500 anos do Renascimento francês: conheça roteiros e dicas no Vale do Loire, na França

Diz a lenda que Leonardo da Vinci teria cruzado os Alpes sobre uma mula, com Mona Lisa debaixo do braço e tudo, para atender a um convite do então rei da França, Francisco I.

A travessia, que levaria semanas, marcou não só seus últimos anos de vida como também deu início a uma nova era para a história das artes francesas.

Considerado a última morada de Da Vinci, o Vale do Loire é o berço do Renascimento Francês, financiado por reis da região que teriam se encantado com esse movimento artístico que surgira na Itália.

O resultado, atualmente, é a maior concentração de castelos do mundo (300 deles abertos para o público) e uma coleção de cidades medievais que levam o visitante para tempos distantes.

Tem castelo para visitar, para passar a noite e até para fãs de desenhos animados.

VEJA VÍDEO

Conheça os castelos do Vale do Loire

CHAMBORD
A cerca de 1h40 de trem de Paris e próximo a Blois, essa construção de 500 anos, cujo quingentésimo aniversário da instalação da pedra fundamental também será celebrado em 2019, é o castelo mais visitado da região e impressiona por suas dimensões.

Com projeto inspirado nos trabalhos de Leonardo da Vinci, o Castelo de Chambord é conhecido pela mescla de estilos arquitetônicos francês e italiano, e pelo interior imponente que abriga mais de 400 dependências, 90 delas abertas à visita e 300 lareiras.

Castelo de Chambord (foto: CRT Centre Val de Loire/Divulgação)

Rodeado por uma floresta de cinco mil hectares, Chambord é famoso pela escadaria em espiral dupla, assinada pelo próprio Da Vinci, que permite que os visitantes subam por rampas geminadas, sem se encontrarem.

SAIBA MAIS
Ingresso a partir de 14,50 € (entrada ao castelo e aos jardins)
Transfers até o castelo (pago à parte) podem ser contratados na estação de Blois-Chambord.
www.chambord.org

CHEVERNY
A 15 km de Blois fica essa construção que inspirou o cartunista belga Hergé na ambientação de algumas das aventuras do jovem repórter Tintin.

A primeira referência a esse castelo fortificado, construído por Raoul Hurault, é de 1315 e é considerado uma das poucas construções do gênero que ainda está habitada, onde o herdeiro mora com sua esposa Constance du Closel e os três filhos do casal.

O Castelo de Cheverny foi inspiração do cartunista Hergé para criação de cenários das histórias de Tin Tin (foto: David Templier_ CRT Centre-Val de Loire)

Mas o melhor ainda é o museu Les secrets de Moulinsart, onde fica a exposição permanente com cenário e salas que remetem aos quadrinhos de Hergé.

SAIBA MAIS
entrada: 16,50 € (entrada ao castelo e museu do Tintin
A viagem da estação Austerlitz, em Paris, até Blois-Chambord dura cerca de 1h40
www.chateau-cheverny.fr

SAIBA MAIS: “Cheverny: castelo na França tem museu do Tintin”

CHAUMONT-SUR-LOIRE
A viagem medieval segue pelo interior da França, mas não do jeito que você está costumado a ver castelos.

Mais do que uma bem preservada construção do ano 1000, o Castelo de Chaumont-sur-Loire é conhecido também pelos bem cuidados jardins que abrigam, anualmente, o Festival Internacional dos Jardins, onde são expostas intervenções artísticas e paisagísticas.

Castelo de Chaumont-sur-Loire (foto: Gillard-et-Vincent/Divulgação)

Aliás, se esse for mais um castelo no seu roteiro pela região, vale focar apenas nas áreas externas, onde a arte contemporânea dá outros tons a essas construções medievais. O Vale do Loire é conhecido como ‘Jardim da França’, devido aos trabalhos feitos nas áreas externas.

