O que fazer na Patagônia chilena

Na Patagônia chilena, o visitante encontra a versão mais selvagem e isolada desse destino austral com mais de um milhão de km².

Mas visitar a região exige planejamento e disposição.

Saiba qual é a melhor época para ir à Patagônia chilena

O Chile abriga a menor parcela patagônica do continente, uma região com 240 mil km² de superfície, entre o golfo do Reloncaví, ao norte, e o Estreito de Magalhães, ao sul; e uma densidade demográfica que não passa de um habitante por km².

Torres del Paine (foto: Douglas Scortegagna/Flickr-Creative Commons)

Por ali, fica a geografia mais isolada e inóspita de toda a Patagônia, onde é possível navegar pela 3ª maior extensão de gelos continentais do mundo, uma área de 21 mil km² que inclui atrativos como o Parque Nacional Laguna San Rafael e o glaciar Exploradores, nos Campos de Gelo Norte.

Já os Campos de Gelo do Sul são conhecidos por abrigar atrações naturais como os glaciares Pío XI, no Parque Nacional Bernardo O’Higgins; o glaciar O’Higgins, situado no lago de mesmo nome; e os glaciares Tyndall e Grey, no Parque Nacional Torres del Paine.

SAIBA MAIS: “Patagônia argentina ou chilena? Saiba quais são as diferenças e programe-se”

Conheça atrações da Patagônia chilena

TORRES DEL PAINE
Conhecido pelos rochosos maciços de granito, esse parque nacional está a 100 km de Puerto Natales e é procurado por amantes de caminhadas, cujas opções vão de trilhas curtas até o clássico percurso W, circuito de 71 km e 5 dias de duração.

Laguna San Rafael (foto: Eduardo Vessoni)

CUEVA DEL MILODÓN
A 25 km de Puerto Natales, esse monumento natural abriga uma caverna a 200 metros de profundidade que serviu de habitat para animais já extintos, há mais de 15 mil anos, como o milodón que dá nome à atração, mais conhecido como preguiça gigante.

Cueva del MIlodón, próximo a Puerto Natales, na Patagônia chilena (foto: Jose Luis Hidalgo R./Flickr-Creative Commons)

O local abriga também outras cavernas menores, abertas para visita, e a Silla del Diablo, uma formação rochosa, cuja lenda patagônica afirmava que o diabo aparecia nas noites mais escuras. SAIBA MAIS

LAGUNA SAN RAFAEL
Esse é outro clássico patagônico do Chile, cujo acesso aquático se dá, a partir de Puerto Chacabuco, a 79 km de Coyhaique.

Declarada Reserva da Biosfera pela UNESCO, essa região de quase 2 milhões de hectares é recortada por canais e imensos blocos de gelo que podem ser vistos dos botes que se aproximam a poucos metros das geleiras.

CARRETERA AUSTRAL
Com 1.240 km, entre Puerto Montt, na Região dos Lagos, e Villa O’Higgins, na Patagônia chilena, a Carretera Austral é um dos cenários mais impressionantes de todo o território chileno.

Caleta Tortel (foto: Rodrigo Gonzalez/Wikipedia Commons)
Caleta Tortel (foto: Rodrigo Gonzalez/Wikipedia Commons)

A região de Aysén, onde fica essa estrada nacional, pode ser explorada em carros 4×2, preferencialmente, e é marcada por estreitas e sinuosas vias de cascalho que dão acesso a cidades a atrações como a pitoresca Puyuhuapi, as impressionantes formações geológicas da Capilla de Mármol (Puerto Tranquilo) e a distante (e misteriosa) Caleta Tortel, cidade austral interligada por passarelas de cipreste, onde carros têm acesso proibido.

SAIBA MAIS: “Conheça o vilarejo sem ruas que vive sobre passarelas, no Chile”

COYHAIQUE
Usada como como base para quem visita a Carretera Austral, Coyhaique é a maior e melhor estruturada cidade de todo o roteiro austral.

O destino está a 65 km de Puerto Aysén; a 80 km de Puerto Chacabuco e serve de ponto de partida para destinos mais distantes da Carretera: Puerto Tranquilo (268 km); Puyuhuapi (277 km); Caleta Tortel: (459 km) e Puerto Montt (675 km).

SAIBA MAIS: “Hotel na Patagônia chilena tem quartos com vista para Torres del Paine”

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*