África do Sul pela 1ª vez: confira dicas e roteiros

Vista noturna de Joanesburgo (foto: South African Tourism/Divulgação)

Tão perto e tão longe.

A pouco mais de 9 horas do Brasil, em voos diretos que partem de São Paulo, a África do Sul já não é destino desconhecido e exótico para viajantes brasileiros.

Segundo o South African Tourism, escritório do turismo sul-africano, o país teve um aumento de 176% no número de visitantes brasileiros, no último mês de junho, em comparação com o mesmo período do ano passado. Para o SAT, a alta procura se deve ao custo benefício dos serviços oferecidos em todo o país e à alta oferta de voos diretos para Joanesburgo, a principal porta de acesso à África do Sul.

Em outras palavras: chegou a sua hora de deixar estereótipos para trás e desembarcar nessa potência africana (não só econômica mas também cenográfica).

SAIBA MAIS: “África do Sul tem número recorde de turistas brasileiros. Veja destinos”

COMO CHEGAR
A South African Airways e a LATAM contam com voos diretos, entre São Paulo e o Aeroporto Internacional OR Tambo, em Joanesburgo, a principal porta de entrada para o país.

Para destinos como Cidade do Cabo e Durban, brasileiros precisam voar, obrigatoriamente, até Joanesburgo e, de lá, seguir em um voo nacional.

Vale lembrar que a África do Sul possui três capitais: Pretória (Administrativa), Cidade do Cabo (Legislativa)  e Bloemfontein (Judicial). 

DOCUMENTOS
Embora brasileiros não precisem de visto antecipado para entrar na África do Sul, é necessário apresentar certificado internacional de vacina contra febre amarela (uma regra por vezes aleatória que nem sempre é cumprida na fila da imigração), além de passaporte válido com, ao menos, uma página em branco.

A vacina deve ser tomada com, pelo menos, 10 dias de antecedência do seu desembarque na África do Sul; e o visto de turista para brasileiros tem duração de 90 dias. 

MOEDA
A moeda sul-africana é o rand, que circula em notas de R10, R50, R100 e R200. Em outubro de 2017, a cotação era de R$ 0,23 para cada rand. 

Brasileiros se sentirão em casa, sobretudo no quesito clima.

Localizado entre dois oceanos, o Atlântico e o Índico, o país tem variações climáticas de acordo com a região.

O verão sul-africano é marcado pela temporada de chuvas (com exceção do Cabo Ocidental, quando as precipitações são nos meses mais frios) e os dias têm variações que podem ir de 15º a 35º.

Já o inverno vai de maio a agosto, quando as temperaturas são mais baixas, variando entre de 0º e 20º, e os dias mais frescos pedem roupa mais abrigada.

Quem estiver programando observar a vida selvagem da selva não deve esquecer de colocar nas malas algumas roupas mais quentes, pois os safáris são realizados bem cedo e no final da tarde, período em que as temperaturas tendem a baixar. 

É SEGURO?
A regra é como a do Brasil: endereços turísticos costumam ser mais seguros e com policiamento.

No entanto, consulte sempre moradores locais ou o hotel em que estiver hospedado para informações atualizadas sobre segurança, sobretudo em áreas menos frequentadas por estrangeiros. 

QUE LÍNGUA EU USO?
Prepare-se para a babel linguística sul-africana. Oficialmente, são 11 línguas, entre elas (ufa!) o inglês.

De acordo com a província em que você estiver, é possível ouvir também africâner, isiNdebele, isiXhosa, isiZulu, Sepedi, Sesotho, Setswana, Siswati, Tshivenda e Xitsonga.

TRANSPORTE
Carros (que seguem na mão inglesa, diga-se de passagem) são a melhor opção para circular em metrópoles como Joanesbugro, uma cidade de mais de cinco milhões de habitantes que ainda confunde visitantes estrangeiros com seus bairros isolados, com acesso por estradas de alta velocidade.

