Conheça a temida Passagem de Drake, local de desaparecimento do avião militar chileno

Por terra ou pelo ar, o encontro das águas dos oceanos Pacífico e Atlântico é um lugar de surpresas (nem sempre com final feliz).

Localizado entre o extremo sul da América do Sul e a Antártica, o Drake é um agitado corredor oceânico, considerado a zona marítima com as piores condições de navegação do planeta.

Foi ali que um navio da Marinha brasileira encontrou, nesta quarta-feira, destroços do que pode ser pistas da aeronave da Força Aérea do Chile, desaparecida desde o último dia 9 de dezembro.

LEIA TAMBÉM: “Antártica ou Ártico? Conheça as diferenças e viaje para os extremos do planeta”

Cruzando o Drake, rumo à Antártica (foto: Eduardo Vessoni)

O Hércules C-130 que saiu de Punta Arenas com 38 pessoas a bordo, entre tripulantes e passageiros, seguia em direção à Base Aérea Presidente Eduardo Frei, na Antártica. O contato foi perdido pouco mais de uma hora depois da decolagem.

Só quem quem já sentiu na pele o mau humor da Passagem de Drake, a rota mais curta até a Antártica, sabe por que a região é tão temida por navegadores (e pilotos de avião).

SAIBA MAIS: “Saiba como é uma viagem turística a Antártica, a mil km da Terra do Fogo”

Pelo mar, por exemplo, são quase três dias de navegação sem avistar um único pedaço de terra, na zona marítima com as piores condições em todo o mundo: águas profundas, ondas com mais de dez metros de altura e mudanças climáticas repentinas.

LEIA TAMBÉM: “Crônica: Pole dance a 45° de inclinação, em pleno alto-mar”

Aviso de happy hour, durante travessia da Passagem de Drake (foto: Eduardo Vessoni)

Embora Fernão de Magalhães seja o primeiro homem a comandar uma expedição no extremo sul do continente, em 1520, Francis Drake foi além, chegando ao Cabo Horn, onde se orgulhou de ser, naquele momento, o homem a chegar mais ao sul do planeta.

SAIBA MAIS: “1ª volta ao mundo completa 500 anos”

Em 1578, Drake acabava de avistar o imenso mar agitado que forma o corredor oceânico que liga a América do Sul à Antártica, a temida Passagem de Drake.

No entanto, uma das histórias mais emocionantes na região foi protagonizada por Ernest Shackleton que, em abril de 1916, saiu com outros seis homens em um bote de sete metros de comprimento para pedir socorro na Geórgia do Sul, após quase dois anos perdidos em uma tentativa frustrada de cruzar a Antártica a pé.

Endurance na Antártica (Domínio Público/Flickr)

SAIBA MAIS: “O resgate na Antártica que demorou dois anos”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*