‘Caminho dos Engenhos’ é rota obrigatória para amantes de cachaça, na Paraíba

A partir dos próximos meses, as temperaturas naquelas terras serranas variam de 12° a 18°, os dias são mais frios e rola até uma neblina entre montanhas, nas manhãs mais geladas.

Não parece, mas esse cenário fica em pleno Nordeste, na região do Brejo, na Paraíba.

Mais do que construções históricas e berço de artistas como Pedro Américo e Jackson do Pandeiro, o destino tem na cachaça sua melhor inspiração para um turismo que vai além dos roteiros de praias desse pequeno estado nordestino. Segundo produtores locais, a qualidade do produto local se deve a fatores como a presença de terra roxa e clima mais ameno.

Produção no Engenho Goiamunduba, em Bananeiras, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Produção no Engenho Goiamunduba, em Bananeiras, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Fermentação no Engenho Triunfo, em Areia, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Fermentação no Engenho Triunfo, em Areia, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)

Conhecida como ‘Caminho dos Engenhos’, a rota cruza antigos casarões e engenhos de cana-de-açúcar dessa microrregião do agreste paraibano, formada por cidades minúsculas do interior como Areia, Bananeiras, Pilões, Serraria e Alagoa Grande.

Localizado a 120 km de João Pessoa, aproximadamente, o Brejo abre suas janelas coloniais para as serras locais e escancara portas de engenhos centenários para visitantes que queiram conhecer a produção de cachaça e rapadura artesanais.

Nesse projeto em parceria com o SEBRAE e o órgão de promoção do turismo da Paraíba (PBTur), participam 15 engenhos, onde é possível conhecer o processo de fabricação de produtos de engenho e até realizar trilhas.

LEIA TAMBÉM: “10 experiências únicas para o verão no Nordeste”

Conheça engenhos da rota:

Cachaça Volúpia

Sala de armazenamento de cachaça do engenho Lagoa Verde, responsável pela 'Volúpia' (foto: Eduardo Vessoni)
Sala de armazenamento de cachaça do engenho Lagoa Verde, responsável pela ‘Volúpia’ (foto: Eduardo Vessoni)

Localizado na zona rural de Alagoa Grande, a 103 km de João Pessoa, o Engenho Lagoa Verde tem gastronomia caprichada à base de cachaça, como o carneiro na cachaça do restaurante Banguê, e bebidas orgânicas, envelhecidas em barris de carvalho e de freijó.

Essa cachaça, considerada a primeira vendida em garrafa de porcelana, tem 42% de teor alcoólico e sabor discreto que não causa o famoso ardor na boca ao ser ingerida.

Esse engenho de 105 hectares, que chega a produzir 200 mil litros durante a safra que vai de outubro a março, conta também com quatro trilhas de até 4h30 de duração e que passam por nascentes e cachoeiras

SAIBA MAIS
Engenho Lagoa Verde
www.cachacavolupia.com.br

Aguardente Rainha

Sob os cuidados da quarta geração da mesma família, o Engenho Goiamunduba funciona em Bananeiras desde 1877 e é responsável por uma das aguardentes mais famosas do Brasil.

Engenho Goiamunduba, em Bananeiras, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Engenho Goiamunduba, em Bananeiras, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)

Sem a mesma estrutura turística dos outros estabelecimentos da região, os funcionários fazem de tudo quando chega alguém interessado em conhecer as etapas da produção, como os setores da moenda da cana-de-açúcar, fermentação e engarrafamento.

De sabor acentuado e 50% de teor alcoólico, daí a denominação aguardente e não cachaça, a bebida é armazenada em barris de madeira de freijó.

SAIBA MAIS
Engenho Goiamunduba
O engenho fica na zona rural de Bananeiras e não tem programa organizado de visitas.
Tel.: (83) 9840-2954

Cachaça Cobiçada

Localizado no município de Serraria, o Engenho Martiniano tem 318 hectares e data de 1892.

O local  é responsável por essa cachaça com 40% de teor alcoólico, armazenada em barris de umburana.

Engenho Martiniano, no Brejo Paraibano (foto: Eduardo Vessoni)
Engenho Martiniano, no Brejo Paraibano (foto: Eduardo Vessoni)

Durante a visita guiada é possível conhecer a área de produção da bebida, de onde saem 100 mil litros anuais; a cenográfica capela com interior de madeira; e uma lojinha, onde é possível degustar alguns produtos do engenho.

Destaque para a vista panorâmica que se tem do alto da colina onde funciona o engenho.

SAIBA MAIS
Engenho Martiniano

Rodovia PB 85, km 2 – Serraria/Brejo Paraibano.
Tel.: (83) 9941-5649 / 9670-2886

Cachaça Triunfo

Embora não seja um engenho tradicional, este estabelecimento da cidade de Areia é uma das opções com melhor estrutura em todo o roteiro da cachaça do Brejo Paraibano.

A ex-professora de História e uma das proprietárias do engenho, Maria Júlia, emociona com o tour guiado contado em forma de versos e em ritmo acelerado.

Engenho Triunfo, em Areia, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)
Engenho Triunfo, em Areia, na Paraíba (foto: Eduardo Vessoni)

A cachaça de até 48% de teor alcoólico e produção de 250 mil garrafas mensais repousa em madeira de carvalho durante três meses. Destaque para o jardim com quatro opções de cachaça para degustação, sucos naturais e sorvete de cachaça, claro.

SAIBA MAIS
Engenho Triunfo
www.cachacatriunfo.com.br
Cachaça ou aguardente?

Pinga, cachaça, branquinha, bafo-de-tigre, fogosa, cana…

Não faltam adjetivos para a mais brasileira das bebidas alcoólicas. Mas você sabe a diferença entre cachaça e aguardante?

A primeira é uma aguardente de cana-de-açúcar que deve ter, obrigatoriamente, teor alcoólico que varia entre  38% a 48%, e é produzida com o mosto fermentado do caldo da cana. Já a aguardente pode ser feita com qualquer cereal ou fruta e com teor alcoólico superior a 48%. Isto significa dizer que um destilado feito de caju, por exemplo, é uma aguardente de caju (e não uma cachaça).

SAIBA MAIS

Site de turismo da Paraíba
www.destinoparaiba.pb.gov.br

Brejo Paraibano
www.brejoparaibano.com.br

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*