Dicas para quem vai viajar com o pet

O animal de estimação passou a ser parte da família, mas antes de viajar com um pet é importante saber que existem regras para transporte e hospedagem. Uma viagem com o mascote exige cuidados especiais, desde a preparação do animal até a escolha do destino.

Confira dicas para que seu companheiro cair na estrada ou pegar o avião com você:

LEIA TAMBÉM: 6 dicas para escolher um hotel para seu pet

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

foto: Divulgação/Turismo 4Patas
foto: Divulgação/Turismo 4Patas

• Antes da viagem começar, é importante verificar o estado de saúde do animal e obter uma autorização do veterinário para que o passeio seja feito.

A carteira de vacinação precisa estar em dia, mas é preciso que isso seja conferido com antecedência de pelo menos um mês dependendo do meio de transporte utilizado.

• Alguns destinos internacionais exigem a implantação de microchip de identificação para que a entrada do bichinho seja aceita no país e, em alguns casos, é exigido também um processo de quarentena antes da viagem. O Ministério da Agricultura emite gratuitamente um Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), que pode ser emitido inclusive no próprio aeroporto e é necessário para o transporte.

ESCOLHENDO O DESTINO

foto: Claudio Kuribayashi/ Turismo 4Patas
foto: Claudio Kuribayashi/ Turismo 4Patas

• Se a família for viajar para o litoral, a circulação de animais é oficialmente proibida nas praias de todo Brasil e pode acarretar multas, mas, se ainda sim decidir por levá-lo a praia, vá entre as 7h e 10h  ou depois das 17h, quando está mais vazia.

Por causa da alta incidência de sol, é preciso passar protetor solar adequado para bichos, principalmente cães, que pode ser recomendado pelo seu veterinário de acordo com a raça do animal.

• Em áreas rurais ou com muito mato, a maior preocupação é com pulgas e carrapatos. Para prevenir, é essencial a aplicação de doses de antipulga e carrapaticida.  Caso o pet seja picado por algum inseto, como abelhas, é possível que seja desencadeada uma reação, então é importante se informar com o veterinário sobre qual o procedimento e remédio indicados para seu bicho.

Dependendo da raça, não é recomendado a viagem para lugares com temperaturas extremas, principalmente os mais frios, uma vez que animais de focinho curto, tanto cães quanto gatos, não conseguem manter sua temperatura tão bem por terem respiração mais restrita.

• Sempre leve consigo água para manter o animal hidratado e saquinhos plásticos para recolher os dejetos.

TRANSPORTE

• Para quem vai viajar de carro, é obrigatório que o animal esteja dentro de uma caixa de transporte, principalmente se for um gato, ou, no caso de cães, com um cinto de segurança adaptado para bichos. Além de evitar acidentes, viajar com animal de estimação solto é uma infração, segundo as normas de trânsito brasileiras.

• Se for viajar de ônibus, dê preferência para companhias que permitam o transporte do animal na cabine, pois nem sempre o compartimento de malas é climatizado adequadamente.

foto: Turismo 4Patas/Divulgação
foto: Turismo 4Patas/Divulgação

• No caso de viagens de avião, é necessário fazer uma reserva com antecedência, porque o limite máximo é de 4 pets por voo. Além disso, a carteira de vacinação precisa ser apresentada juntamente com um atestado de saúde emitido pelo veterinário, com validade de 10 dias.

• Animais com menos de 4 meses ou que tenham sido vacinados contra raiva há menos de 30 dias não podem ser transportados. Se o transporte for dentro da cabine, precisa estar em um kennel de 36 cm de comprimento e 33 de largura.

• Na TAM, o peso máximo, incluindo o kennel, é 7 kg e é cobrada uma tarifa de R$ 200. Já na Gol, o limite de peso é de 10 kg e a tarifa é de R$ 150,00. Animais que não correspondam a essas características, mas que tenham até 45 kg, podem ser transportados no porão do avião.

• Durante as viagens, em qualquer meio de transporte, o uso de sedativos não é recomendado, pois pode causar complicações no pet, como relaxamento muscular ou sedação excessiva e ainda deixar o animal hiperativo, tendo efeito contrário do desejado, se a dose administrada não for correta.

BAGAGEM DO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO

Leve para a viagem pertences que ajudarão o bicho a se ambientar, como brinquedos, mantas e objetos preferidos dele, para a adaptação ao local ser rápida. Caso a viagem seja longa, leve também material para banho.

Não se esqueça de potes de comida e ração, na quantidade necessária para o período de estadia.

Por precaução, leve também remédios para caso de enjoo, picadas ou outras complicações menos severas, pois no destino talvez não seja possível encontrar, mas todos recomendados por um veterinário.

HOSPEDAGEM

foto: Turismo 4Patas/Divulgação
foto: Turismo 4Patas/Divulgação

Nem todos os estabelecimentos hoteleiros recebem animais de estimação, por isso é importante checar as normas quando for feita a reserva do hotel, como o porte permitido, número de animais por hóspede e se há áreas nas quais a entrada do bicho não é aceita.

Confira se o lugar escolhido para se hospedar possui espaço para seu animal de estimação se exercitar ou atividades específicas para diversão do mascote.

• Não deixe o animal sozinho no quarto, tanto para evitar problemas como também para o bem-estar dele, evitando que  se estresse e limpe as sujeiras que ele fizer lá dentro.

Dentro do hotel, mantenha seu cachorro na guia, para que não incomode outros hóspedes que não gostem ou tenham medo de animais, mesmo se forem pequenos.

LEIA TAMBÉM: “15 praias brasileiras que acham que são piscinas”

(*com informações de Turismo 4Patas)

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*