Parques nacionais do Brasil pouco conhecidos

Neste 1º de março é celebrado o aniversário de 150 anos da criação do primeiro parque nacional do mundo, o “explosivo” Parque Nacional de Yellowstone, no norte dos Estados Unidos.

Localizado nos estados de Wyoming, Montana e Idaho, o local é conhecido por suas trilhas, cachoeiras e por suas cenográficas fonte de águas termais.

Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos (foto: Domenico Convertini/Creative Commons)

No Brasil, o mais antigo é o Parque Nacional do Itatiaia, área criada em 1937 na serra da Mantiqueira, entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Parques Nacionais são unidades de conservação criadas para proteger um determinado bioma, além de sua fauna e flora.

E, por aqui, isso significa falar de áreas com mais de 400 ilhas, como o arquipélago fluvial de Anavilhanas, caverna com acesso por teleférico, no Ceará, e até sítios arqueológicos, como os do Parque Nacional da Serra das Confusões.

Conheça parques nacionais brasileiros ainda desconhecidos do grande público, do Amazonas ao Paraná, passando por Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro:


Parque Nacional dos Campos Ferruginosos
(PARÁ)
Esse é o mais novo parque nacional do Brasil.

Com uma área total de mais de 79 mil hectares, abrange os municípios de Canaã de Carajás (82,9%) e Parauapebas (17,1%), ao lado da Floresta Nacional de Carajás, umas das maiores reservas minerais do planeta.

A área do parque é coberta por florestas e, principalmente, por savanas conhecidas como vegetação de canga ou campos rupestres ferruginosos, tipo raro de ecossistema associado aos afloramentos rochosos ricos em ferro.
LEIA TAMBÉM: 
Conheça os 5 parques nacionais mais visitados do Brasil

Parque Nacional de Anavilhanas
(AMAZONAS)
Entre Manaus e Novo Airão, esse parque nacional é formado por um arquipélago fluvial de 400 ilhas, considerado um dos maiores do mundo, com 130 km de extensão, aproximadamente.

Parque Nacional de Anavilhanas, entre Manaus e Novo Airão, no Amazonas (foto: Lincoln Barbosa/Commons Wikimedia.org)

No período da seca, de setembro a fevereiro, é possível aproveitar as praias de areia que emergem entre as ilhas. Já no período da cheia, de março a agosto, a principal atividade são os passeios de barco nas florestas alagadas.

Observação de botos-cor-de-rosa, banhos no Rio Negro e trilhas, como a do Barro Branco, são algumas das atividades possíveis no parque.
SAIBA MAIS: 
“Turismo na Amazônia tem praias de rios, igarapés e vida selvagem”

Parque Nacional da Serra das Confusões
(PIAUÍ)
A 620 km de Teresina, esse parque fica entre os municípios de Caracol, Guaribas, Santa Luz e Cristino Castro.

foto: Otávio Nogueira/Flickr-Creative Commons

O nome “confusões” vem das rochas que mudam de cor conforme a luminosidade, podendo variar do acinzentado ao vermelho. Além dos sítios arqueológicos com inscrições rupestres, uma das principais atrações é a Gruta do Riacho dos Bois, onde a água brota de dentro das rochas.

Para conhecer o parque, é necessário estar acompanhado de um guia da Associação de Condutores do Parque Nacional da Serra das Confusões.

Parque Nacional do Catimbau
(PERNAMBUCO)
Entre o agreste e o sertão pernambucano, a aproximadamente 300 km do Recife, possui mais de 62 mil hectares e é considerado o segundo maior sítio arqueológico do Brasil, nos municípios de Buíque, Ibimirim, Sertânia e Tupanatinga.

Vista do Vale do Catimbau (foto: Bart van Dorp/Flickr-Creative Commons)

Sua principal atração são os paredões de arenito de diversas cores e que datam de mais de 100 milhões de anos. Há também cerca de duas mil cavernas arqueológicas, com pinturas rupestres e artefatos da pré-história, alguns datando de mais de 6 mil anos.

Parque Nacional de Ubajara
(CEARÁ)
A 348 km de Fortaleza, esse parque nacional possui seis mil hectares de área e é conhecido como um dos menores do Brasil.

Sua principal atração é a Gruta do Ubajara, uma galeria de 1.200 metros de extensão, cujos 450 metros iniciais estão abertos para visita. O acesso pode ser feito através de um teleférico suspenso que propicia também uma vista de praticamente todo o parque.

Gruta de Ubajara, atração no Parque Nacional de Ubajara, no Ceará (foto: Otávio Nogueira/ Flickr-Creative Commons)

Outra atração são as trilhas, entre elas a da Samambaia, de 1,5 km de extensão, que leva até o mirante e ao Circuito das Cachoeiras.

Parque Nacional de Superagui
(PARANÁ)
Localizado no município de Guaraqueçaba, é considerado Patrimônio Natural pela UNESCO e tem uma área com quase 34 mil hectares que protege uma fauna local ameaçada de extinção, como mico-leão-da-cara-preta, papagaio-da-cara-roxa e suçuaranas.

A Praia de Superagui fica no município de Guaraqueçaba, no litoral do Paraná. Este vilarejo rústico é considerado Patrimônio Natural pela UNESCO e faz parte do parque nacional de mesmo nome, uma área com quase 34 mil hectares que protege uma fauna local formada por aves marinhas da Praia Deserta, mico-leão-da-cara-preta e papagaio-da-cara-roxa (foto: Eduardo Vessoni)

Possui 38 km de praias virgens que podem ser percorridos a pé ou de bicicleta.

Apesar de ser um destino pouco visitado, tem diversos atrativos como a Praia Deserta, trilhas na Mata Atlântica, visita a comunidades que cultivam ostras e servem o molusco assado em fogões rústicos, praias de água doce formadas pelo rio local e avistamento da revoada dos raros papagaios-da-cara-roxa que habitam a Ilha dos Pinheiros.

SAIBA MAIS: Desconhecido do brasileiro, Parque Nacional de Superagui é surpresa do litoral do Paraná

*com informações do ICMBio

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*