Destinos do Brasil para viajar em julho

Com um feriado na capital paulista, no dia nove, e férias escolares em todo o Brasil, chegou a hora de fazer as mala e cair na estrada, outra vez.

Para ver animais (aos montes, diga-se de passagem), essa é a temporada para ver bichos no Pantanal, fazer turismo de inverno em cidades bem equipadas para o frio, como Campos do Jordão (SP) e destinos da Serra Gaúcha.

Mas nem só com dias gelados se faz inverno no turismo brasileiro.

Julho é também uma boa época para visitar a Bahia, sobretudo se você quiser ver baleias jubarte, no Parque Nacional Marinho de Abrolhos.

LEIA TAMBÉM: “Com 13 feriados, 2018 será seu ano de viajar. Confira calendário e destinos no Brasil”

CONFIRA DESTINOS

SOCORRO (SP)

Vista do mirante da Pedra Bela Vista, em Socorro (foto: Eduardo Vessoni)

Fora da temporada de chuvas, esse destino a 140 km da capital paulista é ideal para a prática de esportes de aventura, atividades rurais e compras de malhas.

E a melhor notícia que vem daquelas terras montanhosas, na divisa com Minas Gerais, é que os preços por ali não se contaminaram com os valores praticados em outros destinos brasileiros de aventura.

SAIBA MAIS: “Socorro, a 140 km de SP, tem turismo rural, de aventura e polo de compras”

CUNHA (SP)

Vista do Lavandário de Cunha, a 230 km de São Paulo (foto: Eduardo Vessoni)

Por ali, a experiência vem em forma de tradicionais trabalhos de cerâmica, campos de lavanda para visitas demoradas, trilhas cênicas em meio a trechos preservados de Mata Atlântica e, como ninguém é de ferro, mesa farta, no melhor estilo comida de fazenda.

Viagem perfeita para um final de semana, a dois ou com a família.

SAIBA MAIS: “O que fazer em Cunha, destino de artes e aventura do interior de São Paulo”

PARATY E ILHA GRANDE (RJ)

Saco do Mamanguá visto do alto da trilha do Pico do Pão de Açúcar, em Paraty (foto: Eduardo Vessoni)

Engana-se quem pensa que esses destinos do litoral sul do Rio de Janeiro são feitos apenas com praias isoladas.

No inverno (de maio a agosto), o clima é mais seco e as águas são mais frias. No entanto, é a época indicada para quem quer velejar, fazer trilhas e mergulhar em águas mais claras e sem termoclina.

Uma das dicas de passeio é a visita ao Saco do Mamanguá, considerado o único fiorde do Brasil.

VEJA DICAS: “Ilha Grande: confira guia do destino com dicas e roteiros”

PANTANAL (MT/MS)

Na maior planície alagável do planeta e menor bioma do Brasil, o ciclo da vida ali tem data para acontecer e planejamento é fundamental para visitar a região.

Final de tarde na região do Rio Claro, no Pantanal Norte, no Mato Grosso (foto: Eduardo Vessoni)

Para ver animais, no Pantanal, a melhor época vai de julho a setembro, quando o nível dos rios baixam e os bichos buscam água e alimento, nas margens de estradas. Os dias podem ser quentes e abafados, mas com noites mais frescas, a 21° C, aproximadamente.

SAIBA MAIS: “O que fazer no Pantanal”

ABROLHOS (BA)

Já o Nordeste, entre julho e novembro, assiste à emocionante temporada de baleias jubarte, no Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no sul da Bahia.

É nesses meses que os mamíferos aquáticos escolhem as águas quentes do mar baiano para reprodução e amamentação dos filhotes.

SAIBA MAIS: “Saiba como é viajar em um liveaboard, em Abrolhos, na Bahia”

CAMBARÁ DO SUL (RS)

Embora com águas geladas que não convidam para banhos nas cachoeiras, as trilhas dessa cidade gaúcha são melhores aproveitadas, nos meses de inverno, quando o céu é mais claro e as chuvas deram uma trégua.

A cerca de 200 km de Porto Alegre, Cambará é conhecida como a Terra dos Cânions.

SAIBA MAIS: “Dicas e roteiros em Cambará do Sul, no Rio Grande do Sul”

SERRA GAÚCHA (RS)

Já a Serra Gaúcha é o local mais popular no sul do Brasil, onde pode-se visitar vinícolas, especialmente, em Bento Gonçalves; além de destinos como Gramado, cidade mais famosa turisticamente da região, e Canela, que conta também opções de ecoturismo.

Bondinhos aéreos de Canela, na Serra Gaúcha (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “Canela é a Serra Gaúcha para curtir do lado de fora”

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*