8 motivos para conhecer a Ilha de Páscoa

A Ilha de Páscoa é considerada o território mais distante de qualquer lugar povoado do planeta, em pleno Oceano Pacífico. Isso significa dizer que você estará no meio do nada, a 4.100 km do Taiti e a longos 3.700 km da costa da América do Sul.

O destino, conhecido como Te Pito o Te Henua (‘umbigo do mundo’, em língua rapa nui), pertence ao Chile e surpreende com trilhas em fábrica de moais, mergulhos em águas, exageradamente, azuladas e caminhadas sobre vulcões.

As atrações mais famosas desse território de origem polinésia com mais de três milhões de anos são os moais, as estátuas gigantes feitas em homenagem a chefes de tribos locais.

VEJA TAMBÉM: “Conheça destinos imperdíveis no Chile, que reabre as fronteiras em novembro”

O INÍCIO

A história dos rapa nui teria início com a chegada de um grupo proveniente da Polinésia, liderada pelo rei Hotu Matu´a e com o objetivo de colonizar novas terras, entre os séculos 4 e 8.

Um dos capítulos mais intrigantes de sua história são os moais.

Ahu Tongariki (foto: Ik T/Flickr-Creative Commons)

Primeiro, eram erguidos os ahus, plataformas cerimoniais de pedra; e logo vinham as imensas estátuas com cabeças grandes e mãos sobre o corpo, encomendadas como homenagens aos chefes das tribos locais ou a ancestrais transformados em divindades.

Segundo estudos, essas construções foram erguidas em três etapas: entre 800 e 1000 d.C., de 1000 a 1200, e entre os anos 1200 e 1600, período no qual pertence a maioria dos moais atuais.

Motivos para conhecer a Ilha de Páscoa

  • SUA GENTE

Simpática e de sorriso fácil, a população local da Ilha de Páscoa é um dos destaques do destino.

(Re)descoberta por navios ocidentais, em um domingo de Páscoa de 1722, a ilha é uma das três extremidades de um triângulo imaginário formado pela Nova Zelândia e pelo Havaí, na chamada Oceania Remota.

Mais do que formar uma imensa área de milhões de quilômetros quadrados, esse conjunto de territórios distantes tem em comum a mesma origem polinésia e um certo gosto por histórias intrigantes.

foto: Eduardo Vessoni

VEJA TAMBÉM: “Polinésia Francesa possível: dicas para economizar nas ilhas do Taiti”

  • CENTROS CERIMONIAIS

Tongariki, na baía Haga Nui, é a maior plataforma funerária de Rapa Nui e abriga uma sequência de 15 moais, estátuas gigantes erguidas em reverência a seus criadores rapa nui.

Mas como teriam chegado até ali aquelas imensas rochas vulcânicas talhadas de até 86 toneladas?

Algumas pesquisas defendem a ideia de que eram transportadas sobre troncos que rolavam sobre o terreno irregular da ilha; outras afirmam que estruturas feitas com pedras lisas ajudavam no transporte.

Mas a melhor das teorias é a que vem da tradição oral: os moais, simplesmente, caminhavam.

Tongariki (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “9 fotos que provam que o Chile não é desse mundo: veja destinos”

  • CAVERNAS

A ilha guarda atrativos escondidos como as impressionantes cavernas de origem vulcânica com salões internos e janelas naturais com vista para o Pacífico, como a Ana Kakenga.

Essas formações subterrâneas interligadas por escuros e largos corredores naturais se originaram a partir de trabalhos vulcânicos, há milhões de anos.

Caverna Ana Kakenga (foto: Eduardo Vessoni)

A população rapa nui, que havia se multiplicado logo após a chegada dos primeiros habitantes na ilha, foi vítima de uma intensa escassez de alimentos em uma superfície com recursos limitados, dando origem a disputas internas que obrigaram muito daqueles homens a se esconderem no interior dessas cavernas.

  • VULCÕES

O Rano Kau é um dos três centros vulcânicos que deram origem à Ilha de Páscoa e é porta de entrada natural a Orongo, antiga aldeia cerimonial rapa nui.

A 324 metros sobre o nível do mar, esse vulcão tem cerca de 2,5 milhões de anos e entrou em erupção pela última vez, há 180 mil anos.