‘Momento Fecundo’, obra do artista brasileiro Henrique Oliveira, em exposição no Castelo de Chaumont-sur-Loire (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS
entrada: 18€
A 185 km de Paris, a viagem de trem entre as estações Paris-Austerlitz e Onzain / Chaumont-sur-Loire dura cerca de 1hr 40.
www.domaine-chaumont.fr

VEJA TAMBÉM: “De museu a vídeo game: veja serviços no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris”

CASTELO REAL DE BLOIS
Vizinha ao Chaumont-sur-Loire, a cidade de Blois abriga essa construção do século 9, que mescla estilos gótico, renascentista e clássico.

Dono de um acervo com 35 mil obras, o destaque são as salas encobertas por pinturas em todas as paredes, em substituição à antiga tapeçaria original.

Castelo Real de Blois, a 180 km de Paris (foto: J-David/Divulgação)

SAIBA MAIS
12 € (entrada e aluguel de tablet com um programa de realidade virtual que recriam os antigos ambientes do castelo, a partir de imagens em 360°.
O local fica a 7 minutos a pé do Castelo de Chambord
www.chateaudeblois.fr

500 anos da morte de Leonardo da Vinci
Este ano marca o quinto centenário do falecimento do mestre do Renascimento, bem como os 500 anos desse movimento cultural na França.

(foto: Chateau du Clos Lucé/Divulgação)

Da Vinci morreria em Amboise, em 1519, após ter sido convidado por Francisco I, três anos antes, para morar e seguir sua arte no Castelo de Clos Lucé, considerado a última morada do artista.

Após batalhas na Itália, Francisco levou aquele artista multidisciplinar para trabalhar como o “primeiro pintor, arquiteto e engenheiro do rei”.

Para celebrar as datas, eventos acontecem na região, como as exposições “Leonardo da Vinci, Seus Alunos, a Última Ceia e François I” no Castelo de Clos Lucé, cuja tapeçaria ‘A última Ceia’ deixará o Vaticano pela primeira vez; e “A Arte de Viver no Renascimento “, em Châteaudun.

De maio a setembro de 2019, oo Castelo Real de Amboise recebe a exposição ‘A morte de Leonardo da Vinci – a construção de um mito’, além de concerto e espetáculo de teatro sobre a vida do mestre.

CLOS LUCÉ
Nessa construção de 1471, por onde se olha, respira-se Leonardo da Vinci.

A 226 quilômetros da capital francesa, a última residência de Da Vinci abriga um parque dedicado ao mestre renascentista, onde repousam réplicas de suas invenções, como o ‘Parafuso Aéreo’ (espécie de avô do helicóptero), e ambientes internos que recriam salas por onde circulava Leonardo da Vinci, como a cozinha e seu ateliê.

foto: L.de Serres/Divulgação

O Solar de Cloux, seu nome original, é conhecido pela inconfundível fachada de tijolos vermelhos e pedras calcárias que guardam aqueles ambientes cenográficos que abrigaram Da Vinci em seus três últimos anos de vida.

SAIBA MAIS
entrada: 16€
Da estação Paris Montparnasse a St Pierre des Corps, a 20 km de Amboise, são cerca de 55 minutos de trem. Um serviço de ônibus faz o transfer até Amboise.
www.vinci-closluce.com

CASTELO REAL DE AMBOISE
Do quarto onde morou, no vizinho Clos Lucé, o convidado ilustre tinha vista para outra construção de Amboise.

Residência de Francisco I, daí o título de ‘berço do Renascimento francês’, o Castelo Real de Amboise tem vista exclusiva do rio Loire e foi ponto estratégico em tempos de disputas na região.

Castelo Real de Amboise, a 225 km de Paris, aproximadamente (foto: Eduardo Vessoni)

Um dos destaques é a bela capela de Saint Hubert que guarda os restos mortais de Leonardo da Vinci, sob uma construção do século 15, em estilo gótico.

SAIBA MAIS
ingresso: 12,80€
www.chateau-amboise.com

Castelo de Chambord (foto: Ludovic Letot/Divulgação)

SAIBA MAIS

Turismo na França
www.atout-france.fr

Turismo no Vale do Loire
www.valdeloire-france.com

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*