Confira curiosidades sobre o Festival de Jazz de Montreux

Desde os velhos tempos da Bossa Nova, a variedade musical produzida no Brasil é conhecida do público do mundo inteiro e, como não poderia ser diferente, já deu as caras em palcos estrangeiros como os do cobiçado Montreux Jazz Festival, cuja edição 2015 começou no último dia 3 de julho, na Suíça.

Mas em 1997, quando o axé já dava sinais de cansaço, a produção daquele respeitado festival anual de música errou feio ao colocar no line-up daquele ano a banda É o Tchan.

Realizado no Stravinski Auditorium, o palco principal onde acontecem os shows mais concorridos do evento, Beto Jamaica, Compadre Washington, Edson Jacaré e Carla Perez cantaram e dançaram, durante (longos) 67 minutos. No repertório surreal, hits como Dança Do Bumbum, É O Tchan, Loirinha e Funk Lata.

LEIA TAMBÉM:
“O lado B de Montreux”

Conheça outras curiosidades do festival

→ Nem só com som de gosto duvidoso o Brasil marcou presença em um dos eventos musicais mais importantes do mundo. Em 1979, Elis Regina paralisou a plateia com sucessos como Baixa Do Sapateiro, Águas de Março, Madalena e Upa, Neguinho.

→ Outros brasileiros também passaram pelos palcos do Montreux Jazz Festival como Tom Jobim, acompanhado dos vocais de Danilo Caymmi e Paula Morelenbaum (1985); Gal Costa, em cinco anos diferentes (entre 1980 e 2013); Maria Bethânia, acompanhada por Gilberto Gil, Milton Nascimento e Zizi Possi, em três momentos diferentes; Marisa Monte (1990 e 1998); e Daniela Mercury (entre 1994 e 2005).

Daniela Mercury, durante apresentação no Monbtreux Jazz Festival, na Suíça (foto: FFJM/Lionel Flusin)
Daniela Mercury, durante apresentação no Monbtreux Jazz Festival, na Suíça (foto: FFJM/Lionel Flusin)

→ O brasileiro que mais bateu ponto em apresentações em Montreux foi o baiano Gilberto Gil que, entre 1978 e 2012, se apresentou 12 vezes. Em 2015, Gil volta ao festival para se apresentar ao lado de Caetano Veloso e Maria Gadú. SAIBA MAIS

→ Entre os artistas internacionais, o festival já recebeu nomes como Aretha Franklin, Nina Simone, Miles Davis, Ray Charles, Marvin Gaye, Prince, David Bowie e Stevie Wonder.

→ Fundado em 1967 por Claude Nobs, morto em 2013, em um acidente de esqui, o Montreux Jazz Festival recebe, durante duas semanas, cerca de 250 mil visitantes que se espalham pelos diversos palcos fechados e ao ar livre.

→ A primeira edição, no Montreux Casino, durou apenas 3 dias e contou com shows de 15 bandas. O ano de 1977 ficou marcado pela edição com 24 dias de duração.

→ Desde o início, todos os áudios dos shows foram registrados e as gravações foram declaradas pela UNESCO, em 2003, como Memória do Mundo. Considerado a maior coleção de gravações de shows, o acervo abriga mais de 5 mil horas de música.

→ Como qualquer festival do porte de Montreux, os preços também costumam ser estratosféricos. Na edição de 2014, que o Viagem em Pauta teve a honra de acompanhar, a apresentação de Stevie Wonder custava entre R$ 458 e R$ 1.115. E todos os ingressos estavam esgotados, dias antes.

SAIBA MAIS

Claude Nobs, fundador do Montreux Jazz Festival (foto: FFJM/Charly Rappo)
Claude Nobs, fundador do Montreux Jazz Festival (foto: FFJM/Charly Rappo)

→ Desde a primeira edição do festival, o fundador Claude Nobs fazia questão de levar música para todos. Por isso, diversos espaços desse evento que acontece às margens do Lago Genebra contam com apresentações gratuitas como as do Music in the Park, palco ao ar livre do Parc Vernex que recebe shows de jazz tradicionais; e o espaço Rock Cave com shows a partir das 9h30 da noite. Em 2015, esse espaço recebe os brasileiros do grupo Canto Cego, da Favela da Maré, no Rio de Janeiro.

→ Em 1971, o Casino Montreux, o endereço inicial do festival sofreu um incêndio durante um show de Frank Zappa & The Mothers of Invention.
Inspirados pelo acontecimento, os músicos do Deep Purple, que faziam uma gravação na cidade, escreveram a letra da música Smoke on the water, um dos ícones da banda.

→ A cidade de Montreux respira música não só em dias de festival, mas também durante todo o ano. No Tralala, hotel boutique do centro histórico de Montreux, os quartos são decorados com fotos de artistas que já passaram pelo festival. Eis a oportunidade de dormir com Aretha Franklin, David Bowie e Santana. SAIBA MAIS

Tralala, hotel boutique de Montreux (foto: Divulgação)
Tralala, hotel boutique de Montreux (foto: Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Caetano, Gil e Maria Gadú são atrações do Festival de Jazz de Montreux”

SAIBA MAIS
49º Montreux Jazz Festival
De 3 a 18 de julho, em Montreux, na Suíça
www.montreuxjazzfestival.com

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*