Florianópolis: confira praias e atrações de água doce na capital catarinense

foto: Rodrigo Soldon-FlickrCreative Commons
foto: Rodrigo Soldon-FlickrCreative Commons

Uns dizem que são 42. Outros, juram que chegam a 100.

O número exato de praias de Florianópolis ainda não é unanimidade, mas todo mundo sabe que algumas das mais belas faixas de areia do Sul do Brasil ficam nesse pedaço de terra do litoral de Santa Catarina.

Em Florianópolis, a protagonista é a água, em atrações naturais como praias, lagoas e rios. E ao longo dos seus quase 420 km², o destino garante opções para todos os estilos de banhistas.

Mas se, na temporada de verão, todo mundo parece ir para o mesmo lugar (que o diga o muvucado norte da ilha), o Viagem em Pauta quer ver você estender a toalha em algumas das praias menos visitadas de Floripa.

Nesse roteiro, nada de beach clubs em Jurerê Internacional, areia congestionada em Canasvierias ou discotecagem de DJs no pé do ouvido, na Praia Brava.

LEIA TAMBÉM: “Tour de bicicleta faz volta completa em Florianópolis, em quatro dias”

Confira atrações:

CANAL DA LAGOA

Canal da Lagoa (foto: Eduardo Vessoni)
Canal da Lagoa (foto: Eduardo Vessoni)

Essa é considerada a única ligação entre o mar e a Lagoa da Conceição, um dos endereços mais agitados do destino. Com um percurso de três quilômetros, o canal ainda vê pescadores lançarem redes em suas águas e esportistas praticarem atividades em caiaques ou em pranchas de Stand Up Paddle, bem ao lado da Praia da Barra da Lagoa.

É dali que parte a trilha em direção à praia da Galheta, endereço dos naturistas.

Famoso pela pesca de tainha, durante a temporada que vai de maio a julho, o Canal da Barra é conhecido pelos restaurantes de frutos do mar.

LEIA TAMBÉM: “15 praias brasileiras que você não deve deixar de conhecer neste verão”

PARQUE ESTADUAL DO RIO VERMELHO

Terminal Lacustre do Rio Vermelho (foto: Eduardo Vessoni)
Terminal Lacustre do Rio Vermelho (foto: Eduardo Vessoni)

A costa leste da ilha abriga também essa área de 1.532 hectares que preserva amostras de Mata Atlântica e a piscina natural do Terminal Lacustre do Rio Vermelho com águas cristalinas e tranquilas, ideais para famílias.

Tombada como Área de Preservação Cultural e considerada um dos últimos redutos da cultura açoriana, a região é ponto de partida das embarcações que cruzam aquelas águas até a Costa da Lagoa, uma viagem de, aproximadamente, 10 minutos, até os restaurantes que vendem sequências de camarões, na Lagoa da Conceição.

LAGOA DO PERI

Lagoa do Peri (foto: Eduardo Vessoni)
Lagoa do Peri (foto: Eduardo Vessoni)

Localizado no sul da ilha, essa lagoa é um dos cenários mais improváveis para aquelas terras que fizeram do mar sua principal atração.

Localizada a 24 do centro, próximo às praias da Armação e Pântano do Sul, a Lagoa do Peri fica em um parque municipal de 20 km² e abriga um espelho d’água com cinco quilômetros de extensão, rodeada por um dos últimos trechos remanescentes de Mata Atlântica.

O local é considerado a maior lagoa de água doce da costa de Santa Catarina e é uma das poucas do Brasil a contar com a certificação Bandeira Azul.

NAUFRAGADOS

foto: Andreia Reis/Flickr-Creative Commons
foto: Andreia Reis/Flickr-Creative Commons

Localizada a cerca de 40 km do centro de Florianópolis, essa praia fica em área de preservação do Parque Estadual do Tabuleiro e tem acesso apenas por barco ou por um trilha de três quilômetros e 50 minutos de duração.

Uma das suas principais atrações é a caminhada até o farol, inaugurado em 1861 e rodeado por antigos canhões de guerra do Forte dos Naufragados, cujo nome é uma referência aos diversos naufrágios ocorridos na região.

