5 atrações imperdíveis no Rio Grande do Norte

Localizado no cotovelo do Brasil, bem onde o vento faz a curva, o Rio Grande do Norte tem praias semi desertas, faixas de areia que fazem a gente querer mudar de CEP e finais de tarde únicos, em todo o Nordeste brasileiro.

Neste post, o Viagem em Pauta reuniu as experiências preferidas em terras potiguares.

Neste texto, a sua viagem potiguar vai de Galinhos, a península de areia que avança entre o mar e o rio a Sítio Novo, onde fica um castelo de contornos surrealistas, em pleno interior do Rio Grande do Norte.

VEJA STORIES

Confira atrações imperdíveis no Rio Grande do Norte

CASTELO ZÉ DOS MONTES

Esse castelo de estilo indefinido virou atração turística do município de Sítio Novo, a 100 km de Natal.

Não concluída, a obra de contornos surrealistas pode ser visitada apenas nos finais de semana, cujos ambientes sem móveis podem ser explorados pelo visitante, como salões rochosos e altares em pedra.

SAIBA MAIS: “Interior do Rio Grande do Norte tem castelo inusitado, em meio ao agreste”

SERRA DE SÃO BENTO

Esse município a pouco mais de 100 km da capital potiguar é o turismo do tempo da pedra. Por onde se olhe são pedras.

Tem pedra para ver, para se hospedar e até para fazer pêndulo humano.

Mas o mais inusitado desse destino serrano do Rio Grande do Norte é um bar-restaurante que funciona debaixo de uma imensa rocha.

 DUNAS DO ROSADO

Localizadas entre a cidade de Porto do Mangue e o vilarejo de Ponta do Mel, são montanhas de areia coloridas por sedimentos das falésias vizinhas que pintam aquelas dunas.

A atração fica em Areia Branca, a 270 km de Natal.

Amanhecer nas Dunas do Rosado, em Porto do Mangue, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS: “‘Dunas do Rosado’ é cenário ainda desconhecido do Rio Grande do Norte”

GALINHOS

A 170 km de Natal, esse município pesqueiro fica em uma península de areia que avança, entre o mar e o rio, onde é possível fazer passeios de bugues e passar o dia em lagoas entre dunas.

Assim como Areia Branca e Mossoró, no oeste do estado, Galos e Galinhos são destinos turísticos do Polo Costa Branca, roteiro marcado por dunas multicoloridas, extensas praias desertas e uma das maiores produções de sal do Brasil.

E como carros não entram no vilarejo de Galos, a sensação é sempre a de estar desembarcando em algum lugar onde o turismo ainda não chegou (e que seja assim por muito tempo).

SAIBA MAIS: Galinhos: o Rio Grande do Norte que passa devagar

BARRA DO CUNHAÚ

Essa simpática vila de pescadores fica no município de Caguaretama, a 80 km de Natal, e é um dos cenários ainda desconhecidos dos 400 km do litoral potiguar. É ali que o rio vira mar (ou o contrário, de acordo com a posição dos ventos), uma ilusão de ótica que faz a gente confundir mar e rio.

Próximo a Pipa, do outro lado do estreito rio Catú e onde carros seguem sobre jangadas rústicas de madeira até a margem seguinte, a Barra do Cunhaú dá as costas para o turismo de massa e segue a vida na direção dos ventos.

Barra do Cunhaú, a 80 km de Natal, no Rio Grande do Norte (foto: Eduardo Vessoni)

LEIA TAMBÉM: “Barra do Cunhaú: o Rio Grande do Norte que você ainda não conhece”

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*