Tour literário pelos pubs de Dublin é uma das atrações imperdíveis da Irlanda

Sair de bar em bar pelas ruas tortas e estreitas de Dublin é como beber, literalmente, na fonte de inspiração da literatura irlandesa.
Basta encostar no balcão de algum daqueles pubs sisudos de decoração vitoriana para viajantes etílicos começarem a ouvir histórias de precisão literária protagonizadas por nomes como James Joyce e Oscar Wilde.
Criado em 1988, o Literary Pub Crawl (algo como “tour literário de bar em bar”, em tradução livre para o português) já guiou 450 mil pessoas por endereços históricos da capital da Irlanda.

Atores do “Literary Pub Crawl”, tour literário por pubs históricos de Dublin, na capital da Irlanda (foto: Divulgação)
Atores do “Literary Pub Crawl”, tour literário por pubs históricos de Dublin, na capital da Irlanda (foto: Divulgação)

A experiência é um bem-humorado passeio de quase 3 horas de duração e 1,6 km de extensão que paralisa clientes e pedestres em apresentações ao ar livre nesta cidade hedonista com mais de 800 pubs capazes de desviar o foco até do viajante mais dedicado aos clássicos da literatura.
A cada intervenção dos atores, o público nunca sabe quando se trata de uma biografia descrita em forma de poema, um poema recitado em forma de biografia ou apenas mais um dos comentários com o (inconfundível) humor irlandês.
Tudo ali mesmo na rua e no interior de bares, como deve ser qualquer imersão nos hábitos daquelas terras geladas e chuvosas.
Conheça o roteiro  literário pelos pubs históricos de Dublin:

⇒ THE DUKE

A viagem literária com altas doses alcoólicas tem início no The Duke, estabelecimento no centro histórico que abriu suas portas em 1822 e possui a segunda mais antiga licença para comercialização de bebidas da região.
É no segundo andar desse pub agitado com interior sisudo em estilo vitoriano e fachadas preservadas que os atores dão início ao tour literário.
Era ali que James Joyce buscava refúgio quando precisava de “um pote de silêncio reflexivo” como descrevem os proprietários do local.

Fachada do pub The Duke (foto: Eduardo Vessoni)
Fachada do pub The Duke (foto: Eduardo Vessoni)

Mas não só clássicos da literatura encostaram nos balcões elevados do The Duke.
Paul Hewson (o Bono Vox do U2) costumava dar as caras por ali, antes da fama. Atualmente, figuras populares da literatura mundial também podem esbarrar com clientes do pub como John Boyne, autor do best seller “O Menino do Pijama Listrado”.
Entre pints de Guinness e Smithwick’s (só para citar dois clássicos cervejeiros da Irlanda), o pub recebe clientes com opções de bebidas como merlot francês ou italiano, rioja espanhol e até um pinot da Nova Zelândia.
Público aguarda início do tour literário no pub The Duke (foto: Eduardo Vessoni)
Público aguarda início do tour literário no pub The Duke (foto: Eduardo Vessoni)

⇒ O´NEILL’S

Outra parada histórica é nesse que é considerado o estabelecimento irlandês com maior número de chope artesanal.
Daquelas cobiçadas torneiras cromadas saem mais de 40 diferentes tipos de cerveja como a irlandesa Sunburnt Irish Red, versão vermelha com notas de caramelo e lúpulos australianos, e a potente ale Hardcore IPA com teor alcoólico de 9,2%, da Escócia.

Fachada do pub O'Neill's, em Dublin (foto: Eduardo Vessoni)
Fachada do pub O’Neill’s, em Dublin (foto: Eduardo Vessoni)

Pelo interior do O’Neill’s, localizado em um casarão de esquina com fachada em estilo vitoriano que já contava com licença para vender bebidas há mais de 300 anos, passaram nomes como os poetas Brendan Kennelly e Michael Longley.
Mas é preciso confessar que a essa altura do tour todo mundo já se perde em detalhes acadêmicos e, disperso, só consegue pensar no pint irlandês do pub seguinte.
O pub O´Neill's é considerado o estabelecimento irlandês com maior número de chope artesanal (foto: Divulgação)
O pub O´Neill’s é considerado o estabelecimento irlandês com maior número de chope artesanal (foto: Divulgação)

⇒ OLD STAND

Localizado na esquina das ruas Exchequer e St. Andrew, o Old Stand é outro clássico irlandês que faz parte do roteiro do tour literário, cujo nome é uma referência à demolição da arquibancada do estádio Lansdowne Road, berço do rúgbi irlandês.
Seus proprietários se orgulham do local funcionar, há mais de 300 anos, e de ter sido um dos últimos estabelecimentos de Dublin a instalar televisões em seu interior.

Interior do Old Stand, um dos pubs da rota literária de Dublin (foto: Eduardo Vessoni)
Interior do Old Stand, um dos pubs da rota literária de Dublin (foto: Eduardo Vessoni)

⇒ DAVY BYRNE’S

Os pubs do tour são selecionados de acordo com a relação que os estabelecimentos têm não só com a história da cidade mas também com seus antigos clientes literários como o Davy Byrne’s, o “pub moral”, segundo descrição de James Joyce no oitavo capítulo de sua obra Ulisses.