Vulcão Rano Kau, na Ilha de Páscoa (foto: Eduardo Vessoni)

O Rano Kau abriga uma cratera com uma bela lagoa com microclimas que favorecem o desenvolvimento de diversas espécies de plantas. Os paredões íngremes do vulcão, sobretudo as rochas desgastadas pela erosão marinha do lado sul, são uma das imagens mais impressionantes de toda a ilha.

A propósito, a Ilha de Páscoa é o topo de uma cadeia rochosa de uns 3 milhões de anos que se esconde a três mil metros no fundo do mar. A partir de explosões vulcânicas surgiram formações impressionantes como os vulcões Rano Kau e Rano Raraku.

  • PRAIAS

Na costa norte da ilha, Anakena é uma das praias mais famosas de Páscoa.

Essa tranquila praia de areia fina e águas esverdeadas é uma das melhores opções de banho para quem não quer encarar as águas agitadas do oceano Pacífico. As ondas fracas e as temperaturas amenas de suas águas são ideias para crianças e prática de esportes como snorkeling.

Anakena (foto: Eduardo Vessoni)

O local, a 18 km a noroeste de Hanga Roa, abriga duas plataformas de moais restauradas: o Ahu Ature Huki e o Ahu Nau Nau. Anakena está .

A ilha abriga também outras praias como a Ovahe, em uma enseada ao lado de Anakena e uma das poucas praias de areia; e a Pea, minúscula faixa de areia, em pleno centro de Hanga Roa e opção para banhistas que não querem se deslocar até Anakena.

LEIA TAMBÉM: “1ª volta ao mundo completa 500 anos”

  • TRILHA

Uma das caminhadas mais famosas é a trilha que segue até o vulcão Teravaka, no extremo norte de Páscoa. O local é o ponto mais alto da ilha, a 511 metros sobre nível do mar.

O atrativo fica a 8,5 km da cidade e pode ser visitado em caminhadas a partir de Hanga Roa, em uma trilha de cerca de 1h30.

Trilha até o vulcão Terevaka (foto: Fabian Sepulveda/Wikimedia Commons)

Uma das trilhas mais básicas é a Ara O Te Moai, uma caminhada de duas horas por antigos caminhos onde os rapa nui transportavam os moias do vulcão Rano Raraku aos altares sagrados.

No local, estátuas espalhadas aleatoriamente pelo chão podem ser vistas em diversas etapas de fabricação, provavelmente, abandonadas durante o período de declínio da cultura local.

Dali, é possível caminhar até o Ahu Tongariki, a famosa plataforma com 15 moais.

  • PÔR DO SOL NO PACÍFICO

O setor cerimonial de Ahu Tahai, próximo a Hanga Roa, abriga três plataformas e é famoso pelos concorridos finais de tarde.

9) VER O PÔR DO SOL NO PACÍFICO: O setor cerimonial de Ahu Tahai, próximo a Hanga Roa, é famoso pelos concorridos finais de tarde (foto: Eduardo Vessoni)

Localizado em frente ao ahu Vai Uri, o atrativo costuma ser concorrido pelos visitantes que lotam o gramado que fica diante de uma antiga praça usada com fins religiosos.

Outra atração famosa por ali é o Ahu Ko te Riku, com chapéu e olhos introduzidos para fins turísticos, durante o processo de restauração, no setor costeiro da avenida Atamu Tekena.

  • MERGULHO

Seja com cilindro ou snorkel, os mergulhos são algumas das experiências mais marcantes do destino, como o que acontece no Motu Nui.

A transparência das águas que banham a Ilha de Páscoa e a variedade de peixes atraiu até o mais exigente dos mergulhadores, o francês Jacques Cousteau.

foto: Dennis Jarvis/Flickr-Creative Commons

As ilhotas de Iti, Kao Kao e Nui são os lugares preferidos de amadores e profissionais que buscam a imensidão do Pacífico com paredões rochosos de até 70 metros de profundidade e corais gigantes.

Para quem não é certificado, é possível mergulhar durante os passeios embarcados que incluem paradas para banho de mar.

VEJA TAMBÉM: “Viagens incríveis para fazer, quando tudo isso passar”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*