Novo polo de turismo de aventura, Mambaí é a versão radical de Goiás

O nível de adrenalina aumenta só de ver as opções de atividades aventureiras nos cardápios das agências locais.

Localizado no extremo nordeste de Goiás, a 357 km de Brasília, o município de Mambaí conta com mais de 200 cavernas, suas trilhas em corredores naturais escuros dão acesso a cachoeiras e tem até uma tirolesa a mais de 100 metros que sobrevoa um cânion.

Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

Se a Chapada dos Veadeiros, um dos destinos turísticos mais famosos desse estado do Centro-Oeste do Brasil, fez fama com terapias alternativas e seres de outros planetas, Mambaí se esforça para conquistar o título de o ‘mais novo polo do turismo de aventura do Brasil’.

E o título não é exagerado. Por ali, é possível praticar espeleoturismo, boia cross, tirolesa, rapel, cascading, escalada, trilhas de maior duração e até balançar em uma cachoeira

Situado na APA Nascentes do Rio Vermelho, o destino ainda é pouco conhecido, inclusive entre os goianos, e tem potencial para o turismo de aventura, cuja principal vocação vem do interior de cavernas sem luz natural que levam a cachoeiras escondidas.

LEIA TAMBÉM: “Terra Ronca é o Brasil do tempo das cavernas”

Confira as atrações de Mambaí:

CAVERNA DO FUNIL
Ver por trás uma queda d’água de 20 metros exige disposição (e um certo grau de sangue frio).

Cachoeira do Funil vista pelo interior da caverna de acesso a essa queda d'água, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
Cachoeira do Funil vista pelo interior da caverna de acesso a essa queda d’água, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

Localizada a 5 km de Mambaí, a atração é acessada por uma trilha íngreme, recortada por rochas calcárias e com quase 1 km de extensão. Uma vez na boca da caverna, é necessário caminhar por 200 metros com água até o peito e apenas com a luz do capacete como única iluminação.

A aventura termina (ou começa), em uma fenda na caverna que permite observar a parte posterior da cachoeira, que pode ser vista do interior da Caverna do Funil.

BALANÇO DA DANI MONTEIRO
Não bastasse a adrenalina de caminhar em uma caverna escura de teto baixo e com água na altura do peito, alguns visitantes desafiam a Natureza com essa curiosa atividade esportiva, inaugurada em 2008 pela apresentadora que dá nome à atração.

Balanço da Dani Monteiro, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
Balanço da Dani Monteiro, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

Trata-se de um balanço feito com uma cadeira de escalada que vai presa a uma corda estática e que balança entre o véu d’água da Cachoeira do Funil, de acordo com o impulso do visitante. Para voltar a pisar em terra (quase) firme, o aventureiro finaliza a experiência com um rapel até a boca da caverna e debaixo da cachoeira.

RAPEL

Rapel na Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
Rapel na Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

A Cachoeira do Funil é usada também para a prática de rapel, desde seu topo, a 20 metros de altura, até a sua base, na entrada da caverna de mesmo nome.

TRILHA ITAGUASSÚ
Classificada como uma espécie de resumo dos atrativos de Mambaí, essa trilha de quase 3,5 km de extensão e dificuldade média passa por diversos tipos de vegetação de Cerrado, labirintos rochosos e cavernas, como as lapas do Vermelho I e Rio das Pedras V.
LAPA DO PENHASCO
Localizada a 16 km de Mambaí, em Buritinópolis, essa gruta de 1,7 km de extensão e escarpas de 80 metros de altura tem entrada molhada pelas águas de uma lagoa que corta seus paredões internos.

Lapa do Penhasco (foto: Eduardo Vessoni)
Lapa do Penhasco (foto: Eduardo Vessoni)

Prepare-se para caminhar no interior de um lago e escalar pedras rasgadas por pequenas quedas d’água. Mas a experiência é recompensada por impressionantes salões naturais, decorados por espeleotemas.

RAPEL NA CLARABOIA
Nessa atividade, os visitantes realizam um rapel negativo (quando o esportista não encosta os pés nas paredes) na fenda da caverna Lapa das Dores ou Raio de Sol.

Com 25 metros de extensão, esse rapel termina dentro das águas do córrego das Dores, localizado no interior da caverna.

TIROLESA
E se a experiência anterior for insuficiente, a mesma Lapa do Penhasco pode ser vista do alto, por onde passa uma tirolesa de 320 metros e 102 metros de altura, sobre o cânion do Córrego das Dores.

Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)
Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

Considerada uma das mais altas do Brasil, essa tirolesa é um sobrevoo surreal sobre aquela espécie de Brotas do Cerrado, em referência ao destino paulista que se firmou como polo nacional do turismo de aventura.

LEIA TAMBÉM: “Tirolesas sobre a Chapada dos Veadeiros e cânions são experiências impactantes de Goiás”

VEJA FOTOS

  • Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)
    Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

  • Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)
    Tirolesa em Mambaí, no extremo nordeste de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

  • Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
    Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

  • Cachoeira do Funil vista pelo interior da caverna de acesso a essa queda d'água, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
    Cachoeira do Funil vista pelo interior da caverna de acesso a essa queda d’água, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

  • Entrada para a Lapa do Penhasco (foto: Eduardo Vessoni)
    Entrada para a Lapa do Penhasco, em Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

  • Lapa do Penhasco (foto: Eduardo Vessoni)
    Lapa do Penhasco, em Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

  • Rapel na Cachoeira do Funil, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
    Rapel na Cachoeira do Funil, em Mambaí, Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

  • Balanço da Dani Monteiro, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)
    Balanço da Dani Monteiro, em Mambaí (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS
Site oficial do turismo de Goiás
www.goiasturismo.go.gov.br

QUANDO IR
A temporada seca vai de junho a outubro, melhor período para a prática de esportes radicais na região. A temperatura média anual é de 24°.

COMO CHEGAR
O aeroporto de Brasília é a melhor porta de entrada para quem visita Mambaí.

QUEM LEVA
Mambaí Adventure
www.mambaiadventure.com.br

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*