da região, erguida em 1867.

O nome dessa cidade a 170 km de Florianópolis é uma referência a Pomerânia, antiga região do norte da Alemanha e na Polônia, na costa sul do Mar Báltico. SAIBA MAIS

URUBICI

Morro da Igreja e Pedra Furada, na Serra Catarinense (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)
Morro da Igreja e Pedra Furada, na Serra Catarinense (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)

A Europa parece ter sua filial nesse destino, localizado a 170 km de Florianópolis.

A região já registrou uma das temperaturas mais baixas do Brasil (-17,8°, em 1996) e abriga o ponto mais alto habitado do Sul (no Morro da Igreja, a 1.822 metros de altitude).

O ecoturismo é a principal atração de Urubici, onde é possível realizar rapel em cachoeiras, cavalgar em campos de altitude e realizar caminhadas pelos cânions da região.

SAIBA MAIS: “5 destinos brasileiros de inverno para amantes de aventura”

SÃO JOAQUIM

São Joaquim, em Santa Catarina (foto: Wikimedia Commons)
São Joaquim, em Santa Catarina (foto: Wikimedia Commons)

Basta cair chegar a temporada de inverno para esse destino catarinense ganhar destaque nos noticiários.

Conhecida como uma das cidades mais frias do Brasil, cuja principal atividade econômica é o cultivo de maçãs, essa cidade a 228 km de Florianópolis é famosa por ser uma das únicas a contar com neve, em alguns dias do ano.

Os dias por ali são marcados por temperaturas que vão dos 3°C e não ultrapassam os 16°C. SAIBA MAIS

BENTO GONÇALVES

Rinaldo Dal Pizzol, no EcoMuseu da Cultura do Vinho, em Bento Gonçalves (foto: Eduardo Vessoni)
Rinaldo Dal Pizzol, no EcoMuseu da Cultura do Vinho, em Bento Gonçalves (foto: Eduardo Vessoni)

Não tem como escapar. Uma viagem à Serra Gaúcha significa encher (muitas) taças de vinhos ou espumante e colecionar alguns (indesejáveis) quilos, em cantinas e restaurantes históricos.

Um dos destaques do enoturismo na região é o Vale dos Vinhedos, um dos cinco roteiros temáticos de Bento Gonçalves e que ocupa uma área de pouco mais que 81 km² do nordeste do Rio Grande do Sul, formado pelos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul.

A tradição italiana da região se deve à chgada dos imigrantes italianos, a partir de 1875.

LEIA TAMBÉM: “História no vinhedo: conheça o ‘Museu do Vinho’, em Bento Gonçalves”

1 Comentário

  1. Sim, agora Gramado (a mais europeia do Brasil), Canela e Caxias do Sul, onde TUDO lembra a Europa, não está incluída na lista, esse autor só pode ser catarinense!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*