Fachada do pub Davy Byrne’s (foto: Divulgação)
Fachada do pub Davy Byrne’s (foto: Divulgação)

É neste bar de estilo art deco que o protagonista Leopold Bloom pede uma taça de vinho Burgundy e um sanduíche de gorgonzola, além de elogiar sua atmosfera tranquila e o belo balcão de madeira.
O escritor James Joyce visitava o local, regularmente, e se tornou amigo do proprietário que dá nome ao pub até hoje.
O dramaturgo Samuel Beckett era também cliente assíduo do Davy Byrne’s.
Aquela figura distante dos anos 30 era conhecido pela sua aversão “’à indiscrição e aos copos quebrados dos pubs irlandeses”. Ainda assim, Beckett usou aqueles ruidosos ambientes como o pub Kennedy’s para amadurecer obras como More Pricks than Kicks (1934) e Murphy (1938).
Atualmente, o cardápio de cervejas do Davy Byrne’s não é muito variado, mas conta, ao menos, com dois clássicos cervejeiro irlandês: a escura Guinness e a vermelha Smithwick’s, além de uma seleção discreta de vinhos europeus e chilenos.

⇒ ST. ANDREW’S CHURCH

Na igreja em frente ao O’Neill’s, o grupo assiste a um dos momentos mais impactantes de todo o roteiro quando os dois atores responsáveis pelo tour, encostados diante das grades dessa igreja, entoam canções para ilustrar os históricos conflitos religiosos na ilha.

O tour literário passa também pela St. Andrews Church, em Dublin (foto: Eduardo Vessoni)
O tour literário passa também pela St. Andrews Church, em Dublin (foto: Eduardo Vessoni)

Quando os guias envolvem transeuntes desavisados que passam por trás do grupo atento de turistas, o tour deixa de ser um evento privado e a cidade inteira parece se silenciar para acompanhar trechos de canções como o hino protestante Throw Out the Life-Line, gravado por Ella Fitzgerald; e a rebelde A Nation Once Again, canção da primeira metade do século 19 usada como protesto a favor da independência da Irlanda.

Os pubs tiveram um papel importante durante a Guerra da Independência, uma vez que serviam para reuniões de estratégia, armazenamento de armas e local de esconderijo”, explica o ator Colm Quilligan, criador do Literary Pub Crawl e autor do livro homônimo que conta a história dos pubs da cidade e seus clientes literários.

⇒ TRINITY COLLEGE

A rota etílica irlandesa segue por outros endereços clássicos de Dublin como a Trinity College, universidade da capital da Irlanda que teve entre seus alunos Samuel Beckett, Oscar Wilde e Bram Stoker, o autor da novela gótica “Drácula”.

Long Room (foto: Trinity College Dublin / Gillian Whelen)
Long Room (foto: Trinity College Dublin / Gillian Whelen)

E, entre viajantes paralisados e colunas clássicas que sustentam essa instituição de 1592, os atores fecham a parada seguinte com o poema “Nocturne” da escritora Eavan Boland, em uma espécie de anúncio à noite que se seguirá nos bares seguintes.


SOBRE OS PUBS IRLANDESES
Historicamente, esses estabelecimentos funcionavam como o centro da vida local, “um santuário, um lugar de fuga da vida agitada”, afirma o ator Colm Quilligan.
E talvez essa seja a explicação para que Dublin ficasse conhecida como a única cidade do mundo a ter abrigado três escritores ganhadores do Nobel de literatura: W.B. Yeats (1923), Bernard Shaw (1925) e Samuel Beckett (1969).
Assim como os cafés de Paris e os botecos cariocas, os pubs são como uma instituição da Irlanda. Aliás dizem até que o local irlandês não é uma pessoa, é um pub.
Clássicos, moderninhos, tranquilos e ruidosos.
Tem pub para todo estilo de apreciador.
As únicas características que não mudam é a variedade de cervejas servidas, seu ambiente informal e as constantes apresentações de música irlandesa tradicional, conhecida também como trad.
 Temple Bar, uma das regiões de pubs mais populares de Dublin (foto: Eduardo Vessoni)

Temple Bar, uma das regiões de pubs mais populares de Dublin (foto: Eduardo Vessoni)

A palavra pub tem origem no termo public house, antigos estabelecimentos públicos voltados para o consumo de bebidas alcoólicas em países de origem britânica como a Austrália, Nova Zelândia e África do Sul (aliás esse último incorporou à sua cultura o termo shebeen, palavra irlandesa para se referir aos bares que vendiam bebidas alcoólicas sem licença e que, na África do Sul, era usada para os bares da periferia onde negros se reuniam durante o período do apartheid).
Segundo o ator e escritor Colm Quilligan, para quem o melhor pub é aquele com música baixa, sem TV e onde as conversas podem ser ouvidas, “o pub é um lugar para momentos solitários”.
Em seu livro Dublin Literary Pub Crawl, o ator Colm relembra uma frase célebre do poeta irlandês Brendan Behan ao ser questionado sobre suas idas frequentes a esse tipo de estabelecimento:

“Eu sou um pobre coitado solitário”.

Assim como afirma o próprio Quilligan: “Você pode tirar um escritor de Dublin, mas você não pode tirar Dublin de um escritor”.
Que o digam os viajantes etílicos que bebem daquela fonte.


SERVIÇO
Tour literário em Dublin
QUANDO: 
Entre abril e outubro, as saídas são diárias e nos meses de inverno (de novembro a março), de quinta a domingo, sempre às 19h30.
ONDE: O ponto de encontro é no segundo andar do The Duke Pub (9, Duke Street, na região de “Dublin 2”)
QUANTO: O passeio custa €13 por pessoa e dura, aproximadamente, três horas
www.dublinpubcrawl.com 

SAIBA MAIS
Site oficial do turismo de Dublin
www.visitdublin.com
Site oficial do turismo da Irlanda
www.ireland.com

 

 * Viagem feita com o apoio do Tourism Ireland

 

1 Trackback / Pingback

  1. 10 viagens literárias para fazer no mundo - Literatura Policial

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*