Ciclovia do Chile passa por vulcão e antiga linha de trem

Desde 2011, a Ciclovia Manzanar – Malalcahuello, com vistas para um vulcão do Chile, segue sobre a antiga linha de trens que iam de Victoria a Lonquimay, considerada uma importante via de transporte da região.

De terreno (quase sempre) plano, essa rota tem 12 km de extensão e é considerada uma das ciclovias mais cênicas de todo o Chile, na Región de la Araucanía, no sul do país.

Em duas horas de pedal, os ciclistas cruzam bosques de araucárias, antigos túneis férreos que margeiam o rio e uma colorida sequência de lupinus silvestres que se agitam com o vento.

Ciclovia Manzanar – Malalcahuello, no sul do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Mas o cenário mais impressionante da ciclovia são as pontes de madeira instaladas, estrategicamente, diante de vales que se abrem aos pés do vulcão Lonquimay.

Vista do vulcão Lonquimay, na ciclovia Manzanar – Malalcahuello, no sul do Chile (foto: Eduardo Vessoni)
Vista do vulcão Lonquimay, na ciclovia Manzanar – Malalcahuello, no sul do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Esse vulcão de 2.865 metros de altitude se localiza em uma área mais baixa do cordão montanhoso dos Andes, o que facilita a alta visibilidade.

No topo, uma cratera de mais de 800 metros de extensão recebe os poucos visitantes que conseguem chegar ali, considerada uma das maiores sobre vulcões austrais do Chile.

Outras formações vulcânicas se exibem ao longe, como o Llaima, Villarrica, Lanín, Quetrupillán e Sierra Nevada.

São os Andes a seus pés, literalmente.

VEJA VÍDEO

Corralco Resort de Montaña

Malalcahuello exige, mas também recompensa.

E para tudo o que se decida fazer por ali, tem sempre um hotel lhe esperando.

Cadeiras de madeira no deck externo; fogueira acesa em frente ao vulcão; e pub minimalista, onde são preparados piscos envelhecidos com pinhão de araucárias ou a encorpada cerveja Lonquimay, em versões Stout, American e English Pale Ale.

É tudo tão diferente do que se vê, que tem até uma piscina no pé de um vulcão, cujas bordas brancas acompanham os contornos do Lonquimay.

Corralco Resort de Montaña, no sul do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

O Corralco Resort de Montaña tem 54 apartamentos e é uma espécie de extensão da geografia do lado de fora, com janelas voltadas para bosques de araucárias, instalações internas com madeira da região e móveis que seguem os tons da natureza local.

É considerado o único estabelecimento hoteleiro dentro da Reserva Nacional Malalcahuelloum e um dos poucos do gênero que permanece aberto, mesmo após o fim da temporada de esqui.

E assim, em pleno verão, o Chile vai mostrando a sua versão sem pressa.

CONHEÇA O HOTEL: http://viagemempauta.com.br/2017/01/12/malalcahuello/”

SAIBA MAIS
Corralco Resort de Montaña
www.corralco.com

Como chegar
Temuco, principal cidade de acesso à Reserva Nacional Malalcahuello, está a quase 700 km da capital Santiago e conta com voos diretos de Santiago, capital do Chile. A viagem dura 1h20, aproximadamente.

O trecho entre o aeroporto e a reserva, distantes 120 km, pode ser feito em carro alugado ou com os transfers sque costumam ser comercializados pelos hotéis da região (USD 100 por pessoa, aproximadamente).

* O Viagem em Pauta viajou ao Chile a convite do Corralco Resort de Montaña

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*