Começa temporada de observação de baleias jubarte na Bahia

A tradicional temporada de observação da baleia Jubarte na costa da Bahia começa neste mês de julho e segue até novembro, período em que cerca de 15 mil desses mamíferos marinhos vêm da Antártida para o litoral brasileiro a fim de se reproduzirem.

O principal berço dessa ritual que já se transformou em uma grande atração turística fica no Parque Nacional dos Abrolhos, na Bahia.

Só para se ter uma ideia do que o visitante vai encontrar por ali, os filhotes medem quatro metros e pesam 1,5 tonelada. Já os adultos chegam a 16 metros de comprimento e 40 toneladas, o que equivale ao peso de oito elefantes juntos.

Nesta época, quando é possível ver acrobacias e saltos aéreos em que as baleias chegam a expor até dois terços do corpo, as baleias costumam ficar em águas rasas, bem próximas da costa, a fim de proteger os filhotes de predadores, facilitando a aproximação e observação desses gigantes marinhos.

Baleia-jubarte em Abrolhos, na Bahia (foto: Amnemona-Marina C. Vinhal/Wikimedia Commons)
Baleia-jubarte em Abrolhos, na Bahia (foto: Amnemona-Marina C. Vinhal/Wikimedia Commons)

A porta de entrada é o município de Caravelas e as embarcações levam cerca de três horas para chegar ao arquipélago.

Com o fim da caça e o aumento da população das baleias, cada vez mais é possível avistá-las em diferentes pontos da costa baiana. Atualmente, empresas especializadas oferecem esse tipo de turismo em quase todo o litoral do estado.

Por se tratar de uma área de conservação, as regras são rígidas para a chegada em Abrolhos.

Por isso, o passeio deve ser feito apenas por meio da contratação de operadoras capacitadas em lidar com a espécie marinha; não aproximar a embarcação a menos de 100 metros das baleias; desligar as hélices do barco durante o período de observação; não permanecer mais de 30 minutos próximo aos animais e respeitar o limite de velocidade.

As embarcações devem também ter sempre um biólogo a bordo que, além de coletar informações para pesquisas, ajuda a orientar os turistas e tripulantes.

PARQUE NACIONAL MARINHO DOS ABROLHOS
Esse Parque Nacional de cerca de 91.300 hectares foi criado em 1983 e compõe um bioma marinho (o que significa dizer que as principais atrações ficam na água).

Nos mergulhos podem-se apreciar os recifes e toda fauna marinha. Além das ilhas, o parque comporta também o Parcel dos Abrolhos, onde podem ser vistas as formações coralíneas típicas da região – os chamados chapeirões, grandes estruturas de coral em forma de cogumelo com alturas entre cinco e 25 m e diâmetros de cinco a 50 m -, e o Recife de Timbebas, que preserva uma amostra significativa do arco costeiro de recifes e está localizado em frente ao município de Alcobaça.

E entre as personalidades científicas que já passaram por ali está o cientista Charles Darwin, criador da teoria da evolução das espécies e que esteve na região, nos anos 1830.

PROJETO BALEIA JUBARTE
Anualmente, o PBJ acompanha o período de reprodução destes animais em vários pontos da costa baiana.

Todo o ciclo reprodutivo das jubartes acontece entre os meses de julho e novembro. No último levantamento de dados, realizado em 2011, foram estimadas cerca de 14 mil baleias jubarte, entre os estados de Sergipe e Rio de Janeiro.

Durante a estadia no maior berço reprodutivo do Atlântico Sul, em Abrolhos (extremo sul da Bahia), veterinários, biólogos e educadores ambientais do PBJ acompanham de perto esses cetáceos.

COMO CHEGAR
O Parque Nacional de Abrolhos tem acesso apenas por vias marítimas e as embarcações para visitar o local partem da cidade de Caravelas, na Bahia, cuja viagem até esse arquipélago dura cerca de três horas.

Ao desembarcar os visitantes percorrem uma trilha de 1.600 metros que circunda a ilha

ONDE FICAR
As cidades baianas que servem como base para visitar o Parque são Caravelas, Alcobaça, Prado, Nova Viçosa e Mucuri.

SAIBA MAIS
Projeto Baleia Jubarte
www.baleiajubarte.org.br

(*fonte: Ministério do Turismo, Projeto Baleia Jubarte e ICMBIO)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*