Puyuhuapi é destino de águas termais da Patagônia chilena

Vista do Puyuhuapi Lodge & Spa, em Puyuhuapi, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

Tranquilos canais que formam fiordes são vias de acesso; um glacial suspenso de gelo eterno flutua sobre a vegetação verde e úmida daquelas terras frias; e águas quentes cruzam vales e vulcões antes de encher poços termais.

Localizado na Patagônia chilena, o pequeno vilarejo de Puyuhuapi é uma das atrações da clássica Carretera Austral, uma estrada com mais de 1.200 km, entre a Região dos Lagos e o mais extremo do continente sul-americano.

Com pouco mais de 500 habitantes vivendo ao redor das águas marinhas que alimentam o canal que deu nome ao povoado, Puyuhuapi é um vilarejo criado, em 1930, a partir de uma política estatal que estimulava o povoamento daquela zona distante, a partir da entrega de terras gratuitas a europeus imigrantes.

Conheça o vilarejo sem ruas que vive sobre passarelas, no Chile

Graças aos esforços dos primeiros colonos e dos moradores da Ilha de Chiloé, Puerto Puyuhuapi foi reconhecido pelo governo chileno, em 1971.

E tudo parece como naquela época.

Casas de madeira com suas inconfundíveis chaminés, população que ainda vive da pesca artesanal de congrio e merluza, e uma chuva insistente que cai sobre esse povoado de selva fria, cujos índices pluviométricos ultrapassam os quatro mil milímetros anuais, responsáveis por uma das paisagens mais verdes de todo o Chile.

Com arquitetura de estilo alemão, o vilarejo é conhecido também pela produção de tecidos artesanais.

SAIBA MAIS: “Patagônia argentina ou chilena? Saiba quais são as diferenças e programe-se”

VEJA ATRAÇÕES

⇒ Ventisquero Colgante
Esse glaciar suspenso a 1.200 metros de altura e com 19 km de extensão fica no Parque Nacional Queulat.

Ventisquero Colgante, glacial em Puyuhuapi, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

Suas águas geladas alimentam cachoeiras e lagoas como a Laguna Témpano, outro atrativo conhecido nessa selva fria com mais de 154 mil hectares.

LEIA TAMBÉM: “Saiba como é uma viagem pelos fiordes patagônicos do Chile”

⇒ Trilhas
Para explorar a região, as trilhas no interior do Queulat são as opções mais recomendadas e com diferentes níveis de dificuldade que podem durar de 30 minutos, como a Laguna Témpano que leva o viajante até o mirante com vista para o Ventisqueo Colgante, a até duas horas e meia, em direção ao Bosque Encantado.

Parque Nacional Queulat, na Patagônia chilena (foto: Clivid/Fickr-Creative Commons)

A região possui também trilhas como a Laguna del Puma, uma caminhada de mais de três horas por bosques de lengas; e o Sendero La Morrena, uma trilha que circunda o glacial, em um percurso de três quilômetros.

LEIA TAMBÉM: “Patagônia do Chile tem fauna exibida e paisagens surreais”

⇒ Laguna San Rafael
Essa área de 123 km² se localiza no interior do Parque Nacional Laguna San Rafael, onde fica a lagoa de mesmo nome, declarada Reserva da Biosfera pela Unesco.

Laguna San Rafael, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

Sua atração mas famosa é o glaciar San Rafael, cujos paredões de gelo podem alcançar até 100 metros de altura. Para aproximar os viajantes desse gigante austral, botes levam passageiros a 300 metros de distância.

⇒ Termas de Puyuhuapi

Puyhupai Lodge & SPA, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

É daquelas águas que escorrem por vales e vulcões que vem a mais famosa atração da região. Faça sol ou faça frio, esteja quente ou congelante, as termas alimentadas por poços naturais que chegam a receber águas aquecidas, naturalmente, a até 50° é uma das experiências mais esperadas do destino.

Uma falha geológica que corta vales da região alimenta piscinas ao ar livre com águas de até 40°C extraídas de poços localizados ao norte da Baía de Puyuhuapi.

Embora as termas estejam abertas 24h, os barcos que cruzam o fiorde Puyuhuapi até o local funcionam somente durante o dia.

O Puyuhuapi Lodge & Spa é uma espécie de SPA remoto, na região da Carretera Austral. É tudo tão exclusivo e escondido que, quem desembarca por ali, não é chamado de turista mas de pioneiro. E nem poderia ser diferente, já que o acesso ao hotel é, exclusivamente, por vias marítimas.

Com vista panorâmica dos fiordes e picos nevados da cordilheira dos Andes, o hotel conta com três áreas ao ar livre, onde se localizam piscinas de águas termais com temperaturas controladas, entre 30°C e 40°C.

Como chegar
O aeroporto principal da região está em Balmaceda, a 55 km de Coyhaique, capital da região de Aysén.

Para quem vai de avião, a rota Porto Montt-Balmaceda é operada pela LATAM e pela Sky Airline, e dura 1h10, aproximadamente.

Puyhupai Lodge & SPA, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

O acesso terrestre a Puyuhuapi se dá pela Carretera Austral, uma estrada com mais de 1.200 km, entre a Região dos Lagos e Aysén, na Patagônia chilena. Considerada um dos maiores orgulhos da engenharia chilena, essa via exige cuidados do visitante como o aluguel de um carro 4×4 e velocidade reduzida, sobretudo nos trechos estreitos de cascalhos soltos.

O que fazer na Patagônia chilena

Os mais aventureiros podem chegar também por vias marítimas, a bordo dos navios da Naviera Austral em direção a Puerto Chacabuco, localizado a 82 km de Coyhaique; e da Navimag, cujo principal destino é a Laguna San Rafael, a partir de Porto Montt e conexão em Puerto Chacabuco.

Chile abriga a versão mais isolada e selvagem da Patagônia. Confira dicas

SAIBA MAIS
Site oficial do turismo do Chile
www.chile.travel

Puyuhuapi Lodge & Spa
www.puyuhuapilodge.com

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*