Tudo o que você precisa saber antes de ir para a Patagônia

À primeira vista, a Patagônia parece tudo a mesma coisa: imensas áreas geladas, em destinos isolados do extremo sul do continente.

Mas visitar a Patagônia, entre o Chile e a Argentina, é encontrar uma geografia desafiadora, em terras distantes. Afinal de contas, nem só de Bariloche e Região dos Lagos, dois destinos patagônicos populares, se faz turismo naquelas terras geladas.

SAIBA MAIS: “Patagônia argentina ou chilena? Saiba quais são as diferenças e programe-se”

CHILE OU ARGENTINA?

Não é difícil encontrar destinos patagônicos com cara de cidade grande, por isso é fundamental saber qual é a sua pegada.

Se a ideia for circular por áreas urbanizadas, equipadas com lojas de chocolate e casinhas de madeira, no melhor estilo Campos do Jordão, Barilcohe ou El Calafate são suficientes e vão exigir muito pouco esforço do viajante.

Trekking no Perit Moreno (foto: Eduardo Vessoni)

Mas para ver terras virgens e isoladas, em uma das áreas com menor densidade demográfica do planeta, a viagem muda o tom (e a temperatura).

O Chile guarda a versão mais isolada e inóspita da Patagônia, onde é possível navegar pela terceira maior extensão de gelos continentais do mundo, uma área de 21 mil km² que inclui atrativos como o Parque Nacional Laguna San Rafael e o glaciar Exploradores, nos Campos de Gelo Norte.

Hóspedes são guiados pela Hunter’s Trail, uma das opções de trilhas do Parque Nacional Torres del Paine, no Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Já o lado argentino é dono de uma extensa área de mais de 930 mil km², formada pelas províncias de La Pampa, Neuquén, Río Negro, Chubut, Santa Cruz e Tierra del Fuego, onde se localizam destinos bem conhecidos dos brasileiros (ainda que apenas por fotos) como Bariloche, El Calafate e Ushuaia.

SAIBA MAIS:Patagônia do Chile tem fauna exibida e paisagens surreais”

TEM BICHO SELVAGEM PARA VER?

Na Argentina, a bicharada patagônica está mais dispersa ou se concentra em áreas como Punta Tombo ou nas ilhas do Ushuaia.

As diversas reservas naturais e os 11 parques nacionais são os endereços ideais para observação de animais, na Patagônia argentina. Mas ainda assim, o viajante precisa pagar ingressos ou realizar longas travessias para encontrar a bicharada local.

Pinguim-de-magalhães, em Punta Tombo, na Patagônia argentina (foto: Eduardo Vessoni)

Já no Chile, a vida animal é mais presente e pode ser vista, com mais facilidade, na beira de estradas, ao longo de trilhas ou até mesmo na porta do hotel.

Um dos destinos perfeitos para a observação da fauna local é o Parque Nacional Torres del Paine, na Região de Magalhães, onde animais como guanacos, emas e até pumas não se incomodam com a presença humana e podem ser vistos a poucos metros de distância.

Puma visto durante trilha no Parque Nacional Torres del Paine, no sul do Chile (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “CRÔNICA: O gato (patagônico) subiu no telhado”

É FÁCIL CHEGAR?

Não, não é fácil chegar e os deslocamentos nem sempre parecem possíveis.

Na Argentina, a Patagônia apresenta território mais plano e estradas que, por si só, já valem a viagem, como a Ruta Nacional 3 até a Terra do Fogo e a icônica estrada Ruta 40, com acesso a El Chaltén, a capital argentina do trekking, e El Calafate, porta de entrada para o Parque Nacional Los Glaciares.

Ruta 40 (foto: Javier González/Flickr-Creative Commons)

LEIA TAMBÉM: “Ruta 40: a mítica estrada da Argentina”

Já no Chile, bom… No Chile, a Patagônia é no ritmo dela e exige paciência de quem viaja por terra.

Recortada por fiordes e geleiras, a Patagônia chilena tem acesso é necessário viajar até Osorno e de lá seguir para Rio Gallegos, em território argentino, antes de chegar a Punta Arenas, por vias terrestres.

