Conheça piscinas naturais paradisíacas do Brasil

No verão do lado de cá do planeta, viajantes só têm cabeça para uma única experiência: refrescar-se em águas de tons exagerados e temperaturas equilibradas.

Seja em praias de águas salgadas ou doces, a variada geografia brasileira permite a formação de piscinas naturais que represam o mar ou nascentes de rios, ideais para mergulhos sem interferência de ondas e observação de mirantes naturais.

No Nordeste, lugares como Rio Grande do Norte, Bahia e Pernambuco oferecem opções de água salgada. E em locais mais inusitados, como Roraima, Tocantis e Goiás, o turista desfruta de tanques de água doce que se escondem em endereços isolados.

Conheça algumas das piscinas naturais do Brasil:

LEIA TAMBÉM: Praias do Brasil que valem por uma piscina (natural, claro)

⇒ PISCINAS NATURAIS DO MONTE RORAIMA

foto: Wikimedia Commons
foto: Wikimedia Commons

O Monte Roraima está no extremo norte do estado, nas fronteiras com a Venezuela e a Guiana. É um dos picos mais altos do País, com 2.875 metros de altitude e 40 km² de extensão, aproximadamente. Esse tepui, como são chamadas as mesetas de paredões verticais e topo plano, abriga piscinas naturais de água gelada, devido ao fundo formado por cristais de quartzo.

⇒ LAGOA BONITA (MARANHÃO)

foto: Sylvain Bourdos/Flickr-Creative Commons
foto: Sylvain Bourdos/Flickr-Creative Commons

Na cidade de Barreirinhas, a Lagoa Bonita é parte dos Lençóis Maranhenses e fica a 257 km da capital do estado, São Luís. Tem águas escuras e esverdeadas e é rodeada pelas dunas da região. A vista do pôr do sol proporciona um jogo de cores e é uma das dicas para os turistas que visitam o lugar.

LEIA MAIS: Temporada nos Lençóis Maranhenses vai até setembro

⇒ LAGOA DO PARAÍSO (CEARÁ)

foto: Wikimedia Commons
foto: Wikimedia Commons

Em Jericoacoara, no litoral norte do Ceará, as lagoas se formam na época da chuva e têm águas cristalinas que não são geladas. Criou-se o costume de colocar redes dentro delas, para o visitante aproveitar um bom descanso.

⇒ MARACAJAÚ (RIO GRANDE DO NORTE)

Vista aérea dos parrachos de Maracajaú, no litoral do Rio Grande do Norte (foto: Corais de Maracajaú/Divulgação)
foto: Corais de Maracajaú/Divulgação

No litoral do Rio Grande do Norte, a 55 km de Natal, piscinas naturais, oficialmente chamadas de parrachos, se formam na maré baixa em alto mar, em Maracajaú. Com acesso por catamarãs, a atração tem  profundidade que vai  de 1 a 3 metros, rodeada por um cordão de 13 km² de corais. O lugar é ideal para se fazer snorkeling recreativo ou mergulho com cilindro.

LEIA MAIS: Maracajaú: piscinas em alto mar, no litoral do Rio Grande do Norte

 ⇒ PIPA (RIO GRANDE DO NORTE)

foto: Eduardo Vessoni
foto: Eduardo Vessoni

A Praia de Pipa é uma das mais conhecidas do Rio Grande do Norte, a 85 km ao sul de Natal, e possui uma infraestrutura turística já bem desenvolvida como passeios de barco, a cavalo ou caiaque, e trilhas guiadas.

Suas piscinas naturais têm águas mornas e claras, onde é possível realizar mergulho livre. Na praia, há ainda locais de preservação da natureza, como o Santuário Ecológico de Pipa, onde é possível ter contato com a fauna local.

⇒ TAMBABA (PARAÍBA)

foto: Eduardo Vessoni
foto: Eduardo Vessoni

No município de Conde, distante 26 km de João Pessoa, capital da Paraíba, a praia de Tambaba foi nomeada por causa de uma lenda tupi, cuja protagonista era uma índia de mesmo nome. Por causa das rochas da região, são formadas piscinas naturais que têm água morna.

