Museu de Belém, no Pará, tem acervo dedicado ao Círio de Nazaré

Ainda de madrugada, os primeiros promesseiros vão chegando ao redor da corda e da berlinda, como é chamado o andor que transporta a imagem de Nossa Senhora de Nazaré; romeiros esperançosos amarram pedidos em fitinhas coloridas, no portão da Basílica; e, ao longo do dia, a capital do Pará vê fiéis se arrastarem, sem pressa, pelas ruas da cidade.
Declarada Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial pelo Iphan, a romaria do Círio de Nazaré acontece, anualmente, em Belém, em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré, padroeira do Pará.
Juntar-se ao cordão humano de 2 milhões de pessoas que se encontram, no segundo domingo de outubro, não é tarefa para os fracos, mas a cidade abriga, durante o resto do ano, um pequeno museu dedicado a essa que é considerada uma das maiores romarias do mundo (uma espécie de “pororoca humana”, como definiu o escritor paraibano Eidorfe Moreira).

Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Eduardo Vessoni)

A Rainha da Amazônia, como é conhecida essa figura religiosa, é homenageada com uma exposição permanente que conta a história da fé e devoção desse evento que acontece, há mais de 220 anos.
O acervo discreto é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, fotografias, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos com pedidos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos e uma coleção de mantos originais utilizados pela Imagem Peregrina.
Fotos e objetos para promessas fazem parte do acerbo do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Eduardo Vessoni)
Fotos e objetos para promessas fazem parte do acervo do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Eduardo Vessoni)

Um dos destaques desse colorido espaço de exposição com curadoria da historiadora Rosa Arraes é a Bicicleta da Fé, veículo utilizado por um pagador de promessas que rodou 15 estados brasileiros sobre duas rodas para pagar uma promessa à Nossa Senhora Nazaré.
Outro local que pode também pode ser visitado é a Estação dos Carros, galpão onde são construídos e reformados os carros que acompanham o Círio como a berlinda que carrega a imagem principal do evento e os carros dos Anjos, onde vão crianças fantasiadas, chamadas de promessa viva.
Sobre o Círio de Nazaré
Considerado uma das maiores procissões católicas do Brasil e do mundo, o Círio de Nazaré acontece em Belém, no segundo domingo de outubro.
Diz a crença que a peregrinação começou no século 18, quando Plácido José de Souza teria encontrado uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré, às margens do igarapé Murutucú, onde se encontra, atualmente, a Basílica Santuário de Nazaré.
E a cada vez que o caboclo levava o achado para a sua casa, a imagem voltava para o local de origem.
(foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
Romaria do Círio de Nazaré (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)

No local do achado, Plácido construiu uma pequena capela e, em 1793, aconteceria o primeiro Círio.
Tradicionalmente, a imagem sai da Catedral de Belém e segue até a Basílica Santuário de Nazaré, uma emocionante romaria que já chegou a durar 9 horas.
Na noite do sábado anterior ao Círio, considerado uma espécie de Natal fora de época dos paraenses, acontece a trasladação, no sentido contrário (Basílica Nossa Senhora de Nazaré – Catedral da Sé).
E se a fé ainda não move montanhas, pelo menos arrasta milhões de romeiros, na capital do Pará.

VEJA FOTOS

  • (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
    O Círio de Nazaré acontece em Belém, no Pará, no segundo domingo de outubro (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)

  • O Círio de Nazaré acontece em Belém, no Pará, no segundo domingo de outubro (foto: Círio de Nazaré/Divulgação) (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
    O Círio de Nazaré acontece em Belém, no Pará, no segundo domingo de outubro (foto: Círio de Nazaré/Divulgação) (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)

  • Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
    Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)

  • Fotos e objetos para promessas fazem parte do acerbo do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Eduardo Vessoni)
    Fotos e objetos para promessas fazem parte do acervo do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Eduardo Vessoni)

  • Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)
    Vista do interior do museu Memória de Nazaré, em Belém, capital do Pará (foto: Círio de Nazaré/Divulgação)

  • Um dos destaques desse colorido espaço de exposição com curadoria da historiadora Rosa Arraes é a Bicicleta da Fé, veículo utilizado por um pagador de promessas que rodou 15 estados brasileiros sobre duas rodas para pagar uma promessa à Nossa Senhora Nazaré.
    Um dos destaques desse colorido espaço de exposição com curadoria da historiadora Rosa Arraes é a Bicicleta da Fé, veículo utilizado por um pagador de promessas que rodou 15 estados brasileiros sobre duas rodas para pagar uma promessa à Nossa Senhora Nazaré (foto: Eduardo Vessoni)

  • O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos e uma coleção de mantos originais utilizados pela Imagem Peregrina, a cada ano (foto: Eduardo Vessoni)
    O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos e uma coleção de mantos originais utilizados pela Imagem Peregrina (foto: Eduardo Vessoni)

  • O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos e uma coleção de mantos originais utilizados pela Imagem Peregrina, a cada ano (foto: Eduardo Vessoni)
    O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos (foto: Eduardo Vessoni)

  • Vista do interior da Estação dos Carros, galpão onde são construídos e reformados os carros e adereços do Círio como a berlinda que carrega a imagem de Nossa Senhora de Nazaré (foto: Eduardo Vessoni)
    Vista do interior da Estação dos Carros, galpão onde são construídos e reformados os carros e adereços do Círio como a berlinda que carrega a imagem de Nossa Senhora de Nazaré (foto: Eduardo Vessoni)

  • O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos e uma coleção de mantos originais utilizados pela Imagem Peregrina, a cada ano (foto: Eduardo Vessoni)
    O acervo discreto do Memória de Nazaré é formado por cartazes de edições anteriores da romaria, imagens, promessas de devotos como as tradicionais casinhas e barcos, e outros ícones da procissão como a corda do Círio, peças que imitam partes do corpo de romeiros que tiveram pedidos atendidos (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “Turismo religioso é destaque do Nordeste”
SAIBA MAIS
Memória de Nazaré
ONDE: Praça Justo Chermont, s/n (ao lado da Casa de Plácido)
QUANDO: De segunda à sexta, das 9h às 12h e das 14h às 18h; sábado, das 8h às 12h.
QUANTO: R$ 2
www.ciriodenazare.com.br
Site oficial do turismo do Pará
www.paraturismo.pa.gov.br

(* O Viagem em Pauta viajou a Belém com o apoio da Secretaria de Estado de Turismo do Pará)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*