Como serão as viagens na próxima década

Falta pouco para o início da próxima década, mas nem parece que estamos nos anos 2020.

Continuamos assistindo à evolução dos nossos desejos e necessidades de viagem. Por outro lado, ainda estamos longe de uma mudança significativa nos hábitos (que o diga o desmonte acelerado da Amazônia, queimadas sem fim em áreas preservadas e uma mancha de óleo que segue avançando pelo litoral brasileiro).

O mundo, assim como os próprios viajantes, não para.

São Paulo (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “5 lugares isolados do mundo para pessoas decepcionadas com o ser humano”

Neste post, publicamos as previsões do site Booking.com para 2020, um ano inédito para o setor de viagens. E não é só a tecnologia que fará parte dessa mudança.

Os turistas também vão experimentar um crescente sentimento de responsabilidade e conexão com os destinos visitados e as pessoas que vivem ali.

Com base em uma pesquisa realizada com mais de 22 mil viajantes de 29 mercados, incluindo o Brasil, e em mais de 195 milhões de avaliações de hóspedes verificadas, o site listou as tendências de viagens que podemos esperar para os próximos anos.

VEJA TAMBÉM: “Confira destinos nacionais que os brasileiros ainda não conhecem”

→ VÁ COM CALMA

Praia do Farol, em Galinhos (foto: Eduardo Vessoni)

O medo de estar perdendo alguma coisa (Fear of Missing Out, FOMO, em inglês) ou tentar fazer o máximo no menor tempo possível, ficará para trás.

Em 2020, mais da metade dos turistas do Brasil (56%) planeja utilizar meios de transporte mais lentos para reduzir o impacto do seu deslocamento no meio ambiente.

LEIA TAMBÉM: “Praias isoladas do litoral sul da Bahia se exibem em viagem de bicicleta”

72% dos entrevistados também dizem que preferem fazer um caminho mais longo para curtir melhor a experiência de locomoção.

Por isso, haverá procura por meios de transporte que atendam a um ritmo mais tranquilo: bicicletas, bondinhos, trenós, barcos e também passeios a pé. Inclusive, 62% desses viajantes não se importam em enfrentar um tempo maior de deslocamento até o destino se tiverem a opção de usar um meio de transporte especial.

Venice Simplon-Orient-Express, em Paris (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS: “Saiba como é viajar de Veneza a Paris, a bordo do Orient-Express”

→ DESTINOS ALTERNATIVOS

Será a época da busca por lugares menos conhecidos para tentar reduzir o excesso de turistas e assim proteger o meio ambiente.

Mais da metade dos viajantes brasileiros (51%) querem contribuir para reduzir o turismo excessivo. Inclusive, 53% deles estariam dispostos a mudar o destino escolhido por uma alternativa parecida, mas menos conhecida, se soubessem que isso resultaria em um menor impacto ambiental.

Amanhecer nas Dunas do Rosado, em Porto do Mangue, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

Além disso, para terem inspiração, quase 3 em cada 4 brasileiros (74%) gostariam de ter acesso a um serviço (seja um app ou website) que recomendasse destinos onde o aumento do turismo poderia impactar a comunidade local de forma positiva.

LEIA TAMBÉM: “Confira destinos nacionais que os brasileiros ainda não conhecem”

MELHOR IDADE NA ESTRADA

Ruta 40, na Argentina (foto: Eduardo Vessoni)

Pouco mais de um quarto (27%) dos entrevistados entre 18 e 25 anos diz que espera se aposentar antes de chegar aos 55. O que eles planejam fazer quando chegarem lá também está mudando.

Mais de três quartos (77%) dos viajantes brasileiros dizem que viajar será a melhor forma de aproveitar o tempo livre que terão com a aposentadoria.

Quase dois terços (65%) pretendem se aventurar mais em suas escolhas de viagem quando se aposentar e 29% daqueles que já se aposentaram estão planejando um ano sabático — reservando tempo para viajar por meses sem interrupções.

LEIA TAMBÉM: “1ª volta ao mundo completa 500 anos”

TUDO POR UMA MESA

Ogyen Shak na cozinha do Espaço Tibet, considerado o primeiro restaurante tibetano do Brasil (foto: Eduardo Vessoni)

No próximo ano, o estômago deve falar mais alto na hora de decidir pelo destino de viagem. E com as redes sociais deixando todo mundo com água na boca, não será só em lugares famosos em que os viajantes tentarão conseguir uma mesa.

Tesouros escondidos são os que mais vão atrair viajantes em busca de experiências gastronômicas. Afinal, quase 4 em cada 5 brasileiros dizem que consumir alimentos produzidos localmente é importante quando estão viajando.

