Atrações grátis de Fernando de Noronha dão uma folga para seu orçamento

Visitar o paraíso na Terra tem seu preço. E quando o destino é Fernando de Noronha, os custos são bem altos, diga-se de passagem.

Em abril de 2017, o litro da gasolina custava R$ 5,79; a garrafa de 1,5 litro de água chegava a R$ 8 em um estabelecimento de produtos naturais de Floresta Nova; e uma diária em uma das cinco pousadas de alto padrão passava dos mil reais por casal.

Sem falar na água de coco, aquele mesmo que a gente vê aos montes no quintal das casas de moradores, que custa exagerados R$ 10, na entrada da praia da Cacimba do Padre.

foto: Eduardo Vessoni

LEIA TAMBÉM: “Fernando de Noronha para mãos de vaca: dicas para economizar”

Mas é possível, sim, desembarcar naquelas terras exibidas sem estourar o orçamento. E pode ter certa que, cada centavo investido, será recompensado com uma das experiências mais cenográficas do Brasil.

Para isso, o Viagem em Pauta listou algumas das atrações gratuitas para você conhecer, finalmente, um dos destinos mais cobiçados do litoral brasileiro, sem estourar o orçamento.

PRAIAS URBANAS

Praias do Meio e da Conceição, vistas do Forte da Vila dos Remédios, em Fernando de Noronha (foto: Eduardo Vessoni)

Cachorro, do Meio e da Conceição são consideradas as praias urbanas da ilha e ficam a poucos metros da Vila dos Remédios.

Porém apenas a última possui estrutura para banhistas como bares com chuveiro e aluguel de cadeiras. Consulte a tábua de maré, antes de visitar praias como a do Cachorro e a do Meio.

PORTO DE SANTO ANTÔNIO

foto: Ismael Escote/Divulgação

Outra praia de fácil acesso é a do porto de Fernando de Noronha, cujas águas cristalinas nem parecem a de um local de onde saem embarcações.

Águas calmas e boa variedade de vida animal, incluindo tartarugas e até tubarão, são os destaques dessa atração, recomendada também para a prática de snorkel.

O local abriga também um naufrágio de fácil acesso.

TRILHAS

Algumas trilhas da ilha são auto-guiadas, embora nem sempre sinalizadas, e podem ajudar o visitante a economizar com passeios.

Costa Esmeralda tem nível médio de dificuldade e cinco quilômetros de extensão. No roteiro, oito praias do Mar de Dentro podem ser visitadas, entre a do Cachorro e à Baía dos Porcos.

Já a Costa Azul tem cerca de 2,3 km de extensão e duas horas de duração, aproximadamente.

Essa trilha leve começa no conjunto histórico da Vila dos Remédios e segue até o Boldró.

Vila dos Remédios, em Fernando de Noronha (foto: Eduardo Vessoni)

MIRANTES

Seja qual for seu estilo de viagem, os mirantes de Noronha são uma espécie de portal com vista para cenários que nem sempre podem ser vistos no nível do mar.

O destino conta com opções que vão desde os mirantes sobre decks de madeira biossintética, nas áreas de Parque Nacional, como o da praia do Sancho, até os mais rústicos e naturais.

foto: Eduardo Vessoni

Destaques para os mirantes do Boldró; da Praia do Americano (entre as praias do Boldró e do Bode); Forte da Vila dos Remédios, no norte da ilha e com vistas únicas das praias do Meio e da Conceição, com o Morro do Pico ao fundo; e o Mirante das Caracas, entre a Baía de Sueste e a Praia do Leão, no Mar de Fora.

Fuja da muvuca barulhenta do Forte São Pedro do Boldró. Para ver o pôr do sol, opte pelo mirante da Pedra do Bode, entre as praias do Bode e do Americano.

Na matéria “Mirantes de Fernando de Noronha mostram outras perspectivas da ilha”, você conhece esses e outros mirantes da ilha.

PROJETO TAMAR

Estabelecido, em 1984, antes mesmo do arquipélago ser anexado a Pernambuco e áreas de preservação serem criadas, o TAMAR Noronha tem uma história que caminha junto com a da própria ilha.

“O Tamar ajudou a consolidar o modelo de ecoturismo em Noronha, protegendo a praia do Leão, local que foi um embrião do Parque Nacional de Noronha, ainda na época do comando da Aeronáutica que fazia a gestão do território”, relembra Barsante.

Tartaruga-verde, durante trabalho do Projeto TAMAR, na Praia do Sueste, em Fernando de Noronha (foto: Eduardo Vessoni)

Mais do que área de alimentação e reprodução de espécies marinhas, o destino é uma importante ferramenta de sensibilização de turistas que também contam com atividades de ecoturismo como a abertura de ninhos, palestras ambientais e visitas guiadas no Centro de Visitantes, na Vila do Boldró, também em Noronha.

Às segundas e quintas, a Praia do Sueste, no Mar de Fora, recebe a visita de biólogos do Projeto Tamar que fazem a captura intencional de tartarugas marinhas com fins científicos. Após a captura dos bichos no mar, os profissionais dão uma aula para os banhistas sobre os hábitos e características das tartarugas.

SAIBA MAIS: “Ilha brasileira tem número recorde de ninhos de tartarugas, nesta temporada”

MUSEUS

É difícil acreditar que alguém queira trocar o mar de Fernando de Noronha por salas fechadas de museus, mas a ilha abriga espaços simples com informações completas do destino como o Memorial Noronhense, na praça da igreja de Nossa Senhora dos Remédios, com acervo como objetos, fotos e painéis que contam a história da ilha.

Outro endereço que vale a pena é o Museu do Tubarão, próximo ao porto. Discreto, o local desmistifica esse animal marinho tão temido, com painéis explicativos, fotos e arcadas dentárias. Tel: (81) 3619-1365

Neste LINK, você encontra todas as matérias de Fernando de Noronha, publicadas aqui no Viagem em Pauta.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*