Viaje pelos 13 patrimônios culturais do Brasil

Segundo a Unesco, um Patrimônio Cultural Mundial é um lugar de “valor universal excepcional” e pode ser um monumento, grupo de edifícios ou sítios com valores históricos, arqueológicos, científicos ou estéticos.

E no Brasil, país que abriga 13 patrimônios culturais de nível mundial, isso significa visitar endereços únicos como as Missões Jesuíticas do Rio Grande do Sul, centros históricos de cidades cenográficas como Ouro Preto e Cidade de Goiás, e até uma cidade inteira, como o Rio de Janeiro.

O mais novo membro brasileiro dessa lista da UNESCO é o Conjunto Moderno da Pampulha, desde julho de 2016.

Inspire-se nas imagens abaixo e viaje pelos 13 patrimônios culturais do Brasil.

Conjunto Moderno da Pampulha
(Belo Horizonte – Minas Gerais)

Pampulha (foto: Portal PBH/Domínio Público)
Pampulha (foto: Portal PBH/Domínio Público)

Criado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e pelo paisagista Roberto Burle Marx, esse conjunto do início da década de 40 é formado por construções icônicas como a Igreja de São Francisco de Assis, Museu da Pampulha (que funciona no Cassino), a Casa do Baile e o Iate Clube.

Segundo a UNESCO, o local é resultado “de um projeto visionário de uma cidade jardim criado em 1940, em Belo Horizonte”.

Rio de Janeiro

CORCOVADO: (foto: Ramon Llorensi/Flickr-Creative Commons)

foto: Ramon Llorensi/Flickr-Creative Commons

O cenário urbano, rodeado por natureza e de inspiração artística, deu à capital fluminense o título de Patrimônio Cultural, em 2012.

Na seção de patrimônios brasileiros, a UNESCO destaca endereços cariocas como o Parque Nacional da Tijuca, a Baía de Guanabara e a Praia de Copacabana.

LEIA TAMBÉM: “Rio de Janeiro: 451 anos; confira imagens de cartões postais cariocas”

Praça de São Francisco
(São Cristóvão – Sergipe)

Praça São Francisco, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em São Cristóvao, Sergipe (foto: Eduardo Vessoni)
Praça São Francisco, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em São Cristóvao, Sergipe (foto: Eduardo Vessoni)

Esse patrimônio eleito em 2010 é a única praça brasileira listada entre os bens culturais da UNESCO.

Desde 2010, a Praça São Francisco, na parte alta dessa cidade da Região Metropolitana de Aracaju, está inscrita como Patrimônio da Humanidade, onde se localizam os museus Histórico e de Arte Sacra, o Convento de São Francisco e o Palácio Provincial.

Esse quadrilátero a céu aberto abriga também construções históricas, datadas dos séculos 18 e 19, como a Igreja e o Convento de São Francisco, a Igreja e a Santa Casa de Misericórdia e o Palácio Provincial.

LEIA TAMBÉM: “Conheça Laranjeiras e São Cristóvão, cidades históricas de Sergipe”

Centro Histórico de Goiás
(Cidade de Goiás)

Vista da fachada do Museu Casa Cora Coralina, na Cidade de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)
Vista da fachada do Museu Casa Cora Coralina, na Cidade de Goiás (foto: Eduardo Vessoni)

Carinhosamente chamada também de Goiás Velho, a antiga capital goiana leva visitantes à época da colonização do Brasil, nos séculos 18 e 19.

Patrimônio Cultural desde 2001, seu centro histórico tem construções modestas, em estilo colonial, que abrigaram figuras como a poetisa Cora Coralina

LEIA TAMBÉM: “Cidade de Goiás: na casa de Cora Coralina”

Centro Histórico de Diamantina
(Minas Gerais)

Casario da Rua Direita, em Diamantina (foto: Leandro Neumann Ciuffo/Flickr-Creative Commons)
Casario da Rua Direita, em Diamantina (foto: Leandro Neumann Ciuffo/Flickr-Creative Commons)

A mineira Diamantina, terra natal de Juscelino Kubitschek e de Chica da Silva, é um destino colonial, em meio a um colar de montanhas rochosas. O local está inscrito como Patrimônio Cultural da Humanidade, desde 1999.

Centro Histórico de São Luís do Maranhão
(Maranhão)

Centro Histórico de São Luís (foto: Secom UnB/Flickr-Creative Commons) by__flickr
Centro Histórico de São Luís (foto: Secom UnB/Flickr-Creative Commons)

Há quase 20 anos, em 1997, o casario do Centro Histórico da capital maranhense conquistava o título de Patrimônio Cultural pela UNESCO.

