Destinos do Nordeste para quem não gosta de praia

Se você não é chegado em faixas de areia, isoladas nem muvucadas; banhos em águas salgadas; ou já conhece os destinos litorâneos mais famosos do Nordeste, este post é a sua praia.

Neste super roteiro nordestino sem praias, tem montanhas coloridas, cidades históricas, rota da cachaça, endereços dedicados a Gonzagão e até, vejam só, um castelo de contornos surrealistas.

VEJA DESTINOS

CIDADES HISTÓRICAS DE SERGIPE
Se o litoral do menor estado brasileiro não teve a mesma sorte cenográfica dos vizinhos nordestinos, Laranjeiras e São Cristóvão souberam preservar seu passado histórico em forma de praças, igrejas e museus.

Praça São Francisco, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em São Cristóvao, Sergipe (foto: Eduardo Vessoni)

Distantes do mar e do rio São Francisco, mas próximos da capital Aracaju, esses dois municípios são as versões históricas do turismo de Sergipe.

SAIBA MAIS: “Conheça Laranjeiras e São Cristóvão, cidades históricas do Sergipe”

VELHO CHICO
Antiga área inóspita não navegável e de difícil acesso, imensos corredores estreitos de rochas talhadas do rio São Francisco surgiram com a construção da barragem da Hidrelétrica de Xingó, em 1995, considerada uma das maiores do Brasil.

Rapel no rio São Francisco, em Canindé do São Francisco, no extremo noroeste de Sergipe (foto: Eduardo Vessoni)

Aquelas águas represadas deram lugar ao Cânion do Xingó, localizado em um vale de 65 km de extensão e com uma profundidade média de 150 metros, onde é possível navegar a bordo de catamarãs, fazer passeios em pequenas embarcações que cruzam corredores estreitos do cânion, fazer rapel e até praticar Stand Up Paddle.

SAIBA MAIS: “Principal destino do turismo sergipano, Velho Chico tem experiências únicas”

LUIZ GONZAGA
Como a proposta do Viagem em Pauta é mesmo o turismo das experiências inusitadas em lugares conhecidos, neste post reunimos atrações espalhadas pelo Nordeste que homenageiam o Rei do Baião.

Tem museu multimídia na capital pernambucana; espaço de exposição dedicado ao forró; e até o ausoléu com os restos mortais de Luiz Gonzaga do Nascimento, o Gonzagão.

foto: Eduardo Vessoni

SAIBA MAIS: “Aniversário do Gonzagão: roteiro turístico para curtir o Rei do Baião”

ROLIÚDE NORDESTINA
Cabaceiras fica a 166 km de João Pessoa, em pleno semiárido paraibano, e ficou famosa em todo o Brasil como cenário de mais de 30 produções, entre documentários e longas nacionais, como ‘Cinemas, Aspirinas e Urubus’, ‘O Auto da Compadecida’ e ‘Canta Maria’.

Final de tarde no Lajedo do Pai Mateus, em Cabaceiras (foto: Carla Belke/Wikimedia Commons)

Localizada na região do Cariri, essa cidade de cinco mil habitantes é considerada um dos destinos turísticos mais importantes do interior da Paraíba.

Seu centro histórico parece sempre pronto para mais uma produção de cinema: é simples, bem preservado e abriga ruas largas e vias estreitas que recortam um simpático casario colorido do século 18. CONHEÇA ATRAÇÕES

ROTA DA CACHAÇA
Nos meses de inverno, as temperaturas nas serras paraibanas variam entre 12° a 18°, os dias são mais frios e rola até uma neblina entre montanhas, nas manhãs mais geladas.

Não parece, mas esse cenário fica em pleno Nordeste, na região do Brejo, na Paraíba.

Engenho Martiniano, no Brejo Paraibano (foto: Eduardo Vessoni)

Mais do que construções históricas e berço de artistas como Pedro Américo e Jackson do Pandeiro, o destino tem na cachaça sua melhor inspiração para um turismo que vai além dos roteiros de praias desse pequeno estado nordestino. CONHEÇA O ROTEIRO


PÊNDULO HUMANO
Balançar em um pêndulo, na boca de uma rocha, a mais de 300 metros de altura, é fácil.

Exigente mesmo é encarar a trilha íngreme de 600 metros de extensão e a consideráveis graus de inclinação para chegar à Pedra da Boca, em Araruna, cidade paraibana, no limite com o Rio Grande do Norte.

É como se balançar com a cabeça na Paraíba e os pés no Rio Grande do Norte.


SAIBA MAIS: “Pêndulo humano é destaque radical no Nordeste, entre RN e PB”

CASTELO ZÉ DOS MONTES
Tudo começou, na infância, quando José Antônio Barreto teve uma visão em que uma senhora lhe pedia para construir sete igrejas, em locais diferentes.

Desde que aquela imagem apareceu para ele, em 1941, foram outras 12 aparições até que, já adulto, Barreto, por fim, encontraria o endereço certo para a construção da sua igreja/castelo.

Vista do labirinto externo do Castelo Zé dos Montes, no Rio Grande do Norte, a 100 km de Natal (foto: Eduardo Vessoni)

Não concluída, a obra de contornos surrealistas pode ser visitada apenas nos finais de semana, cujos ambientes sem móveis podem ser explorados pelo visitante, como salões rochosos e altares em pedra.

Porém o destaque é o curioso labirinto feito de terra que representa a Via Crucis.

BAR SOB PEDRA
Em Serra de São Bento, a pouco mais de 100 km de Natal, por onde se olhe são pedras. De todos os formatos, dimensões e utilidades.

Tem pedra para ver, para se hospedar e até para fazer pêndulo humano. Mas o mais inusitado desse destino serrano do Rio Grande do Norte é um bar-restaurante que funciona debaixo de uma imensa rocha.

O Lounge Pedra do Sapo fica na Fazenda Floresta e funciona como lounge, onde são servidos petiscos e pizzas, ao som de música ao vivo.

Lounge da Pedra do Sapo, em Serra de São Bento, no Rio Gande do Norte (foto: Carla Belke-Divulgação)

SAIBA MAIS: “Conheça o bar que fica sob uma pedra, a 115 km de Natal, no Rio Grande do Norte”

SERIDÓ
No interior potiguar fica o Seridó, em pleno sertão nordestino, onde acontecem atividades como trilhas por pinturas rupestres de nove mil anos e caminhadas puxadas entre as paredes baixas do impressionante Cânion dos Apertados.

DUNAS DO ROSADO

No extremo norte do Rio Grande do Norte, entre Areia Branca e Porto do Mangue, um cenário árido, em constante evolução, traz novos ares ao turismo potiguar.

Dunas do Rosado, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

Com 10 km² de extensão, as Dunas do Rosado são uma sequência de montanhas coloridas, formadas pelos sedimentos de falésias vizinhas, trazidos pelos ventos constantes.

A 250 km da capital Natal, o parque, considerado o maior conjunto de dunas daquele estado, ainda é um desconhecido do turismo local, mas costuma ser combinado com roteiros litorâneos, em Ponta do Mel, vilarejo do município de Areia Branca.

LEIA TAMBÉM: “10 destinos imperdíveis do Rio Grande do Norte”

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*