Viagem inédita fará primeira volta ao mundo de trem

Na 'Volta ao mundo de trem', os passageiros embarcam também no trem The Canadian e cruzam todo o país até a costa oeste, do outro lado do Canadá, em Toronto (foto: Divulgação)
Na ‘Volta ao mundo de trem’, os passageiros embarcam também no trem The Canadian e cruzam todo o país até a costa oeste, do outro lado do Canadá, em Toronto (foto: Divulgação)

Que atire o primeiro passaporte, o viajante que nunca sonhou em dar uma volta ao mundo.

Mas no lugar das famosas RTW, como são chamadas as passagens aéreas que permitem diversos embarques em companhias aéreas de alianças internacionais, serão
35 dias de viagem por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7… trens.

Sim, sete trens (e a gente achava que isso só era possível em brincadeiras de crianças com suas miniaturas ferroviárias!).

Nesse roteiro inédito transcontinental, os viajantes passarão por Portugal, França, Rússia, Canadá e Estados Unidos.

Considerada a primeira volta ao mundo de trem, a viagem começa a bordo do Sud Expresso no dia 24 de agosto, na estação Oriente de Lisboa, capital de Portugal e percorrerá um dos mais antigos caminhos ferroviários europeus, datado de 1887.

Mapa da 'Volta ao mundo de trem' (imagem: Divulgação)
Mapa da ‘Volta ao mundo de trem’ (imagem: Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Companhia aérea espanhola combina avião e trem em um único bilhete”

O roteiro inclui também almoço na fronteira com a Espanha e embarque rumo a Paris, no TGV, reconhecido, internacionalmente, por sua alta velocidade, que pode chegar a mais de 320 km/h. Na capital da França, os passageiros desembarcam para refeição na Torre de Montparnasse, de onde se tem vista panorâmica da cidade.

Dali, a experiência vai assumindo novos ares e a viagem segue até Moscou, na Rússia, considerada uma das rotas transeuropeias mais longas do planeta, com 3.169 km de extensão. A travessia de dois dias passa por cinco países e os embarcados ficam acomodados em vagões dormitórios, equipados com restaurante.

A partir da capital da Rússia, a viagem segue por mais de 9 mil km de trilhos até Vladivostok, próximo a países asiáticos como a Coreia do Norte e o Japão. Neste trecho, haverá paradas em algumas das áreas de maior dificuldade de acesso do planeta, incluindo vilarejos que ficam às margens do místico Lago Baikal.

Trem Transiberiano cruza um dos trechos da viagem da 'Volta ao mundo de trem' (foto: Divulgação)
Trem Transiberiano cruza um dos trechos da viagem da ‘Volta ao mundo de trem’ (foto: Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Conheça viagens impressionantes de trem ao redor do mundo”

Para um pouquinho, descansa um pouquinho
Mas como ainda não existem ferrovias cruzando oceanos, essa viagem inclui um único trecho aéreo, entre Vladivostok e Vancouver, na costa oeste do Canadá.

A travessia volta a ganhar o som nostálgico dos trilhos, a bordo do Rocky Montaineer, conhecido por seu vagão panorâmico que permite a observação das montanhas rochosas canadenses.

Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Canadá)
Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Canadá)

E como o mundo parece começar a ficar pequeno, os passageiros embarcam no trem The Canadian, da VIA Rail, e cruzam todo o país até a costa oeste, do outro lado do Canadá, em Toronto, de onde parte o último trem da rota: o Amtrak – Maple Leaf, rumo a Nova Iorque, já em território dos Estados Unidos.

A viagem termina no dia 24 de setembro com um jantar de encerramento, no Central Park.

LEIA TAMBÉM: “Conheça a Transiberiana, a ferrovia mais longa do mundo”

VEJA FOTOS

  • Na 'Volta ao mundo de trem', os passageiros embarcam também no trem The Canadian e cruzam todo o país até a costa oeste, do outro lado do Canadá, em Toronto (foto: Divulgação)
    Na ‘Volta ao mundo de trem’, os passageiros embarcam também no trem The Canadian e cruzam todo o país até a costa oeste, do outro lado do Canadá, em Toronto (foto: Divulgação)

  • Trem Transiberiano cruza um dos trechos da viagem da 'Volta ao mundo de trem' (foto: Divulgação)
    Trem Transiberiano cruza um dos trechos da viagem da ‘Volta ao mundo de trem’ (foto: Divulgação)

  • Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Canadá)
    Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Divulgação)

  • A 'Volta ao mundo de trem' dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)
    A ‘Volta ao mundo de trem’ dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)

  • A 'Volta ao mundo de trem' dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)
    A ‘Volta ao mundo de trem’ dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)

  • A 'Volta ao mundo de trem' dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)
    A ‘Volta ao mundo de trem’ dura 35 dias e passa por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens (foto: Divulgação)

  • Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Divulgação)
    Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Divulgação)

  • Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Divulgação)
    Rocky Montaineer, o trem que abriga o clássico vagão panorâmico, ideal para observar as montanhas rochosas canadenses (foto: Divulgação)

SAIBA MAIS
Volta ao mundo de trem
De 25 de agosto a 24 de setembro

Confira roteiro:
de 25 a 26 de agosto: Lisboa – Hendaya (via SUD EXPRESSO)
26 de agosto: Hendaya – Paris (via TGV)
de 27 a 29 de agosto: Paris-Moscou (via EXPRESSO PARIS – MOSCOU)
de 31 de agosto a 12 de setembro: Moscou – Vladivostok (via TRANSIBERIANO)
de 16 a 17 de setembro: Vancouver – Lake Louise (via ROCKY MOUNTAINEER)
de 19 a 22 de setembro: Jasper – Toronto (VIA RAIL – THE CANADIAN)
24 de setembro:  Toronto – Nova Iorque (via AMTRAK – MAPLE LEAF)

www.voltaaomundodetrem.com.br

 

2 Comentário

  1. Só falta o Brasil investir pesado no transporte ferroviário além de ser útil e poder curtir o país com suas belas paisagens, desafogar o tráfego aéreo nos momentos de picos,turismo, hotéis, restaurantes criar novos empregos assim diminuiria aos poucos a violência, dando oportunidades a novos recursos de educação, e respeito pela natureza girar a economia e todos poderem ter uma vida um pouco melhor é assim mostraríamos uma nova visão de um Brasil valente se cada um de nós unir nossas forças e poder criar novas alternativas e abertura a um novo conceito de vida e estabilidade na direção do país é preciso muita coragem mas tenho certeza que unidos poderemos e não esperar cada um de nós é responsável pela nação que escolhemos viver não só cobrar, criticar é arregaçar as mangas conquistar e crescer deixando para as futuras gerações possam ter um mundo melhor e dar continuidade ao bem estar de todos. Tenho esperança e gostaria muito que investissem mais no turismo como fazem em outros países, atualmente vivo no Japão onde facilitam os transportes de trem que cruzam o país inteiro um exemplo de educação e respeito pelos passageiros a cordialidade e solidariedade as pessoas deficientes vejo isso por utiliza os trens para fazer compras, passeios e ir para o trabalho tanto nos trens como nas estações tudo é muito limpo.

  2. Para proteger o Ambiente e salvar o Planeta, todos os Governos e cidadãos do Mundo devem promover os transportes coletivos, comboios, autocarros, tração animal, vela e outros meios não poluentes.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*