Em tempos de aplicativos de locomoção, a Uber se tornou m dos principais meios de transporte das grandes cidades do país, como Joanesburgo, Pretória, Cidade do Cabo, Durban e Porto Elizabeth.

Mapa do Gautrain, em Joanesburgo (imagem: Reprodução/Gautrain)

Para quem quer provar a experiência da locomoção em um transporte público da África do Sul, a melhor opção é o Gautrain.

Inaugurado na Copa do Mundo de 2010 que aconteceu no país, esse trem conecta o aeroporto de Joanesburgo com bairros como Sandton e Rosebank, e segue viagem até a vizinha Pretória. As tarifas vão de R151 (R$ 35, aproximadamente, até Sandton) a R174 (R$ 41, aproximadamente, até Pretória).

Na Cidade do Cabo não deixe de provar o City Sightseeing, aqueles famosos ônibus vermelhos de dois andares que passam por pontos turísticos dessa cidade acidentada e atrações distantes, umas das outras, como Camps Bay e a Table Mountain.

Os ingressos custam, a partir de R180 (R$ 42, aproximadamente) e inclui embarque e desembarque em 12 paradas da cidade, e tem validade de 24 horas. Esse serviço pode ser encontrado também em Joanesburgo.

Os voos nacionais são operados por companhias aéreas como a SAA (South African Airways), Airlink, Kulula e Mango. Para o mês de novembro, por exemplo, uma passagem entre Joanesburgo e a Cidade do Cabo, custava a partir de R742 (R$ 176, ida e volta).

FRONTEIRAS
Estrategicamente localizado no sul da África e dono do hub aéreo mais importante do continente, o país permite incluir uma visita aos vizinhos.

Dead Pan, na região de Sossusvlei, na Namíbia (foto: Eduardo Vessoni)

Além de circundar Lesoto e Suazilândia, países independentes que ficam dentro do território sul-africano, faz fronteira também com a Namíbia, Botsuana, Zimbábue e Moçambique.

LEIA TAMBÉM: “Dunas e safáris são experiências únicas da Namíbia”

O QUE VISITAR
A África do Sul tem três mil quilômetros de costa, em uma área de mais 1.2 milhão de km². Definitivamente, não é daqueles destinos que se esgotam em uma única viagem.

Para explorar o país é recomendado planejamento prévio, de acordo com os seus interesses.

Cidade do Cabo (foto: Eduardo Vessoni)

Quem vai pela primeira vez, não pode deixar de incluir, ao menos, uma grande cidade, como Joanesburgo, e destinos litorâneos, como a Cidade do Cabo (na costa atlântica) e Durban, no Índico.

Mas a novidade para quem vem do lado de cá do planeta são os safáris em áreas selvagens (esses, sim, obrigatórios, seja qual for a sua pegada).

SAIBA MAIS: “África do Sul em 10 cidades” 

O BÁSICO DO PAÍS

Joanesburgo
Capital da província de Gauteng e principal porta de entrada para quem vem do Brasil, essa cidade concentra o maior número de atrativos relacionados a um dos períodos mais dolorosos do país: o apartheid.

Liliesleaf Farm, em Joanesburgo (foto: Eduardo Vessoni)

Para comemorar os mais de 20 anos de democracia no país, duas décadas depois de Nelson Mandela se transformar no primeiro presidente a ser eleito democraticamente, a África do Sul lançou um roteiro turístico dedicado a Madiba, como era conhecido também esse que é um dos mais importantes líderes políticos do mundo.

LEIA MAIS: “África do Sul celebra democracia com roteiro turístico dedicado a Madiba”

No Soweto, cidade que um dia foi palco de protestos violentos e de capítulos que marcaram a história do mundo em nome do fim do Apartheid, os mais aventureiros contam com experiências radicais que acontecem nas Orlando Towers, duas torres de energia desativadas, nesse bairro do Soweto.

SAIBA MAIS: “Bungee Jump no Soweto: vai encarar?”

