5 experiências incríveis no Rio Grande do Sul

Faça frio ou calor, o Rio Grande do Sul é daqueles lugares para visitar o ano todo.

Mas, certamente, é nos meses de inverno que a geografia do Sul do Brasil convida para atividades também ao ar livre.

Por isso, o Viagem em Pauta reuniu algumas das nossas melhores experiências em terras gaúchas.

Assim, sua viagem será marcada por trilhas em meio a cânions, travessia de rio de carro e até, quem diria, um restaurante de gastronomia tibetana.

Cânions do Sul
Do alto, por baixo e pelo rio. Entre Santa Catarina e o Rio Grande do Sul, o que não faltam são roteiros para caminhar pelo interior de cânions.

Cambará do Sul, a pouco menos de 200 km de Porto Alegre, é um dos acessos aos parques nacionais da região.

Vista aérea do cânion Itaimbezinho, em Cambará do Sul (foto: Roni Bittencourt)

No PN da Serra Geral dá para fazer a Trilha do Tigre Preto (18 km), no Cânion Fortaleza, o mais profundo e o mais extenso da região.

Por outro lado, o PN Aparados da Serra tem o cânion Itamibezinho, com trilhas de fácil acesso ou a impressionante Trilha do Rio do Boi.

CONFIRA WEB STORY

LEIA TAMBÉM: “O que fazer em Cambará do Sul”

Passo do ‘S’

Quem gosta de cachoeira é capaz de (quase) tudo para ver uma queda d’água, até mesmo colocar o carro sobre águas correntes.

A 40 km de Cambará do Sul, em Jaquirana, o Parque Estadual do Tainhas é endereço da Cachoeira do Passo do ‘S’.

As águas potentes e geladas não convidam para banho, mas o melhor da experiência é o acesso pelo rio Tainhas, com acesso de carro por um trecho de água mais baixa.

VEJA VÍDEO

LEIA TAMBÉM: “Cânions do Sul ganham título da Unesco”

Gastronomia do Tibet

Porém, não muito longe dali, em Três Coroas, a viagem tem sabor que vem de longe.

A 100 km da capital gaúcha fica o Espaço Tibet, o primeiro restaurante de comida tibetana do Brasil.

Após uma travessia de quase dois meses pelas montanhas do Himalaia, aos 16 anos, Ogyen Shak chegou ao Nepal, fugindo do sistema totalitário chinês.

Ogyen Shak na cozinha do Espaço Tibet, considerado o primeiro restaurante tibetano do Brasil (foto: Eduardo Vessoni)

Mas antes de chegar ao Brasil, esse tibetano ficou um ano em um hospital nepalês para refugiados e recomeçou a vida na Índia com arte sacra, pintando em templo.

SAIBA MAIS: “1º restaurante tibetano no Brasil tem pratos orientais e histórias de superação”


Hospedagens diferentonas
Sem dúvida, o estado tem uma das melhores estruturas turísticas do Brasil, mas alguns hotéis são muito mais do que apenas opção de hospedagem.

Em São Francisco de Paula, por exemplo, uma das cabanas da Pousada do Engenho tem 170 m² com direito a closet climatizado e mini spa.

Assim, tudo o que possa ser acionado ali dentro é feito por um tablet à disposição do hóspede: luzes, painéis, claraboias, TV e até a temperatura da sauna.

Com quartos acessados por passarelas de madeira em meio a xaxins e araucárias, a pousada abriga também uma casa na árvore para jantares a dois e um spa dentro de um antigo engenho de mandioca.

Vista da Cabana 15, na Pousada do Engenho, em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul (foto: Eduardo Vessoni)

SAIBA MAIS: “Natureza high-tech: cabana da Serra Gaúcha tem quarto controlado por tablet”

Já o Parador, em Cambará do Sul, é conhecido pelas barracas térmicas com jacuzzi na varanda, inspiradas nos lodges de luxo da África do Sul.

É um dos primeiros glampings do Brasil e tem acesso mais rápido às entradas dos parques nacionais da região.

VEJA WEB STORIES

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*