Praias de rios são alternativas neste verão

Ilha dos Namorados, próximo a Aracaju (foto: Eduardo Vessoni)

A

gente não tem dúvida de que faixas de areia com mar verdinho são a preferência dos viajantes brasucas. Mas a crise que bate na porta, desde 2015, e a recente invasão de óleo no litoral brasileiro têm obrigado o viajante nacional a repensar seus destinos.

E como o verão no Brasil não se faz apenas com água salgada, o Viagem em Pauta listou alguns endereços com águas cristalinas que valem a visita neste verão. Entre o Sul do Brasil e o Norte amazônico não faltam opções de faixas de areia que surgem com a vazão de rios, como endereços em Florianópolis (SC) e Santarém (PA).

LEIA TAMBÉM: “Conheça as praias brasileiras com selo Bandeira Azul”

VEJA STORIES

NORDESTE

Nossas dicas são em Aracaju (SE), cuja Orla do Pôr do Sol, na Praia do Mosqueiro, é ponto de partida para belas praias de rio, na Croa do Goré e na Ilha dos Namorados. SAIBA MAIS

Outro destaque nordestino é Galinhos, uma península a 170 quilômetros ao norte de Natal, no Rio Grande do Norte. Entre o mar e o rio Aratuá, esse destino da Costa Branca faz turismo ao ritmo do vento, em canais estreitos de mangue, praias de rio e dunas de areia.

Galinhos, península a 170 quilômetros ao norte de Natal, no Rio Grande do Norte (foto: Pousada Peixe Galo/Divulgação)

SAIBA MAIS: “Galinhos: o Rio Grande do Norte que passa devagar”

Nosso roteiro por praias de águas doces do Nordeste termina na Chapada das Mesas, no Maranhão, conhecida como o ‘Paraíso das Águas’, onde ficam 89 cachoeiras oficiais (13 delas só no interior do Parque Nacional da Chapada das Mesas), 22 rios perenes e mais de 400 nascentes. VEJA VÍDEOS

CENTRO-OESTE

Por ali, tem rio de água, naturalmente, quente; trilhas que terminam em piscinas naturais de borda infinita; praias às margens de rios; e cachoeiras que caem em boca de caverna.

Um dos destinos do Centro-Oeste é Goiás, onde a água é protagonista, em destinos para famílias, aventureiros e viajantes radicais. SAIBA MAIS

Balneário Municipal de Bonito, no Mato Grosso do Sul (foto: Eduardo Vessoni)

Com águas que entraram para as listas mundiais de transparência, devido à alta concentração de calcário que serve como filtro natural, os rios de Bonito, no Mato Grosso do Sul, são conhecidos pelas flutuações. Mas é na beira do rio de águas claras que ficam as opções mais econômicas de Bonito, onde é possível passar o dia com um único ingresso, como a Praia da Figueira e o recém reformado Balneário Municipal.

LEIA MAIS: “Bonito: dicas no paraíso do ecoturismo no Brasil”

SUL

Nossa aposta no litoral sul brasileiro é Florianópolis (SC), conhecida por praias de águas doces no litoral leste da ilha, como o Canal da Lagoa, que corre para o mar e tem áreas para prática de esportes, e o Terminal Lacustre do Rio Vermelho, com acesso à Costa da Lagoa e à Praia do Moçambique por uma trilha curta de 500 metros.

Terminal Lacustre do Rio Vermelho (foto: Eduardo Vessoni)

No litoral sul de Florianópolis, a 24 km do centro, fica a Lagoa do Peri, próximo à Armação e ao Morro das Pedras. Com um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica, esse espelho d’água é uma boa alternativa para quem vai com crianças.

SAIBA MAIS: “Para cada estilo de banhista, uma praia diferente em Florianópolis”

NORTE

No oeste do Pará, o melhor do turismo tem data certa para começar. De julho a dezembro, durante o verão amazônico, a vazão das águas dos rios revela praias fluviais na região de Santarém, a 1h20 de avião de Belém.

A mais popular delas é a Ilha do Amor, um banco de areia que se forma bem em frente à orla de Alter do Chão, distrito a pouco mais de 30 km de Santarém. SAIBA MAIS

Ilha do Amor, em Alter de Chão, em Santarém, no Pará (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “O que fazer em Santarém e Alter do Chão”

No Amazonas, o destaque é a Praia do Tupé, a a 34 km de Manaus e com acesso exclusivo por barco. O local é procurado por moradores locais, nos finais de semana e sua extensão pode variar de 20 a 80 metros, de acordo com a vazante do Rio Negro. A melhor época vai de agosto a março.

Praia do Tupé (foto: Eduardo Vessoni)

VEJA TAMBÉM: “1ª vez na Amazônia: Belém ou Manaus?”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*