10 perguntas sobre a Ômicron, a nova variante do coronavírus

Já não bastassem a preocupação e os cuidados dos últimos meses, o mundo foi surpreendido, recentemente, com mais uma mutuação do vírus que colocou o mundo dentro de casa, desde março de 2020.

Classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como uma cepa “preocupante”, a Ômicron parece o retorno de um pesadelo que a gente pensava, equivocadamente, ter superado.


Fronteiras foram fechadas novamente, passageiros se viram outra vez desassistidos por governos e companhias aéreas, e palavras como “quarentena” e “lockdown” voltaram a fazer parte do dia a dia de algumas cidades.

E, enquanto isso, a indústria do turismo, assim como tantos outros setores da economia vão acumulando prejuízos.

silhouette of airplane
foto: Oleg Magni/Pexels.com

De acordo com a OMT (Organização Mundial do Turismo), a lenta e frágil retomada das viagens será responsável, até o final de 2021, por uma perda avaliada em US$ 2 trilhões, por conta da pandemia de coronavírus.

Ainda segundo levantamento da organização, as viagens podem ser afetadas por novas variantes do vírus e as chegadas de turistas estão 75% mais baixas do que em 2019.


VEJA TAMBÉM: “Viagens incríveis para fazer quando tudo isso passar”

Confira respostas abaixo ou neste link para alguns dos questionamentos básicos sobre a Ômicron, a nova variante do coronavírus, segundo nota divulgada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Por que a variante Ômicron é preocupante ?

De acordo com a OMS, a classificação foi baseada na evidência científica de que a variante tem muitas mutações que influenciam no comportamento do vírus. Ainda em meio a muitas incerteza, várias pesquisas estão sendo feitas para avaliar as taxas de transmissão, gravidade e risco de infecção.

Onde a variante está presente?

Detectada em cerca de 50 países (e o sul da África é só uma mínima parte do problema global), a Ômicron está em várias regiões do mundo e tem alta possibilidade de se espalhar.

Como a variante se desenvolve?

Quanto mais circula causando infecções, maior é a probabilidade do vírus mutar. Por isso, não é exagero dizer que a pandemia da Covid-19 está longe do fim.

Vacinação, uso de máscara e álcool em gel, distanciamento social e boa ventilação de áreas fechadas ainda são medidas importantes para caminharmos para o fim da pandemia.

LEIA TAMBÉM: “Groenlândia é um dos destinos mais remotos do mundo, no Ártico”

A Ômicron é mais severa que as demais variantes?

Para Mike Ryan, um dos diretores da OMS, a Ômicron aparenta ser mais severa que a variante Delta, por exemplo, embora ainda sejam aguardados resultados mais precisos dos estudos que estão sendo feitos.

Por outro, o órgão lembra que todas as variantes podem causar doença severa ou morte, incluindo a Delta, a mais dominante em todo o mundo, atualmente.

A nova variante é mais contagiante?

Em comparação com outras variantes como a Delta, a Ciência ainda não tem uma resposta definitiva sobre o alcance da Ômicron. Na dúvida, vacinar-se e tomar precauções como evitar lugares lotados, manter o distanciamento e usar máscara ainda são as melhores prevenções.

A variante Ômicron causa sintomas diferentes?

Apesar de diversos veículos de imprensa terem divulgado listas com os sintomos exclusivos de quem foi infectado pela Ômicron, a ONU afirma que “não existe outra informação evidenciando que a Ômicron cause sintomas diferentes de outras variantes da Covid-19”.

doctor health hospital lab
foto: Maksim Goncharenok/Pexels.com

VEJA TAMBÉM: “5 lugares isolados do mundo para pessoas decepcionadas com o ser humano”

As vacinas da Covid-19 são eficientes contra a Ômicron?

Embora ainda seja cedo concluir que os imunizantes dão conta da nova variante, a OMS acredita que é possível que as atuais vacinas podem oferecer alguma proteção contra a doença severa e a morte ela doença.

Quem já teve a Covid-19 está mais protegido da variante Ômicron?

Segundo a OMS, pessoas que já tenham tido a doença podem voltar a ser contaminadas mais facilmente, em comparação com outras variantes.

ethnic girl having video chat with teacher online on laptop
Photo by Katerina Holmes on Pexels.com

Crianças têm mais chance de contrair a nova variante?

A OMS e a ONU não divulgaram ainda uma resposta definitiva para essa pergunta. Porém, alertam que interações entre pessoas não vacinadas favorecem a contaminação.

Os testes atuais de COVID-19 detectam a Ômicron?

Sim, os exames de PCR continuam detectando a infecção de Covid-19, mas as pesquisas ainda se existe um impacto sobre outros tipos de testagem incluindo os testes rápidos de antígeno.

CONFIRA WEBSTORIES

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*