Destino de surfistas, devido aos ventos que vêm do sul e causam fortes ondulações no mar, a praia mais ao sul da Ilha de Santa Catarina não conta com pousadas, mas o camping selvagem é autorizado.

LEIA TAMBÉM: “10 praias únicas que você não deveria deixar de visitar em Florianópolis”

ILHA DO CAMPECHE

foto: Rodrigo Soldon-FlickrCreative Commons
foto: Rodrigo Soldon-FlickrCreative Commons

Com acesso diário restrito a 400 pessoas, autorizadas a ficar apenas na Praia da Enseada, essa ilha é conhecida por suas águas claras e areia fina.

Conhecido como o “Caribe de Florianópolis”, o local é um santuário ecológico tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e abriga atividades como mergulhos, visita a inscrições rupestres de cinco mil anos e trilhas guiadas até mirantes naturais, como os das pedras do Imã e do Vigia, e até uma gruta, a Caverna dos Morcegos.

Os traslados de 30 minutos até a ilha saem da praia do Campeche, na alta temporada, e a da Armação, durante todo o ano.

LAGOINHA DO LESTE

foto: Aivuk/Flickr-Creative Commons
foto: Aivuk/Flickr-Creative Commons

O local é uma das mais desertas e intocadas da região e o acesso só é possível através de trekking intenso ou por barco, no sul da ilha.

Para chegar até lá é preciso encarar as trilhas que partem do Pântano do Sul (1h de caminhada) ou da Praia do Matadeiro (3h), um trekking puxado por mata fechada e ladeiras, que só deve ser explorado com acompanhamento de guias.

ARMAÇÃO

PRAIA DA ARMAÇÃO (SC): Localizada ao lado do Parque Municipal da Lagoa do Peri, essa bela faixa de areia começa na Ponta da Companha e termina no lado sul do Morro das Pedras, de onde dá para observar baleias franca, entre os meses de julho e novembro (foto: Eduardo Vessoni)
foto: Eduardo Vessoni

Essa praia, cujo nome vem da época da caça a baleias, no século 18, se localiza a 25 km do centro de Florianópolis e tem acesso pela rodovia SC-405, que leva ao sul da ilha.

Localizada ao lado do Parque Municipal da Lagoa do Peri, essa bela faixa de areia começa na Ponta da Companha e termina no lado sul do Morro das Pedras, de onde dá para observar baleias franca, entre os meses de julho e novembro.

RIBEIRÃO DA ILHA

Casario de Ribeirão da Ilha (foto: Eduardo Vessoni)
Casario de Ribeirão da Ilha (foto: Eduardo Vessoni)

Esse é um destino histórico e gastronômico que foge do mais óbvio de Floripa, localizado na Baía Sul, a 27 km do centro.

Esse bairro preserva casario açoriano que começou a ser erguido, a partir do século 18, e ganhou fama nacional com a produção de ostras criadas em fazendas marinhas locais, responsável por mais de 70% da produção desses moluscos em toda Florianópolis.

Essa praia interna da Baía Sul se caracteriza por suas faixas de areia grossa e mar tranquilo.

SANTO ANTÔNIO DE LISBOA

Voltada para o continente, em águas protegidas do Mar de Dentro, essa vila segue alheia à muvuca de endereços mais populares de Floripa e preserva o casario europeu da época em que foi ocupada por portugueses açorianos.

Santo Antonio de Lisboa (foto: Eduardo Vessoni)
Santo Antonio de Lisboa (foto: Eduardo Vessoni)

Declarada a primeira vila da cidade e dona da primeira rua a contar com calçamento, em todo o estado, devido à visita do imperador do Brasil, Dom Pedro II, em outubro de 1845, a atração (de água salgada, diga-se de passagem) é conhecida pela pequena praia interna usada para prática de esportes náuticos como caiaque e SUP, e pelos bares de cerveja artesanal, com vista para o mar e a cidade, na Baía do Norte.

LEIA TAMBÉM: “Site lista 20 praias paradisíacas no Brasil”

SAIBA MAIS
Site oficial do turismo de Santa Catarina
www.turismo.sc.gov.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*