Conheça atrações naturais do Tocantins

Fervedouro do Soninho, no Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)
Fervedouro do Soninho, no Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)

Taí o destino nacional que muito viajante brasileiro se esquece de colocar no roteiro (mais por falta de conhecimento do que pela variedade cenográfica daquelas terras do norte do Brasil). Dono da capital mais jovem do País, fundada em 1989, o Tocantins é daqueles lugares que, uma vez visitado, faz a gente querer voltar outras vezes.

Praias artificiais com finais de tarde generosos, em plena capital Palmas; dunas de areia que parecem trazidas das savanas africanas, no Jalapão; a maior ilha fluvial do planeta; e uma região com mais de 80 cachoeiras catalogadas.

Nesse post, o Viagem em Pauta lista seis destinos imperdíveis em Tocantins, como o obrigatório Jalapão, conhecido pelas expedições em caminhões adaptados ou carros 4×4; as cachoeiras de Taquaruçu, a apenas 35 km da capital; e a Ilha do Bananal, um pedaço de terra com cerca de 20 mil km², considerada a maior ilha fluvial do mundo.

LEIA TAMBÉM: “Conheça destinos brasileiros para visitar em fevereiro”

JALAPÃO

Dunas do Jalapão (foto: A. Duarte/Flickr-Creative Commons)
Dunas do Jalapão (foto: A. Duarte/Flickr-Creative Commons)

Seu cenário desértico de dunas e lagoas talvez seja a imagem mais conhecida do Tocantins, na divisa com a Bahia, Piauí e Maranhão.

Com uma densidade demográfica que não chega a um habitante por km² e vegetação semelhante às das savanas africanas, o Jalapão é um dos destinos turísticos mais isolados do Brasil, cuja paisagem árida abriga montanhas em forma de platô, dunas móveis, cachoeiras, praias de água doce e poços naturais cristalinos que não deixam o visitante afundar, conhecidos como fervedouros ou ressurgência, um fenômeno em águas borbulhantes, capaz de fazer qualquer adulto virar criança nesses poços de tons transparentes rodeados por bananeiras.

Vista da Serra do Espírito Santo, uma das atrações naturais do Jalapão, cuja erosão deu origem às dunas locais (foto: Eder Fortunato/Flickr-Creative Commons)
Vista da Serra do Espírito Santo, uma das atrações naturais do Jalapão, cuja erosão deu origem às dunas locais (foto: Eder Fortunato/Flickr-Creative Commons)

Nessa área de mais de 34 mil km², onde dunas de até 30 metros se movimentam aos pés da Serra do Espírito Santo, os viajantes costumam chegar a bordo de caminhões adaptados ou carros 4×4 que realizam expedições de até 5 dias. SAIBA MAIS

LEIA TAMBÉM: “Jalapão: o deserto brasileiro”

ILHA DO BANANAL

Ilha do Bananal (foto: 40 Graus no Cerrado/Divulgação)
Ilha do Bananal (foto: 40 Graus no Cerrado/Divulgação)

Considerada a maior ilha fluvial do planeta, no oeste do Tocantins, esse pedaço de terra com cerca de 20 mil km² fica submerso, durante boa parte do ano, ressurgindo a cada período de seca.

Nesse destino onde a Floresta Amazônica se encontra com o Cerrado, a experiência inclui pesca esportiva, observação de aves, praias e safári fotográfico pela ilha, banhada pelos rios Araguaia e Javaés. Segundo o ICMBIO, a vegetação desse Parque Nacional conta com ambientes amazônicos, de cerrado e do Pantanal.

Lagoa da Confusão (foto: Emerson Silva/MTur)
Lagoa da Confusão (foto: Emerson Silva/MTur)

O município de Lagoa da Confusão, a 230 km de Palmas, é uma das principais portas de entrada, cujo espelho d’água que dá nome à cidade abriga uma pedra que parece flutuar e se deslocar, de acordo com o ponto de vista. Outro destaque do destino é o Parque Nacional do Araguaia, uma área de 562.312 hectares, o equivalene a 1/4 do território total da ilha, localizado no setor norte. SAIBA MAIS

PARQUE ESTADUAL DO CANTÃO

Esse parque com mais de 90 mil hectares, no norte da Ilha do Bananal, é um santuário ecológico de biodiversidade variada, banhado pelo rio Araguaia e com centenas de lagos, a 260 km da capital Palma.

Formado como um delta do rio Araguaia, no oeste do Tocantins, a atração abriga mais de 800 lagos e uma área que apresenta características de Cerrado e de Floresta Amazônica.

Com 7,5 km de trilhas que possibilitam a observação de pássaros e animais silvestres como tuiuiú, servo, iguanas, seriemas e jacarés, o local permite realizar caminhadas ao redor do Lago da Benta (3.500 metros) e a trilha ao redor dos lagos Três Pernas, Cega-Machado e Cabana (4 mil metros de extensão).

A região, com rios próprios para banhos, oferece também opções para a pesca esportiva e esportes radicais.

A melhor época para conhecer o parque é entre maio e setembro, cuja vazante dos rios fazem surgir praias e diferentes ilhas.

