Confira destinos da América do Sul para conhecer em junho

Na hora de programar suas próximas férias, o “quando” é mais importante do que o “onde”.

Não adianta se animar com as clássicas promoções de passagens aéreas para Manaus, em dezembro, se a região da Amazônia fica sob intensas chuvas, nessa época do ano. Ou então desembarcar no Pantanal, em plena temporada de cheia e ter passeios cancelados devido aos alagamentos naturais em solo pantaneiro.

Com temperaturas mais baixas e sem a incômoda temporada de chuvas, é hora de (re)descobrir a América do Sul e aproveitar as inúmeras promoções de passagens para os países hispânicos da América do Sul e até voos internos, entre cidades brasileiras.

E para você não perder uma das melhores temporadas no continente, o Viagem em Pauta selecionou destinos que valem a pena conhecer, em junho.

LEIA TAMBÉM: “Agenda mês a mês ajuda viajantes a planejarem viagens pelo Brasil”

CONFIRA DESTINOS

  • Final de tarde na Amazônia (foto: Eduardo Vessoni)
    AMAZÔNIA: É na época de seca, de junho a novembro, que a região amazônica oferece as melhores condições para visita, quando é possível navegar entre igapós e igarapés, visitar cachoeiras e praias fluviais. Só não tem como escapar do calor excessivo que chega fácil a 40°, com sensação térmica de 42°. SAIBA MAIS (foto: Eduardo Vessoni)

  • Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (foto: Setur-Maranhão/trivago)
    LENÇÓIS MARANHENSES: A melhor época para visitar a região vai de maio a setembro, cujo parque nacional de mesmo nome é considerado o maior campo de dunas do Brasil. Mas como lembra o ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), “tudo depende do regime de chuva do ano”, por isso pesquise sobre as chuvas na região, antes de planejar sua visita. SAIBA MAIS (foto: Setur-Maranhão/trivago)

  • Bondinhos aéreos de Canela, na Serra Gaúcha (foto: Eduardo Vessoni)
    SERRA GAÚCHA: Poucos destinos do Brasil conseguiram reunir, em um mesmo endereço, tantas opções de entretenimento e turismo como essa região do Rio Grande do Sul. Com temperaturas mais baixas, eis o lugar perfeito para degustações de vinhos, comilança italiana e até trilhas ao ar livre. SAIBA MAIS (foto: Eduardo Vessoni)

  • Morro da Igreja e Pedra Furada, na Serra Catarinense (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)
    URUBICI: Esse destino da Serra Catarinense é dono de alguns títulos curiosos. Localizada a 170 km de Florianópolis, a região já registrou uma das temperaturas mais baixas do Brasil (-17,8°, em 1996), abriga o ponto mais alto habitado do Sul (Morro da Igreja, a 1.822 metros de altitude) e possui a maior fenda do País feita em uma rocha, com 90 metros de altura, na Serra do Corvo Branco. Na foto, Morro da Igreja e Pedra Furada, na Serra Catarinense. SAIBA MAIS (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)

  • Parque Estadual da Pedra Azul, nas Serras Capixabas (foto: Eduardo Vessoni)
    DOMINGOS MARTINS: Ainda desconhecidas dos viajantes paulistas, as Serras Capixabas abrigam belos parques estaduais, onde é possível realizar trilhas com diferentes níveis de dificuldade. Destaques para os parques estaduais da Pedra Azul (foto), no município de Aracê, e do Forno Grande, na zona rural de Castelo. SAIBA MAIS (foto: Eduardo Vessoni)

  • foto: Véronique Debord-Lazaro/Flickr-Creative Commons
    VALE DO COLCA: A temporada seca da região do Colca, em Arequipa, vai de maio a novembro e é nesse período que visitantes lotam os mirantes naturais da região para ver os condores sobrevoarem o belo Cânion do Colca, no sul do Peru. Diariamente, essas aves que são símbolo dos Andes, cuja envergadura pode chegar a três metros, deixam seus ninhos para se exibir sobre o Vale do Colca, nos arredores de Arequipa. SAIBA MAIS (foto: Véronique Debord-Lazaro/Flickr-Creative Commons)

  • Galápagos (foto: Divulgação)
    GALÁPAGOS: A partir de junho, os animais desse arquipélago equatoriano, a mil km da costa, estão mais ativos e são figuras fáceis de serem encontradas. As espécies marinhas também fazem a alegria de mergulhadores, entre julho e novembro. Esse Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera da Unesco, conhecido também como Ilhas Encantadas, abriga uma Reserva Marinha equivalente à metade da superfície terrestre do Equador, considerada a segunda maior do mundo, e tem animais únicos que você só encontra por lá. SAIBA MAIS (foto: Divulgação)

  • (foto: Javierosh/Flickr-Ceative Commons)
    SALAR DE UYUNI: Localizado no sul da Bolívia, a quase 600 km de La Paz, o Salar de Uyuni é uma área de 12 mil km² de sal, o que lhe garantiu os títulos de “a maior planície de sal do mundo” e o de “o único ponto natural brilhante que é possível ser avistado do espaço”. Embora as temperaturas sejam mais baixas, nessa época, os meses de junho e julho costumam receber menos turistas do que na tradicional temporada de verão na América do Sul. SAIBA MAIS (foto: Javierosh/Flickr-Ceative Commons)

  • atacama, CHILE, deserto
    ATACAMA: Embora as temperaturas sejam mais baixas no Deserto do Atacama, no Chile, é nessa época que o destino costuma receber menos turistas do que na tradicional temporada de verão na América do Sul. O Atacama é o lugar mais seco do planeta, abriga o deserto mais alto do mundo, seu solo é comparado ao de Marte e a chuva segue rara por ali. SAIBA MAIS (foto: Eduardo Vessoni)

  • Ouro Preto, em Minas Gerais, é um dos destinos nacionais recomendados para junho (foto: Filipe Soares Dilly/Flickr-Creative Commons)
    Ouro Preto, em Minas Gerais, é um dos destinos nacionais recomendados para junho. Passada a temporada de chuvas, a região é um convite para visitar cidades históricas como Tiradentes, São João del-Rei, Ouro Preto (foto) e Mariana (foto: Filipe Soares Dilly/Flickr-Creative Commons)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*