Como é o impressionante tour astronômico do Deserto do Atacama, no Chile

Vista da área de observação astronômica no Atacama, no norte do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Nem só com atividades terrenas se faz turismo no destino mais cobiçado em terras chilenas.

Localizado no norte do Chile, o Deserto do Atacama tem condições climáticas que garantem poucas chuvas e mais de 300 noites de céu aberto por ano.

O deserto mais seco do mundo é considerado um dos melhores lugares do planeta para observação do céu, devido a suas condições favoráveis, como os mais de 2.400 metros de altitude, baixa umidade local e pouca luminosidade artificial.

E nem precisa ir muito longe para ver estrelas no deserto.

Céu do Atacama (foto: Adhemar M. Duro Jr./European Southern Observatory – Flickr/Creative Commons)

LEIA TAMBÉM: “Deserto do Atacama pela primeira vez”

Em Ayllu de Sólor, a apenas seis quilômetros de San Pedro de Atacama, é possível passar 2h30 ouvindo histórias (e piadas) que o francês Alain Maury conduz durante seu tour astronômico.

E ficaríamos muito mais, não fossem as baixas temperaturas das noites no deserto, que chegam, facilmente, a zero grau.

“As pessoas não vêm até aqui para fazer um curso de astronomia e os tours bem-humorados são uma questão de sobrevivência. Não queremos ser como um ator que apenas lê o texto da peça”, comenta Alain.

A visita a esse observatório aberto ao público é dividido em três partes: introdução ao tema, quando aprende-se a observar o céu a olho nu; e manuseio dos telescópios, quando os grupos vão à loucura com a possibilidade de fazer fotos com suas próprias câmeras.

A terceira etapa, depois de mais de duas horas sob as estrelas do deserto, um chocolate quente é servido no interior da residência dos responsáveis pelo tour.

San Pedro de Atacama, no norte do Chile (foto: augenderkatzen/Flickr-Creative Commons)

LEIA TAMBÉM: “De volta ao deserto: dicas para quem já conhece o Atacama”

Como é o tour astronômico?
As saídas são diárias e só são canceladas em noites de lua cheia ou de céu nublado.

Embora Alain Maury insista em afirmar que não se trata de um curso de astronomia, a gente não pode negar que saímos de lá com uma aula completa (pelo menos para leigos como nós), em que se aprende a reconhecer o que estamos observando, a entender um mapa do céu e até a encontrar as principais estrelas.

Tudo isso com um laser esverdeado, apontado pelos guias, que vai pintando aquele céu negro, manchado de estrelas.

Considerado o maior parque de telescópios da América do Sul, com aparelhos de até 70 centímetros de diâmetro, o Space conta com visitas guiadas em inglês, espanhol ou em francês.

Às saídas são às 21h (verão) e às 19h, nos meses de inverno.

Vista do local onde acontecem as visitas astronômicas, no Deserto do Atacama (foto: Eduardo Vessoni)

Segundo explica a própria empresa, a região tem dois invernos: o inverno regular austral, que vai de julho a agosto; e o altiplânico, em janeiro e fevereiro, considerados os meses com mais probabilidade de noites nubladas.

Só para se ter uma ideia, apenas cinco noites não tiveram céu aberto, entre os dias 28 de agosto de 2004 e 5 de janeiro de 2006.

E a gente nem precisa lembrar que visitantes bem abrigados, certamente, aproveitam melhor a experiência.

ALMA: o maior projeto astronómico

Essa associação entre o ESO (European Southern Observatory), a estadunidense NSF e institutos do Japão, Canadá, Taiwan e Coreia, deu origem a esse projeto audacioso, formado por 66 antenas de alta precisão, a 50 km de San Pedro.

Infelizmente, não é possível conhecer a área das antenas, a cinco mil metros sobre o nível do mar, ou fazer visitas noturnas.

Projeto ALMA, NO Atacama, no norte do Chile (foto: Babak Tafreshi – European Southern Observatory/Flickr-Creative Commons)

Mas aos sábados e domingos pela manhã, um ônibus sai da cidade com passageiros que queiram conhecer o centro de apoio às operações do ALMA. D

urante o tour, o visitante passa pela sala de controle, laboratórios e por um transportador de antenas.

A entrada é gratuita e exige inscrição prévia no site do projeto.

VEJA IMAGENS

  • San Pedro de Atacama, no norte do Chile (foto: augenderkatzen/Flickr-Creative Commons)

  • Vista da área de observação astronômica no Atacama, no norte do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

  • Céu do Atacama visto do observatório ALMA (foto: Alessandro Caproni/Flickr-Creative Commons)

  • La Silla Observatory, no Atacama (foto: Alexandre Santerne/European Southern Observatory-Flickr-Creative Commons)

  • Céu do Atacama (foto: Adhemar M. Duro Jr./European Southern Observatory – Flickr/Creative Commons)

  • Projeto ALMA, NO Atacama, no norte do Chile (foto: Babak Tafreshi – European Southern Observatory/Flickr-Creative Commons)

  • Vista do local onde acontecem as visitas astronômicas, no Deserto do Atacama (foto: Eduardo Vessoni)

  • Vista do local onde acontecem as visitas astronômicas, no Deserto do Atacama (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS
SPACE (San Pedro de Atacama Celestial Explorations)
Calle Caracoles, 166 (centro de San Pedro)
Valor: 20.000 pesos chilenos (R$ 96, aproximadamente). A taxa inclui transporte de San Pedro, tour e bebida quente.
www.spaceobs.com

2 Comentário

    • Giovana, obrigado pela visita ao site.

      No próprio texto tem link da empresa para você fazer a reserva, diretamente, com eles.
      Os valores foram cotados no dia da publicação da matéria (maio de 2017).

      Abraços e seja sempre bem vinda.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*