Museu na Islândia surpreende com acervo inusitado

Flecha do Amor, Pássaro Vermelho, Pilar do Dragão Celestial, JJ ou Bráulio.

O que não faltam são nomes (desde os mais carinhosos até os mais impublicáveis) na hora de humanizar o membro que os homens tanto fazem questão de ostentar.

Mas o que não esperávamos era ter um museu dedicado, exclusivamente, a eles (aos pênis, me refiro).

Não bastasse a geografia surreal desta ilha nórdica do Atlântico Norte, a Islândia surpreende o mundo com endereços inusitados capazes de corar até os menos tímidos.

LEIA TAMBÉM: “Muito além da Björk: o que fazer na Islândia”

Localizado na capital Reykjavik, o Icelandic Phallological Museum abriga um curioso acervo com exemplares fálicos de diversos tipos de animais. Considerado o único do mundo a colocar estes membros em exposição, o museu possui mais de 280 exemplares de 93 espécies diferentes de animais encontrados na Islândia.

Baleias, ursos polares, focas e morsas são alguns dos animais que têm seus ditos expostos em salas temáticas dedicadas às questões biológicas, utensílios extras para serem usados junto com ele e uma lojinha com souvenirs curiosos como preservativos customizados, abridores de garrafa e chaveiros (tudo em homenagem ao protagonista do museu, claro).

Fundado pelo professor universitário Sigurdur Hjartarson, cujos primeiros exemplares foram doações irônicas de colegas da escola onde trabalhava como diretor, o museu foi inaugurado em 1997 com 62  espécimes e recebe, anualmente,  mais de 13 mil visitas.

VEJA FOTOS

SAIBA MAIS
Icelandic Phallological Museum
Tel.: (354) 5616-663
Laugavegur, 116 (Reykjavik/Islândia)
www.phallus.is (site em inglês)

ISLÂNDIA

O país é muito mais do que a terra da Björk.

Aliás, essa cantora e compositora da capital Reykjavík é só um dos produtos surreais desse país nórdico, isolado no Atlântico Norte e que, desde 2008, é considerado o país mais seguro do mundo.

De origem vulcânica, a segunda maior ilha da Europa fez da sua geografia a melhor atração.

Não à toa aquele cenário isolado e acidentado é considerado um dos países mais “instagramáveis” do mundo (só não vale fazer como o turista desavisado que, recentemente, atolou no barro seu carro alugado e teve que ser resgatado pela polícia local).

Fazer turismo no extremo norte do planeta, em uma área com menos de 102 mil km², é também se banhar em um campo de lava em meio a fumarolas, fazer tratamento de spa em banheiras lotadas de cerveja, ver baleias singrando fiordes e até descer de guindaste até o interior de um vulcão adormecido.

CONFIRA IMAGENS



 
 

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Já pensou em descer no interior de um vulcão? A Islândia, já. | Viagem em Pauta
  2. Muito além da Björk: o que fazer na Islândia - Viagem em Pauta

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*