Fundada por franceses e ocupada pelos holandeses antes do domínio português, a cidade preservou seu planejamento original (embora se encontre em condições pouco convidativas, atualmente), o que faz desse conjunto arquitetônico “um extraordinário exemplo de uma cidade colonial das nações ibéricas”, segundo descrição no site da UNESCO.

Serra da Capivara
(São Raimundo Nonato – Piauí)

Boqueirão da Pedra Furada, na Serra da Capivara (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)
Boqueirão da Pedra Furada, na Serra da Capivara (foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons)

Esse importante parque nacional não anda com motivos para celebração. Fechado, recentemente, por falta de verbas, o local guarda pinturas rupestres de mais de 25 mil anos, ao longo de 100 mil hectares, segundo números do ICMBIO.

A Serra da Capivara abriga mais de 300 sítios arqueológicos dentro da área de parque nacional.

Plano Piloto de Brasília
(Distrito Federal)

Catedral Metropolitana de Brasília (foto: WIkipedia Commons)
Catedral Metropolitana de Brasília (foto: WIkipedia Commons)

A capital brasileira, considerada um marco na história do planejamento urbano, é um trabalho do urbanista Lúcio Costa e do arquiteto Oscar Niemeyer e é Patrimônio Cultural da Humanidade, desde 1987.

Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos
(Congonhas do Campo –  Minas Gerais)

Profetas no Santuário do Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas, Minas Gerais (foto: Wiikimedia Commons)
Profetas no Santuário do Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas, Minas Gerais (foto: Wiikimedia Commons)

Construído a partir da segunda metade do século 18, esse santuário é formado por uma igreja com interior de estilo rococó; uma escadaria externa com estátuas dos Doze Profetas, feitas em pedra sabão por Aleijadinho; e seis capelas.

A atração é Patrimônio da Humanidade, desde 1985.

Centro Histórico de Salvador
(Bahia)

Centro Histórico de Salvador (foto: Turismo Bahia/Flickr-Creative Commons)
Centro Histórico de Salvador (foto: Turismo Bahia/Flickr-Creative Commons)

Exemplo de estrutura urbana renascentista e encontro das culturas africana, europeia e ameríndia, a primeira capital do Brasil abriga um centro histórico que se destaca por seu casario colorido e trabalhos em taipa.

O centro histórico figura na lista de patrimônios da UNESCO, desde 1985.

Ruínas de São Miguel das Missões
(Rio Grande de Sul)

Catedral de São Miguel Arcanjo (foto: Kátia Goretti/Flickr-Creative Commons)
Catedral de São Miguel Arcanjo (foto: Kátia Goretti/Flickr-Creative Commons)

Localizadas nos pampas, as ruínas de São Miguel das Missões, no Brasil, e as de San Ignacio Miní, Santa Ana, Nuestra Señhora de Loreto e Santa María la Mayor, na Argentina, são trabalhos arquitetônicos remanescentes de cinco missões jesuíticas, construídas durante os séculos 17 e 18.

Com características específicas e em diferentes estados de conservação, as ruínas são Patrimônio desde 1983.

Centro Histórico de Olinda
(Região Metropolitana do Recife – Pernambuco)

Olinda (foto: Jan Ribeiro/Prefeitur de Olinda/Flickr-Creative Commons)
Olinda (foto: Jan Ribeiro/Prefeitura de Olinda/Flickr-Creative Commons)

O segundo mais antigo Patrimônio Cultural brasileiro, inscrito em 1982, fica em Olinda, cidade a 6 km da capital pernambucana.

Fundado por portugueses, no século 16, o destino tem sua história ligada à produção de açúcar e seu valor cultural se deve ao “equilíbrio harmonioso entre construções, jardins, 20 igrejas barrocas, conventos e numerosos pequenos passos (capelas)”, segundo a UNESCO.

Cidade Histórica de Ouro Preto
(Minas Gerais)

Ouro Preto (foto: Rodrigo Denúbila/Flickr-Creative Commons)

O primeiro título de Patrimônio Mundial brasileiro é de 1980 e tem como destaques sua localização em área remota e acidentada, e sua arquitetura colonial.

LEIA TAMBÉM: “Cinco fazendas históricas do interior de São Paulo que valem a visita”

(*fonte: UNESCO)

Salvar

Salvar

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*