VEJA TAMBÉM: “Conheça o vilarejo sem ruas que vive sobre passarelas, no Chile”

O ícone rodoviário por lá é a Carretera Austral, uma estrada com mais de 1.200 km, entre a Região dos Lagos e Aysén, no setor oriental da Patagônia chilena.

Considerada um dos maiores orgulhos da engenharia chilena, essa via exige cuidados do visitante como o aluguel de um carro 4×4 e velocidade reduzida, sobretudo nos trechos estreitos de cascalhos soltos.

Vista da Carretera Austral, na região de Coyhaique (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS: “Como chegar na Patagônia chilena”

É FRIO?

Sim, é frio (inclusive no verão) e não se espante se, em pleno janeiro, pequenas gotas de neve caírem sobre as ruas do Ushuaia, na Patagônia argentina.

Laguna San Rafael, no Chile (foto: Eduardo Vessoni)

Na região das cordilheiras, por exemplo, o verão é gelado, cuja temperatura média anual varia entre 8ºC e 10ºC, diminuindo conforme o viajante for seguindo rumo ao sul.

Prepare-se também para o mau humor patagônico. Em questões de horas, é possível ter sol, chuva, garoa, vento, tempo nublado, céu claro e neve. Por outro lado, o verão por ali é conhecido pelos dias mais longos, podendo chegar a 17 horas de luz.

Melhor época para ir à Patagônia chilena

É CARO?

Tanto o lado argentino quanto o chileno costumam ver seus preços mais elevados com relação ao restante de seus respectivos países. Isso devido às distâncias e ao isolamento da região.

Por isso, prepare-se para gastar de 30 a 40% a mais, em comparação com outros destinos turísticos da Argentina e do Chile.

TEM O QUE PARA FAZER?

A Patagônia é complexa e não pode ser explorada em uma única viagem. É daqueles lugares que a gente volta uma vida inteira e não termina de conhecer tudo.

Torres del Paine, na Patagônia chilena (foto: Douglas Scortegagna/Flickr-Creative Commons)

Como tudo por ali está ligado ao clima e as distantes são grandes, planejamento é fundamental na hora de programar seu roteiro.

Neste post, listamos os clássicos da região para quem vai pela primeira vez. E neste, você encontra um cardápio para iniciados na região.

CONHEÇA ATRAÇÕES DA PATAGÔNIA ARGENTINA

O QUE FAZER NA PATAGÔNIA CHILENA

TEM O QUE DEPOIS DO FIM DO MUNDO?

Foto tirada às 23h11, em Porto Lockroy, na Península Antártica (foto: Eduardo Vessoni)

Em roteiros que costumam durar mais de 10 dias, com saídas do Chile e da Argentina, os viajantes cruzam a mal-humorada Passagem de Drake, considerada a zona marítima com as piores condições de navegação do mundo.

São 60 horas até a Península Antártica, o pedaço de gelo com melhores condições para turismo em todo o Continente Branco.

VEJA VÍDEO

LEIA TAMBÉM: Saiba como é uma viagem turística a Antártica, a mil km da Terra do Fogo”

E TUDO ISSO QUER DIZER O QUE?

Na Argentina, encontra-se a Patagônia mais acessível e com preços mais camaradas para bolsos apertados (ainda que costumem ser mais elevados com relação ao restante do país, devido às distâncias e isolamento do destino). Porém, o Chile guarda a versão mais selvagem da Patagônia.

Vista do Puyuhuapi Lodge & Spa, em Puyuhuapi, na Patagônia chilena (foto: Eduardo Vessoni)

Serviços como transporte e diversidade de tours tendem a ser melhores na Patagônia argentina, mas é no Chile que a fauna é mais exibida e pode surpreender viajantes até mesmo na estrada ou no quintal do hotel.

Confira tudo o que já publicamos sobre a Patagônia: http://viagemempauta.com.br/?s=patag%C3%B4nia

SAIBA MAIS
Patagônia argentina
www.patagonia.gov.ar

Patagônia chilena
www.chile.travel

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*