Turismo de inverno: fazendas do ciclo do café promovem tours temáticos

Grandes fazendas produtoras de café, algumas com quase três séculos de existência, se tornaram hotéis e museus abertos para visitantes que queiram aprender mais sobre o período cafeeiro no Brasil.

No passado o café já teve seu auge, tendo sido o principal produto exportado no País, no século 19.

Atualmente, a economia já não depende tanto dessa atividade, mas o grão continua sendo uma matéria prima importante. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café, o Brasil é hoje o maior produtor e exportador do mundo e também o segundo maior mercado consumidor, depois dos Estados Unidos.

As antigas casas grandes ainda preservam a decoração, mobília e até a prataria da época, mas deram lugar também a acomodações luxuosas.

Nas áreas externas, ao invés de trabalho nos cafezais, agora são realizadas atividades de lazer como cavalgadas, trilhas e passeios para todas as idades. Ou seja, dá para ouvir um monte de história, levar um dedinho de prosa à base de café e ainda fazer turismo.

Conheça as propriedades que hospedam turistas e fazem tours temáticos pelos cenários em que o café foi protagonista, de casarões a senzalas onde aconteciam os horrores da escravidão.

Itatiba (SP)

Localizada em Itatiba, no interior de São Paulo, a Dona Carolina é uma das fazendas mais tradicionais. Construído na metade do século 19, o local oferece hospedagem e visita guiada que mostra o processo de fabricação do café, do plantio à degustação.

Carolina era o nome da antiga proprietária, uma das pioneiras do movimento abolicionista no Brasil.

Fazenda Dona Carolina, em Itatiba, interior de São Paulo (foto: Divulgação)
Fazenda Dona Carolina, em Itatiba, interior de São Paulo (foto: Divulgação)

Na entrada da propriedade está a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que preserva as características originais da construção, de 1898. O Salão das Cavalariças, onde ficavam os cavalos, hoje abriga o restaurante com vista para o lago. E além do café, a fazenda também produz cachaça artesanal, desde o plantio até o engarrafamento.

Os hóspedes contam também com atividades de lazer bem diversificadas, como trilhas, tirolesa, caiaque, arco e flecha, pesca esportiva, arvorismo e cavalgadas.

Itu (SP)

A Fazenda Capoava passou por diversas fases ao longo de sua história: foi engenho de açúcar, produziu café, teve escravos e depois imigrantes europeus trabalhando em suas terras e por fim, substituiu os cafezais por pastagens para gado de corte e leiteiro até 1979.

Fazenda Capoava, em Itu, interior de São Paulo (foto: Divulgação)
Fazenda Capoava, em Itu, interior de São Paulo (foto: Divulgação)

Construído em taipa de pilão por volta de 1750, o casarão da fazenda de arquitetura bandeirista era a antiga residência dos proprietários. Atualmente, os hóspedes têm 25 chalés de quatro tipos diferentes para escolher, entre eles quartos em senzalas adaptadas e construções a beira do lago.

Outro destaque é o restaurante, que serve comida regional paulista e brasileira como virados, vaca atolada, broa de fubá, bolo de milho, canjica, curau e leitoa assada.

Bananal (SP)

Em Bananal, no interior de São Paulo, está a Fazenda Boa Vista, erguida em meados de 1780.

Desde sua construção até 1840, era uma importante produtora de anil. Dali em diante é que o café passou a ser o produto principal da casa grande, onde a estimativa é que tenha abrigado mais de mil escravos.

(foto: Fazenda Boa Vista/Divulgação)
(foto: Fazenda Boa Vista/Divulgação)

Noveleiros de plantão vão gostar de sabe que a fazenda já serviu de cenário para novelas e minisséries como “Sinhá Moça”, “Cabocla” e “Um Só Coração”.

Explore o local fazendo caminhadas ou cavalgadas.

Barra do Piraí (RJ)

(foto: Gabriel Marques/Divulgação)
(foto: Gabriel Marques/Divulgação)

Para entrar no clima da época do ciclo do café, além de se hospedar em uma fazenda, nada melhor do que conhecer a história através de seus personagens.

Na fazenda Ponte Alta, o tour é guiado pelo Barão de Mambucaba, que percorre com os visitantes a casa grande, o engenho, a senzala e as rodas d’água.

A programação inclui um sarau na capela com encenações que representam o cotidiano de uma família do século 19, com direito a danças do Império, Polca, Minueto e Valsa. Outro evento é o Sarau do Gegê, que retrata a era do rádio e os últimos aniversários do ex-presidente Getúlio Vargas, celebrados na fazenda.

Valença (RJ)

Fazenda Florença (foto: Divulgação)
Fazenda Florença (foto: Divulgação)

O Hotel Fazenda Florença fica em um casarão de 1852, feito em base de pedra e piso de peroba do campo.

Projetado em U, possui um pátio central charmoso, com detalhes decorativos neoclássicos em suas colunas e pestanas de janela.

Os hóspedes têm a possibilidade de fazer um tour para conhecer a história, arquitetura e gastronomia da região do Vale do Café. O espaço também conta com piscina, sauna, sala de jogos e briquedoteca, além de promover chá colonial e saraus com personagens da época caracterizados.

(* com informações do Ministério do Turismo)

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*