Conheça o Museu da Comida Nojenta, na Suécia

Peixe fermentado com cheiro de podre, queijo com larvas, coalhada de feijão e carne de tubarão envelhecida.

Mais do que iguarias gastronômicas de países como Suécia, Sardenha, China e Islândia, respectivamente, esses são exemplos do que o visitante vai encontrar no recém inaugurado ‘Museu da Comida Nojenta’, na Suécia.

Na exposição temporária, que vai até janeiro de 2019, são expostos cerca de 80 pratos típicos de diversos países como smoothie de sapo do Peru e a famosa durian da Tailândia, considerada a fruta com o pior cheiro do mundo (em alguns países asiáticos essa espécie de jaca é proibida no metrô).

Sopa de morcego, um dos pratos típicos internacionais em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

O mais curioso é que o Museu da Comida Nojenta foi aberto em Malmö, a capital gastronômica da Suécia. Para o curador da exposição, Samuel West, e o diretor do museu, Andreas Ahrens, “a comida é muito mais do que apenas alimentação. Comida inusitada de culturas exóticas sempre nos fascinaram”, afirmam em nota enviada para a Redação do Viagem em Pauta.

E, em se tratando de exotismo, a gente sempre se pergunta “exótico para quem?” Ou você estava achando que todo mundo acha normal comer arroz com feijão, só para citar o prato brasileiro mais idolatrado?

‘Casu marzu’, queijo com larvas da Sardenha, em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

Aliás, entre os pratos expostos no museu tem um que muita gente adora, inclusive no Brasil: a lagosta, cuja carcaça avermelhada fica exposta em uma caixa de vidro como as peças de obra valiosas em museus pelo mundo.

Entre as tradições em exposição está também o surströmming, iguaria sueca que consiste em arenque salgado, cuja fermentação garante ao peixe um sabor de podre.

O acervo é nojento, mas não deixa de ser autêntico e real. “Mostramos comida de verdade. É tão educativo quanto divertido”, explica Samuel West.

Vinho de rato, um dos pratos típicos internacionais em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

A lista de pratos expostos seguem desafiando estômagos sensíveis.

No museu, é possível conhecer também o vinho de rato, sopa de morcego e o ovo centenário (receita chinesa que consiste na conservação de ovo de pata ou galinha em uma mistura de argila, cinzas, sal, cal e amido de arroz, cujo interior assume tons que vão do verde claro ao marrom escuro).

E para terminar a discussão, West polemiza e faz a gente sair do lugar confortável.

“O que é mais repugnante, comer um porquinho-da-índia [em referência ao cuy do Peru] ou um porco normal? Existe mesmo alguma diferença? O museu tem como objetivo mudar nossa visão do que é repugnante ou não”.

Para quem só acredita vendo (ou provando, no caso desse museu), a exposição conta também com pratos que podem ser cheirados e até provados.

SAIBA MAIS
Museu da Comida Nojenta
Exposição aberta até o dia 27 de janeiro de 2019, no MMX Slagthuset, em Malmö (Suécia)
De 4ª a domingo, das 12h às 18h
ingresso: 185kr (cerca de R$ 80)
disgustingfoodmuseum.com

VEJA TAMBÉM: “Conheça museus pelo mundo com acervo inusitado”

CONHEÇA O ACERVO DO MUSEU

  • Vinho de rato, em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Sopa de morcego, um dos pratos típicos internacionais em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • ‘Casu marzu’, queijo com larvas da Sardenha, em exposição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • ‘Balut’, prato asiático preparado com embriões de pato ainda no ovo (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Pênis de touro, prato chinês em exibição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Testículo de touro, em exibição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Ovo centenário, receita chinesa que consiste na conservação de ovo de pata ou galinha em uma mistura de argila, cinzas, sal, cal e amido de arroz, cujo interior assume tons que vão do verde claro ao marrom escuro (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Suco de rã, em exibição no Museu da Comida Nojenta, na Suécia (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Kale Pache, prato da Turquia que leva pedaços de boi ou carneiro, como a cabeça (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

  • Típico da Groenlândia, o kiviak consiste em colocar centenas de aves migratórias da região (auks) dentro de uma foca para cozimento natural por cerca de seis meses (foto: Anja Barte Telin/Divulgação)

* com informações do Museu da Comida Nojenta

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*