BICO DO PAPAGAIO

No extremo-norte do Tocantins, em uma área de transição entre o Cerrado e a Floresta Amazônica, o encontro dos rios Araguaia e Tocantins marca a geografia dessa região histórica que remete a missões religiosas e à trilha rumo ao norte do Brasil.

O Bico do Papagaio ficou conhecido, nos anos 1970, pela guerrilha do Araguaia. Localizado em uma área de quase 16 mil km² e com 25 municípios, o local abriga praias de água doce e areias claras.

LEIA TAMBÉM: “2016 é o ano de conhecer o Brasil, destino de 9 em cada 10 turistas nacionais”

TAQUARUÇU

Cachoeira do Evilson, em Taquaruçu (foto: Eduardo Vessoni)
Cachoeira do Evilson, em Taquaruçu, próximo a Palmas (foto: Eduardo Vessoni)

A 35 km da capital Palmas, rodeado pela Serra do Lajeado, um mundo de cachoeiras refresca almas cansadas do calor sufocante dessa cidade inspirada na vizinha Brasília.

Com mais de 80 cachoeiras catalogadas, embora apenas 10% estejam abertas para visita pública, esse distrito de Palmas é a versão serrana do Tocantins, considerada a região mais fria do município, e surpreende forasteiros com cachoeiras de mais de 70 metros que ficam bem no quintal de casa.

LEIA TAMBÉM: “Temporada de cachoeiras em Tocantins termina em agosto”

PALMAS

A capital mais jovem do Brasil, fundada em 1989, tem algo de Brasília, com suas vias largas e cortadas por rotatórias; ruas com nomes alfanuméricos; sol castigante, ao meio-dia (e sem sombra para se refugiar);  e concentração de prédios públicos, praticamente, em um mesmo endereço.

A história recente da região e do País pode ser revisitada no centro da cidade, onde ficam o Memorial Coluna Prestes, construção de Oscar Niemeyer em referência à passagem da Coluna Prestes; o monumento ‘Os 18 do Forte de Copacabana’, uma homenagem ao movimento militar contra o governo da República Velha; e o Palácio Araguaia,  que reúne as sedes dos Três Poderes e o centro geodésico do Brasil.

Praia da Graciosa, em Palmas (foto: Eduardo Rolim/Flickr-Creative Commons)
Praia da Graciosa, em Palmas (foto: Eduardo Rolim/Flickr-Creative Commons)

Palmas, quem diria, também abriga praias, porém artificiais.

Equipadas com bares e restaurantes, essas praias que surgiram com o represamento do rio Tocantins para a construção da hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães, as  faixas de areia mais populares são as do Prata e da Graciosa, próximas ao centro.

LEIA TAMBÉM: “2016 é o ano de conhecer o Brasil, destino de 9 em cada 10 turistas nacionais”

VEJA IMAGENS

  • Fervedouro do Soninho, no Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)
    Fervedouro do Soninho, no Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)

  • Praia da Graciosa, em Palmas (foto: Eduardo Rolim/Flickr-Creative Commons)
    Praia da Graciosa, em Palmas (foto: Eduardo Rolim/Flickr-Creative Commons)

  • Lagoa da Confusão (foto: Emerson Silva/MTur)
    Lagoa da Confusão (foto: Emerson Silva/MTur)

  • Ilha do Bananal (foto: 40 Graus no Cerrado/Divulgação)
    Ilha do Bananal (foto: 40 Graus no Cerrado/Divulgação)

  • Vista da Serra do Espírito Santo, uma das atrações naturais do Jalapão, cuja erosão deu origem às dunas locais (foto: Eder Fortunato/Flickr-Creative Commons)
    Vista da Serra do Espírito Santo, uma das atrações naturais do Jalapão, cuja erosão deu origem às dunas locais (foto: Eder Fortunato/Flickr-Creative Commons)

  • Dunas do Jalapão (foto: A. Duarte/Flickr-Creative Commons)
    Dunas do Jalapão (foto: A. Duarte/Flickr-Creative Commons)

  • Prainha da Cachoeira da Velha, no Tocantins (foto: Eduardo Vessoni)
    Prainha da Cachoeira da Velha, no Tocantins (foto: Eduardo Vessoni)

  • Prainha da Cachoeira da Velha, no Tocantins (foto: Eduardo Vessoni)
    Prainha da Cachoeira da Velha, no Tocantins (foto: Eduardo Vessoni)

  • Fervedouro do Soninho, noJalapão (foto: Eduardo Vessoni)
    Fervedouro do Soninho, noJalapão (foto: Eduardo Vessoni)

  • Roncadeira, em Taquaruçu (foto: Eduardo Vessoni)
    Roncadeira, em Taquaruçu (foto: Eduardo Vessoni)

  • Cachoeira do Evilson, em Taquaruçu (foto: Eduardo Vessoni)
    Cachoeira do Evilson, em Taquaruçu (foto: Eduardo Vessoni)

  • Dunas do Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)
    Dunas do Jalapão (foto: Eduardo Vessoni)


SAIBA MAIS
Turismo oficial de Tocantins
www.turismo.to.gov.br
(* com informações do Ministério do Turismo)

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*