Zoológico e Jd. Botânico são concedidos à iniciativa privada

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Governo de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 17 de setembro, a assinatura do contrato que oficializa a concessão de três espaços públicos para a iniciativa privada.

Nos próximos 30 anos, o grupo Reserva Paulista deve assumir a revitalização, administração e atendimento aos visitantes no Zoológico de São Paulo, Zoo Safari e Jardim Botânico, todos na zona sul da capital paulista.

De acordo com nota da SIMA enviada ao Viagem em Pauta, a concessão prevê um investimento de R$ 320 milhões, nos cinco primeiros anos de atuação, de um total previsto de R$ 417 milhões (PEFI), na zona sul da capital paulista.

“As parcerias com a iniciativa privada visam atrair investimentos e melhorar a infraestrutura das áreas turísticas”, explicou o secretário Marcos Penido, quem acredita que esse tipo concessão fomenta também atividades de educação ambiental para a população.

Flamingos chilenos no Zoológico de São Paulo (foto: Deni Williams/Flickr)

VEJA TAMBÉM: “Conheça o Circuito das Águas Paulista, no interior de São Paulo”

Melhorias ao público

Localizados no Parque Estadual Fontes do Ipiranga, espaços como o Jardim Botânico contarão com novas áreas de lazer e cultura, além de melhor acessibilidade para quem chega de transporte coletivo.

Já no Zoológico de São Paulo, que antes da pandemia recebia mais de 1 milhão de visitantes por ano, o concessionário terá de “promover mais imersão na natureza e o bem-estar dos animais nos recintos”.

A secretaria informou também que a infraestrutura local deverá ter, entre outras melhorias, novo acesso para pedestres, ampliação do estacionamento e reformulação do centro de visitantes.

Segundo a subsecretária de Parcerias do Governo de São Paulo, Tarcila Reis, a experiência nos investimentos com recursos privados “desenvolve o ecoturismo no Estado e protege o patrimônio ambiental, cultural e científico paulista”.

Conforme divulgado pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, a iniciativa desonerará o orçamento público em mais de R$ 518 milhões, ao longo da concessão.

Estufas no Jardim Botânico de São Paulo (foto: Creative Commons)

LEIA TAMBÉM: “Saiba como é um safári na África do Sul”

Zoo Safari

Esse atrativo ao lado do Zoológico de São Paulo foi inaugurado há 20 anos, em uma área de 80 mil m².

Nessa espécie de zoológico invertido, os visitantes ficam isolados em seus próprios automóveis ou em vans disponíveis no parque (serviço suspenso por tempo indeterminado, durante a pandemia) e realizam um percurso de quase três quilômetros de extensão.

Ao longo do passeio é possível ver animais como leão, girafa, hipopótamo, cervo e macaco. Devido à pandemia, a alimentação de espécies por parte dos visitantes está proibida pelo público, bem como a venda de ração.

Assim como explica a administração do parque, o Zoo Safári, que faz parte da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, mantém desde 2007 a certificação ISO 14001, que previne e diminui os impactos ambientais das atividades no local, “trabalhando em prol da qualidade ambiental e do bem estar dos animais silvestres”.

CONFIRA FOTOS

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*