Outra atração que merece uma visita é a SAB (South African Breweries), cervejaria no centro financeiro de Joanesburgo, com visita (entrada: R115 por pessoa; R$ 27, aproximadamente) em ambientes que recriam momentos históricos da África do Sul e da fabricação artesanal nas antigas aldeias africanas e nos tradicionais shebeens do Soweto, como eram conhecidos os estabelecimentos ilegais que funcionavam, nos duros anos de apartheid.

South African Breweries, cervejaria no centro financeiro de Joanesburgo (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA MAIS: “Conheça 3 tours imperdíveis para amantes de cerveja”

Pretoria
A quase 60 km de Joanesburgo, a capital executiva da África do Sul é uma das cidades históricas mais belas de todo o país.

Union Buildings, em Pretória, na África do Sul(foto: Eduardo Vessoni)

Foi ali que bôeres de origens holandesa e alemã criaram uma das cidades mais europeias da África do Sul, com seu sotaque africâner, uma mistura entre holandês e línguas africanas, e belos edifícios com arquitetura trazida da Europa, como os jardins bem cuidados dos Union Buildings, sede do governo; e o Voortrekker Monument, dedicado aos pioneiros holandeses e alemães que cruzaram o país, durante a Grande Marcha.

O ponto inicial da visita pode ser na Church Square, onde ficam construções imponentes como o General Post Office, Capital Theatre e o Palace of Justice.

Cidade do Cabo
Definitivamente, esse é o melhor da África do Sul.

Conhecido como uma das cidades mais bonitas do mundo (sem exageros, diga-se de passagem), o destino é um dos mais procurados em todo o país.

Voos de helicóptero sobre a Cidade do Cabo, na África do Sul, colocam o viajante de cara com um de seus cartões postais mais famosos: a Table Mountain

Localizado em frente ao Atlântico, esse destino tourism friendly conta com opções que vão desde atrações naturais únicas, como o Cabo da Boa Esperança e a imponente Table Mountain, até vida noturna agitada nos bares descolados de Camps Bay.

A cidade surpreende quem ainda acredita que a África do Sul se resume à observação de animais e visita a comunidades ancestrais do país.

A Table Mountain é o principal cartão postal da cidade, um conjunto montanhoso, considerado seis vezes mais antigo do que o Himalaia. De sua base, saem os bondinhos que levam passageiros até seu topo, de onde se tem uma vista panorâmica das praias banhadas pelo Atlântico e acesso a trilhas.

Durban
A onda imigratória do século 19 trouxe não apenas mão de obra asiática mas também influências da Índia.

Umhlanga Beach, em Durban, na África do Sul (foto: Eduardo Vessoni)

Localizada às margens do Índico e a quase 600 km de Joanesburgo, a cidade tem endereços como o aromático Victoria Market, mercado com restaurantes e produtos indianos e o emocionante Temple of Understanding, o maior templo africano dedicado a Hare Krishna, em Chatsworth.

O estádio Moses Mabhida, em Durban, na África do Sul oferece atividades radicais para ver a cidade do alto (foto: Eduardo Vessoni)

Uma das atrações curiosas de Durban são as atividades radicais que acontecem no Moses Mabhida Stadium, que conta com atividades radicais como o pêndulo de 80 metros de altura em que o visitante pula de um dos arcos do estádio e a caminhada, a mais de 100 metros, sobre uma das estruturas da construção.

Nelspruit
Mas seja qual for o seu roteiro, certamente, não pode faltar um safári na África do Sul.

Elefantes no Kruger National Park, a atração mais famosa da província de Limpopo (foto: South Africa Tourism/Divulgação)

É essa cidade na beira da selva que costuma servir para quem visita o obrigatório Parque Nacional Kruger e reservas particulares de observação de animais, como a Sabi Sand Gabe Reserve. 

SAIBA MAIS
Site oficial do turismo da África do Sul
www.country.southafrica.net

Joanesburgo
www.joburgtourism.com

Cidade do Cabo
www.tourismcapetown.co.za

Durban
www.durbanexperience.co.za

* com informações do escritório de representação turística da África do Sul no Brasil

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*