Destinos da América do Sul para conhecer na temporada de inverno

Com temperaturas mais baixas e sem a incômoda temporada de chuvas, é hora de (re)descobrir o jardim dos vizinhos.

A crise apertando no bolso de muito viajante brasileiro e o dólar (ainda) em níveis elevados têm forçado companhias aéreas a criarem inúmeras promoções de passagens para os países hispânicos da América do Sul.

E para você não perder uma das melhores temporadas no continente, o Viagem em Pauta selecionou destinos que valem a pena provar na sua próxima viagem a países vizinhos como a Argentina, Chile, Peru, Bolívia e Equador.

LEIA TAMBÉM: “Destinos da América do Sul que brasileiros não costumam incluir em suas viagens”

RUTA 40

Construída a partir de 1935, a Ruta 40 é um produto criado pela Secretaria de Turismo argentina para promover o trecho oeste do país e já teve seu trajeto modificado diversas vezes para incluir pontos turísticos de interesse internacional, como El Calafate e seu impressionante glacial Perito Moreno, e San Carlos de Bariloche (foto: Javier González/Flickr-Creative Commons)
foto: Javier González/Flickr-Creative Commons

Construída a partir de 1935, a Ruta 40 é um produto criado pela Secretaria de Turismo argentina para promover o trecho oeste do país e já teve seu trajeto modificado diversas vezes para incluir pontos turísticos de interesse internacional, como El Calafate e seu impressionante glacial Perito Moreno, e San Carlos de Bariloche, a queridinha dos brasileiros.

E é ali, ao longo de seus 5.224 km de extensão, que o viajante de alma aventureira encontra montanhas, glaciais e lagos, nesta que é considerada a maior estrada em território argentino.

SAIBA MAIS: “Maior estrada da Argentina, Ruta 40 tem atrativos imperdíveis”

LAGOS ANDINOS

Vulcão Osorno, uma das atrações naturais da travessia dos Lagos Andinos, entre a Argentina e o Chile (foto: Eduardo Vessoni)
Vulcão Osorno, uma das atrações naturais da travessia dos Lagos Andinos, entre a Argentina e o Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Criada em 1913 pelo suíço Ricardo Roth, responsável pelo primeiro cruzamento com fins turísticos na região, a Travessia dos Lagos é uma viagem de sete etapas (lacustres e terrestres), com duração de até dois dias, entre Porto Varas (Chile) e Bariloche (Argentina).

A viagem começa a mais de mil km da capital chilena, em Porto Varas, passa por Porto Montt, capital da Região dos Lagos, e segue em ritmo lento por uma sequência única de paisagens que inclui lagos de origem glacial, vulcões adormecidos de picos nevados, florestas centenárias, povoados minúsculos e bosques de lengas e alerces andinos.

SAIBA MAIS: “Travessia dos Lagos Andinos é viagem em território selvagem do Chile e Argentina”

DESERTO DO ATACAMA

Valle de la Luna, no Atacama (foto: Eduardo Vessoni)
Valle de la Luna, no Atacama (foto: Eduardo Vessoni)

A geografia por ali continua a mesma, mas este é aquele tipo de destino que a gente nunca se cansa de voltar.

O Atacama é o destino mais seco do planeta, abriga o deserto mais alto do mundo, seu solo é comparado ao de Marte e a chuva segue rara por ali.

E se você já viu o pôr do sol no Valle de la Luna, nadou em lagoas altiplânicas e tomou café da manhã com cheiro de enxofre, nos gêiseres do Tatio, a 4.320 metros de altitude, está na hora de voltar para um dos destinos sul-americanos mais fascinantes do continente e provar outras experiências inusitadas para visitantes de segunda viagem.

LEIA TAMBÉM: “Deserto do Atacama pela primeira vez”

FIORDES CHILENOS

Vista de glacial durante navegação pelos fiordes do Chile (foto: Eduardo Vessoni)
Vista de glacial durante navegação pelos fiordes do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

O Chile abriga a geografia mais isolada e inóspita de toda a Patagônia, onde é possível navegar pela 3ª maior extensão de gelos continentais do mundo, uma área de 21 mil km² que inclui atrativos como o Parque Nacional Laguna San Rafael e o glaciar Exploradores, nos Campos de Gelo Norte.

É nessa região que acontecem as impressionantes travessias dos fiordes chilenos, a bordo de navios cargueiros que cruzam canais estreitos, fiordes, glaciais e imensas montanhas nevadas, onde é possível ver, sem muito esforço, animais marinhos.

LEIA TAMBÉM: “Pelos fiordes austrais do Chile”

SALAR DE UYUNI

(foto: Javierosh/Flickr-Ceative Commons)
(foto: Javierosh/Flickr-Ceative Commons)

Localizado no sul da Bolívia, a quase 600 km de La Paz, o Salar de Uyuni é daqueles lugares que o viajante custa a acreditar que existe, afinal de contas são 12 mil km² de sal, o que lhe garantiu os títulos de “a maior planície de sal do mundo” e o de “o único ponto natural brilhante que é possível ser avistado do espaço”.

