Macau, a vizinha da China que afastou o coronavírus e tem apenas 44 casos

* Até o dia 8 de abril, eram 45 casos confirmados em Macau. Segundo o Hoje Macau, até o dia 16 de abril a cidade estava há setes dias sem registro de novos casos de Covid-19. (Atualizado em 16/4/20, às 9h37)
Macau tinha tudo para dar errado nesses tempos de pandemia.

Próxima da China continental e com uma das maiores densidades demográficas do planeta, essa Região Administrativa Especial conseguiu dar as costas para o coronavírus e mostrou ao mundo que é possível, sim, se proteger de um dos casos de saúde mais devastadores dos últimos anos.

De acordo com a edição do último domingo (5 de abril) do jornal Hoje Macau, a cidade tem até agora 44 infectados desde o registro do primeiro caso de coronavírus em Macau, em 22 de janeiro. O número soa inocente para um território de 650 mil habitantes, acostumado a receber, diariamente, milhares de chineses do continente em busca de seus cassinos, daí seu título de ‘Las Vegas da Ásia’.

Macau, que recebeu quase 40 milhões de turistas em 2019, chegou a ficar 40 dias sem registrar um caso sequer de contaminação

O feito parece milagre. Mas não é.

Vista de Macau (foto: ajhackett.com/Divulgação)

LEIA TAMBÉM: “Macau: a Ásia com legendas em português”

Por email, o Viagem em Pauta conversou com a DST (Direcção dos Serviços de Turismo de Macau), que informou que, desde janeiro, a cidade mantém um Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus “para agilizar a monitorização da situação, a implementação de medidas de contingência e assegurar uma comunicação eficaz com o público”.

Entre as rápidas medidas tomadas pelo governo, estão o fechamento dos cassinos, após o registro do 10º caso, no início de fevereiro. As aulas nas escolas também foram suspensas, mesmo com o retorno das atividades econômicas, em fevereiro.

Embora a venda de máscaras tenha sido racionada em todo o território, o governo garantiu o produto para toda a população, após uma compra de 20 milhões de unidades, de acordo com Jorge Sales Marques, médico dos Serviços de Saúde de Macau, em entrevista para o Hoje Macau.

Marques chegou a afirmar que Macau é um exemplo para toda a Ásia, devido às recomendações cumpridas, impecavelmente, pela população.

Templo de A-Má, em Macau (foto: Eduardo Vessoni)

A DST informou também que o controle do surto na cidade se deve a diversas outras medidas como o “cancelamento e adiamento das celebrações do Ano Novo Chinês”, “fechamento dos recintos públicos de cultura, desporto e lazer, entre 24 de janeiro e 1º de março”, e restrições de entradas na cidade.

“A partir de dois de março, os recintos e serviços públicos começaram a reabrir, mas aplicando várias normas de prevenção. Entretanto, desde as férias do Ano Novo Chinês, que os estudantes em Macau não têm aulas presenciais”, explicou o departamento de promoção turística da cidade.

Largo do Senado, no centro histórico de Macau (foto: Eduardo Vessoni)

Em Macau, a população não está sozinha.

Conforme informou outra publicação local, o jornal Tribuna de Macau, hotéis estão sendo usados como áreas de observação médica. Recentemente, o Sheraton passou a ser o 12º estabelecimento hoteleiro com essa finalidade, em 500 de um total de dois mil quartos.

Além dos investimentos na área da saúde, o governo também anunciou a isenção do aluguel dos espaços do Instituto Cultural até março de 2021, criou um fundo de apoio no valor de 10 bilhões de patacas (cerca de 6,5 bilhões de reais), com o objetivo de proteger, economicamente, a população e empresários locais que “enfrentem dificuldades de sobrevivência ou de exploração dos seus negócios”, segundo o Executivo.

Desde a meia-noite de 25 de março, todos os estrangeiros estão proibidos de entrar em Macau, bem como de residentes da China, Hong Kong e Taiwan que “tenham
estado no estrangeiro nos 14 dias anteriores à entrada” em Macau.

O que é uma Região Administrativa Especial
Assim como Hong Kong, Macau também é uma RAE (Região Administrativa Especial), ou seja, uma divisão administrativa da República Popular da China com certa autonomia, exceto em áreas como defesa nacional e política externa.

VEJA TAMBÉM: “Conheça os 10 países mais visitados, segundo a Organização Mundial de Turismo”

Jogos em risco
Quem sentiu mesmo o efeito da pandemia foram os cassinos da região.

Macau é considerada o maior polo de jogos de azar do planeta e os estabelecimentos locais tiveram uma queda recorde na receita.

As operações nos casinos locais foram suspensas, entre 5 e 19 de fevereiro, assim como “cinemas, bares, salões de beleza, entre outros recintos similares privados”, cuja abertura foi autorizada a partir de 2 de março, seguindo orientações de prevenção.

De acordo com a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), a perda no último mês de fevereiro foi de mais de 87%, em comparação com o ano passado. Macau abriga 41 cassinos (25 deles na Península de Macau e os outros 16, na Ilha da Taipa).

Setor de cassinos de Macau, no sul da China (foto: Eduardo Vessoni)

Em nota, no final do mês passado, a DICJ falou das rígidas ações de fiscalização que foram tomadas, como a medição da temperatura corporal dos clientes na entrada dos casinos, criação de equipes de fiscalização de higiene e limpeza das instalações e máquinas de jogos, que deverão ficar a uma distância maior do que o normal.

“Caso seja verificada a presença nos casinos de qualquer indivíduo que não se encontre com máscara de proteção respiratória, o mesmo terá de abandonar imediatamente o casino, acompanhado por pessoal da segurança do casino”, completou a instituição.

Como é fazer turismo por lá
Antiga colônia portuguesa, Macau se tornou uma Região Administrativa Especial da China, em 1999.

Desde então, é uma curiosa mistura de Ocidente com Oriente, onde a comida chinesa ganha concorrentes como o pastel de nata português, e igrejas católicas dividem o mesmo endereço com templos budistas.

Ruínas de São Paulo, em Macau, no sul da China (foto: Eduardo Vessoni)

O português, assim como o chinês, é a língua oficial, mas, raramente, você conseguirá colocá-lo em prática, exceto com moradores mais antigos e em letreiros de estabelecimentos comerciais, onde lavanderia, por exemplo, é chamada de ‘local de distribuição e recolha das roupas’.

Neste link, você conhece as atrações de Macau.

LEIA TAMBÉM: “Macau: a China para comer com os olhos”

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*