Cheverny: castelo na França tem museu do Tintin e exposição de Lego

Fachada do Castelo de Cheverny, no Vale do Loire, na França (foto: Léonard de Serres/Office de Tourisme de Blois-Chambord)

Não fosse Tintin e o capitão Haddock, logo na porta, poderia ser mais um castelo francês com fachada imponente, mobiliário classudo e de antigos proprietários com números ordinais no nome.

Castelos são endereços que fazem a gente imaginar histórias. E em Cheverny não é diferente.

Localizado no Vale do Loire, a 1h40 de Paris, o Castelo de Cheverny foi inspiração para Hergé ambientar as aventuras do jovem repórter Tintin.

Diz a história que o cartunista belga teria estado no local e se inspirado nessa construção para a criação do Château de Moulinsart, propriedade fictícia de um antepassado do Capitão Haddock, parceiro de Tintin.

E lá estão algumas das referências às histórias dos quadrinhos, como a fachada de pedra e bustos romanos que, nos desenhos aparece em uma versão reduzida, e a escadaria onde o atrapalhado e mal-humorado Haddock costumava tropeçar.

VEJA TAMBÉM: “Saiba como é o tour nas Catacumbas de Paris, na França”

CONHEÇA O MUSEU DO TINTIN

Do outro lado do jardim bem cuidado do castelo, o museu Les secrets de Moulinsart abriga uma exposição permanente em uma área de 700 m² com cenografia que parece saltar dos quadrinhos de Hergé.

Inaugurado em 2001, tem nove salas temáticas que recriam histórias de Tintin como a cripta do episódio ‘O Segredo do Unicórnio’, onde o castelo aparece pela primeira vez, em 1943; o quarto em que o repórter guardava os figurinos usados em suas aventuras pelo mundo; e o laboratório do professor Girassol, no episódio “O caso Girassol” (L’Affaire Tournesol, em francês).

Museu do Tintin, no Castelo de Cheverny, no Vale do Loire (foto: Eduardo Vessoni)

“É um museu vivo, onde é possível tocar nas peças, ver antigos desenhos de Hergé e ouvir sons”, explica a guia Stéphanie Le Donne.

O acervo do museu abriga também os primeiros desenhos feitos pelo cartunista e uma curiosa galeria de fotos de moradores reais de Cheverny que inspiraram os personagens das histórias de Tintin como Nestor, o mordomo de Moulinsart, inspirado em Jean-Claude, quem trabalhava em um hotel dos arredores de Cheverny.

LEGO
E se já não bastassem as aventuras protagonizadas por Tintin, o castelo de Cheverny acaba de inaugurar em seus quartos imponentes a exposição Mystère à Cheverny (‘Mistério em Cheverny’, em português), onde peças de LEGO recriam histórias famosas de mistério.

Exposição com peças de Lego, no Castelo de Cheverny (foto: Eduardo Vessoni)

Durante meses, um milhão de peças foram montadas para dar vida a cenas de ‘Os Pássaros’ de Alfred Hitchcock e ‘Assassinato no Orient Express’ de Agatha Christie. Tem até James Bond e Scooby-Doo.

Curiosidades do Castelo de Cheverny
⇒ O local é um dos castelos privados mais visitados da França e, anualmente, recebe mais de 400 mil visitantes.

⇒ Aberto ao público em 1922, Cheverny é considerado também uma das poucas construções do gênero que ainda está habitada.

⇒ Charles-Antoine de Vibraye, quem herdou o castelo do tio-avô Philippe de Vibraye, e Constance du Closel são os atuais proprietários e moram no local com seus três filhos, em uma área de 250 m².

⇒ A primeira referência a esse castelo fortificado, construído por Raoul Hurault, data de 1315 e sua história segue pelos séculos seguintes sob cuidados de reis, condes e cavaleiros.

O Castelo de Cheverny foi inspiração do cartunista Hergé para criação de cenários das histórias de Tin Tin (foto:David Templier_ CRT Centre-Val de Loire)

⇒ A propriedade está rodeada por uma floresta com árvores plantadas por Paul de Vibraye, entre 1820 e 1860, como tílias e sequoias gigantes.

⇒ A Orangerie é o setor de laranjeiras do castelo que serviu de esconderijo para mobiliários e, dizem, até para a obra Mona Lisa, durante a Segunda Guerra Mundial.

⇒ De moda na época, elementos decorativos eram criados a partir de obras literárias, como os 34 painéis de madeira do artista Jean Monier com trechos de Dom Quixote, de Miguel de Cervantes.

⇒ Nos desenhos de Tintin, o castelo aparece em versão reduzida por conta das árvores laterais que impediam que Hergé visse, de longe, a construção em sua totalidade.

SAIBA MAIS
Castelo de Cheverny e exposição permanente Les secrets de Moulinsart
entrada: €11,50
Das 9h15 às 18h30 (de abril a setembro) e das 10h às 17h (entre janeiro e março; e de outubro a dezembro)
Avenue du Château – 41700 (Cheverny)
chateau-cheverny.fr

Mystère à Cheverny
A exposição com peças de Lego fica no local de 27 de junho de 2018 a 31 de dezembro de 2019.
Visitantes do castelo tem acesso incluído ao museu.

SAIBA MAIS sobre quadrinhos na Europa

COMO CHEGAR
A menos de duas horas de Paris, Cheverny cabe muito bem em um bate e volta a partir da capital francesa.

De trem, a viagem mais curta vai da estação Paris Montparnasse a Vendôme (cerca de 50 minutos). Dali, é preciso seguir até Blois, a 30 km de distância. Outra opção é seguir da estação Paris Austerlitz até Blois-Chambord (1h50, aproximadamente).
Em ambos casos é preciso tomar um táxi até o castelo (€25, segundo site do atrativo).

De ônibus (ouibus.com / flixbus.com), a viagem dura a partir de 2h30 (direto) e a passagem custa a partir de €12, do aeroporto Charles De Gaulle até Blois.

De carro, a viagem segue pela estrada A10, em direção a Bordeaux, e dali para Blois, pela saída 17.

Transfers
Baseada em Orléans, capital administrativa do Vale do Loire, a simpática Stéphanie realiza transfers e trabalhos de guia, a partir de Paris ou da região. Os tours podem ser feitos em  francês, espanhol e inglês. A partir de €47 por pessoa odyssee-valdeloire.com

De avião
Paris é a única cidade francesa que recebe voos diretos do Brasil.

Para chegar na França, o Viagem em Pauta viajou com a Air France (11h, aproximadamente, a partir de São Paulo).

Com 23 voos semanais (14 da capital paulista, 7 do Rio de Janeiro e 2 de Fortaleza), a companhia conta com serviços como a sala VIP de 3.200 m², aberta também para passageiros da classe Econômica (acesso a partir de 25 euros) e o menú a la carte em que o passageiro pode dar um upgrade na refeição, com opções como quinoa orgânica, foie gras e camarões com tartar de abobrinha (menús a partir de € 15)

* O Viagem em Pauta viajou à França a convite da Atout France e da Air France

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*