Cresce número de brasileiros no Chile: veja 7 roteiros imperdíveis no país

Percorrer o Chile de norte a sul é como visitar mais de um país em uma única viagem.

Dos canais estreitos e gelados dos fiordes, na Patagônia, ao cenário árido do Atacama, no norte do país, o viajante tem uma das mais variadas geografias em um mesmo destino da América do Sul.

E a despeito da crise, o número de brasileiros no Chile só tende a crescer.

Segundo dados do o Sernatur (Serviço Nacional de Turismo do Chile), 545 mil brasileiros desembarcaram no Chile, em 2017, um aumento de 24,1% com relação ao ano anterior.

Trilha Copa Coya, no Deserto do Atacama (foto: Eduardo Vessoni)

Em 2018, houve também um aumento de 18% no primeiro bimestre, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Com belas paisagens selvagens e qualidade na infraestrutura hoteleira, o Chile é daqueles países vizinhos que você não pode deixar de conhecer.

VEJA TAMBÉM: “Patagônia argentina ou chilena? Saiba quais são as diferenças e programe-se”

CONFIRA ROTEIROS

LADO B DO ATACAMA

Vulcão Licancabur, visto da piscina do Hotel Tierra Atacama, no Chile (foto: Divulgação)

No endereço mais árido do planeta, céu estrelado sobre cenário montanhoso (e silencioso) não é mais novidade, sobretudo para a massa de brasileiros que invadiu São Paulo de Atacama (ops, San Pedro de Atacama).

Mas o seu deserto não precisa ser igual ao de todo mundo. Muito além de salares e vales lunares, tem um Atacama diferente que você pode conhecer em trilhas alternativas por destinos menos turísticos.

Nesse contexto, destacam-se o premiadíssimo hotel Tierra Atacama, que já virou sinônimo de aventura com conforto e sustentabilidade, com unidades também na Patagônia chilena e no arquipélago de Chiloé.

SAIBA MAIS:
“O lado B do deserto: 3 trilhas alternativas no Atacama, no Chile”
“Deserto do Atacama pela primeira vez”

LAGOS ANDINOS

foto: Cruce Andino/Divulgação
foto: Cruce Andino/Divulgação

Há mais de um século, navegar aquele território patagônico significa ver vulcões, canais estreitos, florestas centenárias e povoados minúsculos. E seja qual for a época do ano, a sensação é a de que você é o primeiro forasteiro a colocar os pés por ali.

A viagem começa a mais de mil km da capital chilena, em Porto Varas, passa por Porto Montt, capital da Região dos Lagos, e segue em ritmo lento por uma sequência única de paisagens que inclui lagos de origem glacial, vulcões adormecidos de picos nevados, florestas centenárias, povoados minúsculos e bosques de lengas e alerces andinos.

VEJA DETALHES DA VIAGEM: “Travessia dos Lagos Andinos é viagem em território selvagem do Chile e Argentina” 

VALLE DEL ROSARIO

Trilha Alto Bahamondes, no Valle del Rosario (foto: Eduardo Vessoni)

Nem parece que a hiperativa capital chilena fica a apenas uma hora dali.

Localizado na região de Valparaíso, o Vale do Rosário tem um olho voltado para o mar, a 19 km dali, e outro para a cordilheira da Costa, um cordão de montanhas baixas que protegem vales verdes.

E bem no meio disso tudo fica o hotel boutique La Casona, um casarão colonial do início do século passado, com apenas dez quartos, em meio à vinícola Matetic.

SAIBA MAIS: “Hotel dentro de vinícola é destaque a 100 quilômetros de Santiago, no Chile”

CHILOÉ

Oceano Pacífico, visto durante trilha Duhatao-Chepu, em Chiloé (foto: Eduardo Vessoni)

Ao sul do Chile e bem perto da Patagônia, existe um Chile que vai além das areias do deserto mais árido do planeta e das bem estruturadas estações de esqui.

