Experiências inusitadas do Nordeste para quem quer fugir da muvuca

Viajar pela região mais cobiçada do litoral brasileiro não significa ir onde vai todo mundo, nem encarar praias lotadas ou atrações massificadas.

Embora seja um dos destinos mais procurados do Brasil, o Nordeste ainda esconde endereços onde a gente tem a sensação de ser o primeiro a chegar, seja a pé, de bicicleta ou de barco.

Nos roteiros abaixo, você viaja por mangues de águas claras, faz caminhadas em praias desertas, se balança em um pêndulo entre dois estados e conhece até um castelo surrealista em pleno agreste.

LEIA TAMBÉM: “Fernando de Noronha para mãos de vaca: dicas para economizar”

CONFIRA ATRAÇÕES

⇒ Um dos últimos litorais intactos da Bahia

Final de tarde em Cumuruxatiba, no extremo sul da Bahia (foto: Eduardo Vessoni)

Localizado a 210 km de Porto Seguro, no extremo sul do estado, Cumuruxatiba é a Bahia parece que ainda não foi descoberta.

Ideal para famílias e considerado um dos últimos litorais intactos do estado, esse distrito de Prado tem águas mansas, piscinas naturais bem perto da praia e uma alta temporada curta que costuma ir de dezembro a janeiro. VEJA VÍDEO

SAIBA MAIS: “Cumuruxatiba é um dos últimos litorais intactos da Bahia”

⇒ De bike entre Trancoso e Praia do Espelho
(Bahia)

Itaquena, uma das praias isoladas, entre Trancoso e a Praia do Espelho (foto: Eduardo Vessoni)

Esse roteiro de pouco mais que 20 km, no litoral sul baiano, começa em praias mais urbanas e segue por áreas isoladas até a Praia do Espelho, considerada uma das mais bonitas do Brasil.

Conforme se avança rumo ao sul, praias sem acesso para carros e piscinas naturais só para você vão surgindo, como Itapororoca e Itaquena.

SAIBA MAIS: “Praias isoladas do litoral sul da Bahia se exibem em viagem de bicicleta”

⇒ De bugue entre Sergipe e Bahia

Vista da dupla de coqueiros Romeu e Julieta, em Mangue Seco, no extremo norte do litoral baiano (foto: Eduardo Vessoni)

No litoral sul do Sergipe, no limite com o extremo norte da Bahia, o estado tem uma de suas faixas de areia mais belas: a Praia do Saco.

O destino é conhecido pelos passeios de bugue, entre praias e dunas; e pela cenográfica Ilha da Sogra, um banco de areia temporário com um quilômetro de extensão, entre o rio e o mar.

A viagem pode ser combinada com uma visita à vizinha Mangue Seco, já em território baiano. VEJA VÍDEO

SAIBA MAIS: “Mangue Seco e Praia do Saco são destinos paradisíacos, entre Bahia e Sergipe”

Trilha no mangue
(Paraíba)

Trilha do Caranguejo Uçá, em Barra do Camaratuba (foto: Eduardo Vessoni)

Considerado um dos trechos mais selvagens da Paraíba, Barra do Camaratuba fica no extremo norte do estado e é endereço da Trilha do Caranguejo Uçá, uma caminhada que começa em águas rasas de manguezal, segue a correnteza do rio e termina na foz do Camaratuba.

Tudo isso sobre boias macarrão que auxiliam em áreas mais profundas. Dali para frente o esforço é mínimo e quem dita o ritmo é a correnteza daquelas águas calmas. VEJA VÍDEO

LEIA TAMBÉM: “Praias imperdíveis da Paraíba”

Pêndulo humano
(Paraíba)

Pêndulo na Pedra da Boca, entre a Paraíba e o Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

No Parque Estadual da Pedra da Boca, no limite com o Rio Grande do Norte, a Paraíba surpreende com essa atividade, combinada com uma trilha íngreme de 600 metros e um rapel.

O visitante aventureiro é içado por um sistema com quatro pontos de ancoragem que o lança por uma corda com 30 metros de comprimento. VEJA VÍDEO

CONFIRA DETALHES: “Pêndulo humano é destaque radical no Nordeste, entre RN e PB”

⇒ Turismo no ritmo do vento
(Rio Grande do Norte)

Kitesurfe em Galinhos (foto: Eduardo Vessoni)

A 170 quilômetros de Natal, Galinhos segue fazendo turismo no ritmo do vento, em dunas de areia, canais de manguezais e em praias de águas doces.

Quem visita essa cidade discreta de apenas de 2.700 habitantes conta com praias isoladas, passeios de bugue, navegação em mangues e até aulas de esportes náuticos, que seguem no ritmo dos ventos fortes da região que dão velocidade a atividades como kitesurfe e Stand Up Paddle. VEJA VÍDEO

SAIBA MAIS: “Galinhos: o Rio Grande do Norte que passa devagar”

Castelo surrealista em pleno agreste
(Rio Grande do Norte)

Castelo Zé dos Montes, na Serra do Tapuia, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

Não concluída, essa obra de contornos surrealistas fica no município de Sítio Novo, a 100 km de Natal.

Tudo começou quando José Antônio Barreto teve uma visão, ainda criança, em que uma senhora lhe pedia para construir sete igrejas, em locais diferentes. Desde que aquela imagem apareceu, em 1941, foram outras 12 aparições até que, já adulto, Barreto encontrou o lugar para a construção da sua igreja/castelo. VEJA VÍDEO

SAIBA MAIS: “Interior do Rio Grande do Norte tem castelo inusitado, em meio ao agreste”

⇒ Cachoeira do Santuário
(Maranhão)

Cachoeira do Santuário, na Chapada das Mesas (foto: Adilson Zavarize/ Divulgação)

É como ter uma experiência sagrada, daquelas que acontecem em rincões isolados do país, onde poucos ousaram chegar. Cachoeiras lapidam pedras escuras, dentro de um corredor que fica em um cânion, por onde passa um rio que só se tem acesso com água na altura da cintura.

Localizada na Chapada das Mesas, na região sul do Maranhão, a Cachoeira do Santuário é uma queda de águas invocadas que formam um poço de até três metros de profundidade, dentro de um cânion. VEJA VÍDEO

SAIBA MAIS: “O que fazer na Chapada das Mesas, destino ainda desconhecido do Maranhão”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*