Fora dos passeios tradicionais, conheça o outro lado de Fernando de Noronha

Ele é dono da praia mais linda do mundo; foi considerado, recentemente, lar da melhor ilha da América do Sul; e tem uma geografia exibida que o colocou na lista dos destinos nacionais mais cobiçados pelos brasileiros.

Localizado a pouco mais de 540 km de Recife, o arquipélago de Fernando de Noronha é daqueles lugares que a gente demora para conhecer (afinal de contas, trata-se de um dos  destinos mais caros e exclusivos do Brasil), mas quem desembarca naquele conjunto de 21 ilhas e ilhotas de origem vulcânica nunca mais consegue sair.

A gente sai da ilha, mas ela não sai da gente.

Entre praias paradisíacas, passeios de barcos e excelente gastronomia internacional, Noronha é também lugar de experiências inusitadas. Confira a seleção para você conhecer uma ilha diferente (ou querer voltar para lá e vê-la com outros olhos).

Captura intencional de tartarugas

(foto: Eduardo Vessoni)
(foto: Eduardo Vessoni)

Às segundas e quintas, a Praia do Sueste (ou em outra praia, de acordo com a maré), no Mar de Fora, tem sua rotina alterada. E é por uma boa causa.

Semanalmente, biólogos do Projeto Tamar fazem a captura intencional de tartarugas marinhas com fins científicos e, ali mesmo na areia, dão uma aula para os banhistas sobre os hábitos e características da tartaruga-de-pente. Com sorte, e no dia certo, é possível acompanhar também a demarcação de ninhos, e o nascimento e soltura de filhotes, na praia do Leão.

E o que é melhor: é tudo de graça.

LEIA TAMBÉM: “Captura de tartarugas é experiência única em Fernando de Noronha”

Sobre duas rodas

(foto: Zaira Matheus/All Angle)
(foto: Zaira Matheus/All Angle)

Fernando de Noronha ganhou, recentemente, 18 bicicletas elétricas que podem ser alugadas nos postos de Informação e controle da ilha, um aliado ecológico que ajuda a conhecer outros endereços do destino. Esta é uma oportunidade para circular pela ilha de forma independente em roteiros como a BR-363, entre o porto e a Baía do Sueste.

O aluguel pode ser feito nos PICs da ilha, como são conhecidos os postos de informação e controle, sob administração da Econoronha.

Mergulho

(foto: All Angle/Laís Iná)
(foto: All Angle/Laís Iná)

Que Fernando de Noronha é um dos melhores pontos de mergulho do Brasil e tem visibilidade marinha que pode chegar a 50 metros de profundidade, todo mundo já sabe.

Mas, recentemente, o fundo do mar foi mapeado, em um audacioso projeto com imagens submarinas de 360° feito pelo Google, em parceria com a empresa Atlantis Divers, que também realiza mergulhos guiados de até 12 metros para visitantes que não tenham certificação.

LEIA TAMBÉM: “CRÔNICA: Mergulho na alma (com cilindro e pé-de-pato), em Noronha”

Plana Sub

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

Conhecido como plana sub, o mergulho rebocado em apneia é um reboque com uma corda de 16 metros de extensão que vai amarrada em uma prancha que permite ao banhista descer até 12 metros de profundidade.

Durante o passeio de 3,5 km, é possível realizar manobras para submergir e afundar, de acordo com os movimentos feitos pelos visitantes.

LEIA TAMBÉM: “Melhores destinos para praticar mergulho”

Trilhas

(foto: Eduardo Vessoni)
(foto: Eduardo Vessoni)

O destino já é conhecido pelas trilhas e mirantes de madeira sintética instalados pela concessionária Econoronha que assumiu a administração da ilha, em 2012.

Mas quem procura trilhas mais selvagens não pode deixar de realizar a dos Abreus, uma caminhada de 1.200 metros de extensão que margeia o Mar de Fora; bem como a Trilha do Atalaia, com puxados 6,2 km que levam o visitante a atrações naturais como a piscina natural do Atalaia, o Mar de Fora e a caverna do “Capitão Kid”.

LEIA TAMBÉM: “Fernando de Noronha para mãos-de-vaca”

(* fonte: Skyscanner)

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*