LEIA TAMBÉM:

“1º restaurante tibetano no Brasil tem pratos orientais e histórias de superação”
“Conheça a história por trás de pratos típicos ao redor do mundo”

→ DESTINOS COM TECNOLOGIA

Em 2020, a tecnologia terá um papel ainda mais importante quando o assunto é a tomada de decisão por parte dos viajantes.

Por isso, no próximo ano, é esperado que mais recursos tecnológicos ajudem os viajantes a tomarem esse tipo de decisão. Recomendações inteligentes e confiáveis vão nos conectar com experiências que, de outro modo, talvez nunca chegassem a nosso conhecimento.

Hong Kong vista do The Peak, uma das 30 melhores cidades do mundo para conhecer, segundo votação da revista Condé Nast Traveler (foto: Eduardo Vessoni)

É uma ótima notícia para 7 em cada 10 brasileiros entrevistados, que dizem esperar da tecnologia sugestões de viagem que sejam surpreendentes e que as apresentem a experiências totalmente novas no próximo ano.

Além disso, 59% dizem que usarão um app que facilite e deixe sua viagem mais prática — seja antes da partida, seja para reservar atividades quando já estiver na estrada. Um número parecido (55%) pretende usar um app que possibilite o planejamento de atividades com antecedência, para encontrar tudo o que precisa em um só lugar.

Para atender a essa demanda, veremos em 2020 o surgimento de ainda mais produtos tecnológicos que, por meio da inteligência artificial, serão capazes de oferecer a seus usuários sugestões personalizadas de destinos, opções de hospedagem e atividades. Tal seleção terá como base as preferências atuais do viajante, os dados de seus passeios anteriores e fatores-chave, como clima e popularidade.

LEIA TAMBÉM: “Cinco experiências marcantes em Hong Kong”

→ DIFERENTES GERAÇÕES, UM MESMO DESTINO

foto: Eduardo Vessoni

2020 será o ano de encontro de gerações e cada vez mais avós farão suas viagens acompanhados pelos netos, deixando os filhos para trás.

Oito em cada 10 dos avós concordam que se sentem rejuvenescidos ao passar tempo com os netos. Além disso, 70% deles acreditam que os pais precisam, de vez em quando, tirar uma folga dos filhos.

Com isso, haverá um aumento de viagens que ofereçam atividades que atendam aos interesses tanto de avós quanto de netos.

Vista do mirante da Pedra Bela Vista, em Socorro (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “Socorro, a 140 km de SP, tem turismo rural, de aventura e polo de compras”

→ PETS EM 1º LUGAR

foto: Turismo 4 Patas/Divulgação

Segundo pesquisa da Booking.com, quase dois terços dos brasileiros (65%) que têm um animal de estimação dizem que seu pet é tão importante quanto um filho — o número é 10 pontos acima da média global (55%).

Assim, não surpreende que, em 2020, será aberta uma nova era de férias com foco nos pets. Ao escolher para onde ir, onde ficar e o que fazer, os viajantes colocarão as necessidades de seus bichinhos em primeiro lugar.

SAIBA MAS: “Dicas para quem vai viajar com o pet”

→ VIAGEM COMPLETA

Viver em um mundo acelerado significa não ter tempo para desperdiçar — e essa sensação não desaparece nas férias. Assim, os viajantes querem aproveitar seu tempo livre da maneira mais eficiente possível.

Em 2020, em vez de escolherem apenas um tema para todas as suas férias, os turistas devem buscar experiências mais amplas, em destinos que ofereçam um grande leque de atrações.

Viagem em Pauta na Antártica, em 2013 (foto: Eduardo Vessoni)

VEJA TAMBÉM: “Antártica ou Ártico? Conheça as diferenças e viaje para os extremos do planeta”

Mais de metade dos brasileiros (58%) dizem que querem fazer uma longa viagem a apenas um destino em que lugares para ver e suas atividades favoritas estejam próximos.

Além disso, 64% dizem que escolheriam um destino com essas características para economizar no tempo de deslocamento. A indústria deve reconhecer essa preferência e, em resposta, tentará oferecer aos viajantes uma curadoria de itinerários cheios de opções, além de ofertas e sugestões de rotas, para que eles possam aproveitar ao máximo os seus destinos de viagem.

Lagoa Azul, na Islândia (foto: Blue Lagoon/Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Muito além da Björk: o que fazer na Islândia”

* fonte: booking.com

* Esse post não tem nenhum vínculo comercial ou editorial com a empresa

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*