Localizado na Região dos Lagos, a menos de 200 km do aeroporto de Porto Montt, o arquipélago de Chiloé é o Chile que a gente custa a acreditar que existe.

Segunda maior ilha do país, o destino é endereço de esportes de aventura, tem trilhas de cenários surreais, abriga igrejas de madeira declaradas patrimônio da humanidade e ainda consegue encantar com mitos que, mais do que contar histórias de personagens fantásticos, viraram atração da região.

Localizado em San José, a 15 km de Castro e em frente ao pantanal de Pullao, o Tierra Chiloé é um hotel rústico de madeira com arquitetura inspirada nas tradições do arquipélago, como o teto em forma de barco invertido que parece flutuar sobre uma estrutura em forma de palafita.

Tierra Chiloé, hotel no arquipélago chileno de Chiloé (foto: Eduardo Vessoni)

A rede é conhecida pelo cardápio de excursões ao ar livre que já estão incluídas nas diárias, sem que o hóspede tenha que se preocupar com detalhes de traslados, excursões e alimentação.

SAIBA MAIS: “Arquipélago de Chiloé é o Chile isolado que você precisa conhecer”

PATAGÔNIA CHILENA

Vista do terraço do Tierra Patagonia, hotel com vistas para Torres del Paine (foto: Morten Andersen/Divulgação)

Localizada na região mais austral da América do Sul, a Patagônia abriga terras virgens e isoladas, e é uma das áreas com menor densidade demográfica do planeta. Isso significa dizer que é mais fácil encontrar pinguins e leões marinhos do que gente.

Trilha Orígenes de la Vida, no Parque Nacional Torres del Paine (foto: Eduardo Vessoni)

Longe, selvagem, mas com excelente infraestrutura para quem procura aventura com conforto.

Tierra Patagonia, no extremo sul do Chile, é daqueles hotéis que vão muito além do conceito de hospedagem e os 25 km de distância do Parque Nacional Torres del Paine parecem reduzidos quando, de cada uma das janelas dos 40 quartos, se exibem os famosos maciços rochosos de origem glacial que colocaram a província de Última Esperanza na rota dos destinos mais cobiçados dos viajantes de alma aventureira.

SAIBA MAIS: “Hotel na Patagônia chilena tem quartos com vista para Torres del Paine”

CARRETERA AUSTRAL

Vista da Carretera Austral, na região de Coyhaique (foto: Eduardo Vessoni)

Localizada no setor oriental da Patagônia chilena, na fronteira com a Argentina, essa estrada tem mais de 1.200 km, entre a Região dos Lagos e Aysén, na Patagônia chilena.

Considerada um dos maiores orgulhos da engenharia chilena, essa via exige cuidados do visitante como o aluguel de um carro 4×4 e velocidade reduzida, sobretudo nos trechos estreitos de cascalhos soltos. 

SAIBA MAIS
“Conheça o vilarejo sem ruas que vive sobre passarelas, no Chile”
“Puyuhuapi: a Patagônia chilena que fica mais ao sul do silêncio”

ILHA DE PÁSCOA

Tongariki, na baía Haga Nui, é a maior plataforma funerária de Rapa Nui e abriga uma sequência de 15 moais (foto: Eduardo Vessoni)

A 3.700 km da costa sul-americana, no meio do nada, a Ilha de Páscoa é daqueles destinos obrigatórios para quem procura experiências inusitadas, como trilhas entre moais, mergulhos em águas, exageradamente, azuladas e caminhadas sobre vulcões.

No entanto, a atração mais famosa desse território de origem polinésia com mais de 3 milhões de anos são os moais, as estátuas gigantes feitas em homenagem aos chefes de tribos locais.

SAIBA MAIS: “10 motivos para conhecer a Ilha de Páscoa”

LEIA TAMBÉM: “Cuidados para evitar roubadas nas conexões aéreas, no Chile”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*