Resultado da evaporação de lagos pré-históricos, há alguns milhares de anos, o Salar do Uyuni pode ser conhecido em tours de um dia (não recomendado para viajantes com altos níveis de curiosidade) ou em impressionantes expedições de 4 dias até a fronteira com o Chile, de onde é possível seguir até o Atacama.

SAIBA MAIS: “Conheça atrações da Bolívia”

RES. NAC. DE FAUNA ANDINA EDUARDO AVAROA

Laguna Cañapa (foto: Eduardo Vessoni)
Laguna Cañapa (foto: Eduardo Vessoni)

Considerada uma das atrações mais visitadas da Bolívia, a REA (Reserva Nacional de Fauna Andina Eduardo Avaroa) fica no na Provincia Sud Lípez, no extremo sul do Departamento de Potosí.

É ali que o país mostra seu lado mais selvagem: vida silvestre que se exibe sem timidez, como flamingos, guanacos e águas; paisagens impactantes que riscam o horizonte, do lado de fora do carro; e experiências arqueológicas e culturais que dão o tom da viagem por essa região, extremamente, desértica e fria.

LEIA TAMBÉM: “Reserva natural é atração surreal da Bolívia”

CONDORES NO VALE DO COLCA

foto: Véronique Debord-Lazaro/Flickr-Creative Commons
foto: Véronique Debord-Lazaro/Flickr-Creative Commons

A temporada seca da região do Colca, em Arequipa, vai de maio a novembro. E é nesse período que visitantes lotam os mirantes naturais da região para ver os condores sobrevoarem o belo Cânion do Colca, no sul do Peru.

Diariamente, essas aves que são símbolo dos Andes, cuja envergadura pode chegar a três metros, deixam seus ninhos para se exibir sobre o Vale do Colca, nos arredores de Arequipa.

Os voos sobre o cânion, um dos mais profundos do mundo (4.125 metros), acontecem pela manhã, entre às 8h e 10h, e podem ser vistos do mirante Cruz do Condor, a 3.287 metros sobre o nível do mar. Prepare-se para encarar as baixas temperaturas que chegar 8º.

LEIA TAMBÉM: “O Peru que vai além de Cusco e Machu Pichu”

LEIA TAMBÉM: “Vai ao Peru pela primeira vez? Veja 10 dicas para planejar sua viagem”

NOVIDADE NO VALLE SAGRADO

foto: Explora/Divulgação
foto: Explora/Divulgação

Com inauguração prevista para julho de 2016, o novo hotel Explora fica em uma das fazendas mais remotas desse vale peruano, próximo ao pequeno povo de Urquillos, ponto estratégico para explorações pelo legado de uma das civilizações mais importantes do continente.

Localizado dentro de plantações de milho dispostas em terraços construídos pelos Incas, o empreendimento levou nove anos para ficar pronto.

A experiência no Valley Sagrado incluirá mais de 20 explorações a pé ou de bicicleta, com guias que levarão os viajantes a viverem em profundidade a geografia única e a cultura andina da região, em endereços como Machu Picchu, Ollantaytambo, Zapacto, Maras, Quimsacocha, Pisac, Cusco e Moray.

SAIBA MAIS: “Rede de travessias remotas na América do Sul inaugura hotel no Valle Sagrado, no Peru”

AVENIDA DOS VULCÕES

foto: www.turismo.gob.ec/Divulgação
foto: www.turismo.gob.ec/Divulgação

A partir de Quito, capital do Equador, é possível conhecer a cenográfica Avenida de los Volcanes (‘Avenida dos Vulcões’, em português), uma rota de 300 km de extensão, formada por uma cadeia montanhosa cortada por 27 vulcões que podem ser vistos, entre a Serra Central e o norte equatoriano.

Conhecida como o coração dessa avenida natural, a capital do Equador é ponto de partida para duas linhas paralelas de vulcões que rasgam as cordilheiras dos Andes, de norte a sul, resultado dos choques das placas tectônicas do Pacífico com as do continente, dando origem ao “Cinturão de Fogo do Pacífico” (ou também “Anel de fogo do Pacífico”).

Conheça vulcões do Equador.

GALÁPAGOS

Galápagos (foto: Divulgação)
Galápagos (foto: Divulgação)

A partir de junho, os animais de Galápagos, a mil km da costa do Equador, estão mais ativos e são figuras fáceis de serem encontradas nesse arquipélago, a mil km da costa do Equador. As espécies marinhas também fazem a alegria de mergulhadores, entre julho e novembro.

Esse Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera da Unesco, conhecido também como Ilhas Encantadas, abriga uma Reserva Marinha equivalente à metade da superfície terrestre do Equador, considerada a segunda maior do mundo, e tem animais únicos que você só encontra por lá.

LEIA TAMBÉM: “10 motivos para você conhecer Galápagos”

LEIA TAMBÉM: “Cartões postais imperdíveis da América do Sul”

3 Comentário

    • Rita, obrigado por seu comentário.

      Infelizmente, o Brasil é muito mal servido de voos para o Equador. Todas as companhias que voam entre Brasil e Equador fazem paradas em outros aeroportos como LATAM e Avianca (via Bogotá); Copa (via Cidade do Panamá).

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*