Tambaba é considerada a primeira praia de naturismo do Nordeste.

 ⇒ PORTO DE GALINHAS (PERNAMBUCO)

foto: Victor Bonomi/Flickr-Creative Commons
foto: Victor Bonomi/Flickr-Creative Commons

Um dos destinos brasileiros mais populares (e muvucados), Porto de Galinhas se localiza no litoral pernambucano, ao sul da capital Recife.

A quantidade de arrecifes que represam a água do mar dão origem a piscinas naturais, onde se pode realizar mergulho livre com snorkel ou mergulho com cilindro. Os peixes podem ser vistos também a olho nu e as piscinas ficam próoximas a areia da praia, podendo ser exploradas pela água ou por cima, caminhando entre as rochas.

⇒ FERNANDO DE NORONHA (PERNAMBUCO)

foto: Eduardo Vessoni
foto: Eduardo Vessoni

Praticamente, qualquer praia desse arquipélago vulcânico do litoral de Pernambuco tem dom para ser piscina.

Considerado um dos locais mais preservados do Brasil, o local abriga um parque nacional, famoso pelo ecoturismo e por suas águas de tons turquesas que chamam a atenção.

Além de aproveitar as piscinas naturais, é possível também observar golfinhos ou praticar mergulho com cilindro.

LEIA MAIS: “Isolado e paradisíaco, arquipélago de Fernando de Noronha também tem opções econômicas”

⇒ CROA DA BARRA GRANDE  (ALAGOAS)

foto: Eduardo Vessoni
foto: Eduardo Vessoni

Piscina da Costa dos Corais, região de 130 km de praias alagoanas em uma Área de Proteção Ambiental (APA), possui águas claras e uma das maiores sequências de corais do mundo. Fica no município de Maragogi e se forma na maré baixa, sendo uma piscina em alto mar de águas rasas. É bastante vazia e preservada, com rica vida marinha.

⇒ TAIPU DE FORA (BAHIA)

foto: Judson Castro/Flickr-Creative Commons
foto: Judson Castro/Flickr-Creative Commons

Situada na Península de Maraú, litoral sul da Bahia, a 138 km de Salvador, essa praia de 7 km de extensão contém diversos coqueirais e um mar de águas calmas e claras, propícias para mergulho livre. Na costa, há recifes de corais, que na maré baixa formam piscinas naturais onde se pode observar peixes e outros animais marinhos.

⇒ FERVEDOURO DO SONINHO (TOCANTINS)

foto: Eduardo Vessoni
foto: Eduardo Vessoni

No meio do deserto tocantinense do Jalapão, é possível encontrar esse pequeno oásis de água colorida e cercado por bananeiras. As piscinas naturais são alimentadas por água corrente e fazem parte da bacia hidrográfica dos rios Araguaia e Tocantins.

Fervedouro é o nome que se dá a nascentes subterrâneas nas quais a pressão do solo impede quem está nadando de afundar; nelas ainda ocorre o fenômeno conhecido como ressurgência ou águas borbulhantes.

LEIA TAMBÉM: Jalapão: o deserto brasileiro

⇒ POÇO AZUL (GOIÁS)

foto: Wikimedia Commons
foto: Wikimedia Commons

Localizada na goiana Formosa, a 150 km de Brasília, essa piscina natural do distrito de Bezerra é formada pela nascente de dois rios, formando um poço no meio da mata nativa. O tom azulado acontece por causa do fundo do poço, formado por calcário.

Tem extensão de quinze metros e profundidade de sete. A água é fria, ideal para se refrescar no calor goiano e de boa visibilidade.

⇒ GRUTA AZUL (MATO GROSSO DO SUL)

foto: Valdiney Pimenta/Flickr-Creative Commons
foto: Valdiney Pimenta/Flickr-Creative Commons

Descoberta por um índio local, nos anos 20, essa gruta em Bonito, um dos destinos mais famosos para ecoturismo e fica no interior de uma caverna. Tombada como patrimônio natural, o local tem águas de cor azul turquesa e profundidade de até 90 metros.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*