Brasil Cunha Fotos Guia de Destinos No Instagram Últimas Viagens

O que fazer em Cunha, destino de artes e aventura do interior de São Paulo

A 230 km de São Paulo, no Alto Vale do Paraíba, o turismo paulista sobe a serra e encosta no mar, em Cunha.

Por ali, a experiência vem em forma de tradicionais trabalhos de cerâmica, campos de lavanda para visitas demoradas, trilhas cênicas em meio a trechos preservados de Mata Atlântica e, como ninguém é de ferro, mesa farta, no melhor estilo comida de fazenda.

As praias de Paraty ficam logo adiante, no final de uma estrada cenográfica com trechos de paralelepípedos, mas neste guia você encontra dicas de atrações nessas terras serranas, em um destino discreto que passa longe do turismo de massa de outros endereços das serras de São Paulo.



CONFIRA WEB STORIES



VEJA TAMBÉM:
 “Confira as condições da estrada Cunha-Paraty, entre SP e RJ”

CONFIRA ATRAÇÕES

⇒ Estrada Cunha-Paraty

Reinaugurada, em 2016, essa via cênica tem 9,4 km sobre paralelepípedos, entre o interior de São Paulo e Paraty, no litoral fluminense.

Sem nenhuma atração turística, a estrada passa pelo Velho Caminho do Ouro e pelo interior do Parque Nacional da Serra da Bocaina. Ainda assim, prepare-se para cruzar uma das mais belas estradas brasileiras, uma continuação da SP-171, entre Guaratinguetá e Paraty.

⇒ Lavandários
Com temperaturas mais amena e o solo alcalino, a cidade é endereço perfeito para plantações de lavandas.

Para vê-las florescidas, programe-se para estar na região fora da temporada de chuvas, pois essas plantas não gostam de água em excesso.

O endereço mais popular é o clássico Lavandário, cujos finais de tarde entram fácil para a lista de um dos mais belos do Brasil.

Detalhe de campo de lavandas do Contemplário, em Cunha (foto: Eduardo Vessoni)

Situado em uma colina com vista para a estrada, a atração foi inspirado nos estabelecimentos da Provença, na França, e conta com uma lojinha com produtos, como fragrâncias de ambiente, sachês, sabonetes e até gêneros alimentícios feitos com lavanda.

Outra opção é o Contemplário, uma área de 5 hectares, no Bairro Taboão.
Inaugurada em 2015 por Henry, filho de uma finlandesa e um inglês, a atração abre suas portas para que visitantes percorram, em circuitos autoguiados, seus campos de lavanda, equipados com deques de madeira e mesas para piquenique.

O local abriga lavandas do tipo dentada (lavanda francesa), mas não conta com as famosas versões de Provença que, segundo Henry, são do tipo inglesa e não se dão bem com o calor do Brasil.

LEIA TAMBÉM: “5 atrações imperdíveis em Paraty”

⇒ Cerâmicas

Ateliê Suenaga e Jardineiro, em Cunha (foto: Eduardo Vessoni)

Considerado polo da arte cerâmica da América do Sul, o destino abriga diversos ateliês que podem ser visitados e até usados pelos turistas, em
oficinas que acontecem, regularmente.

E tudo começou na década de 70, quando um grupo de japoneses e portugueses que buscava um local para fazer cerâmica chegou a Cunha, onde paneleiras de barro já trabalhavam com argila local, e foi recebido pelo então prefeito da época, quem cedeu um espaço para aqueles artesãos estrangeiros.

SAIBA MAIS: “Entre a serra e o mar, Cunha é destino de artes e aventura”

⇒ Parque Estadual da Serra do Mar

Trilha das Cachoeiras, no Parque Estadual da Serra do Mar, em Cunha (foto: Eduardo Vessoni)

O destino não só inspira como também faz a gente transpirar, em trilhas do Parque Estadual da Serra do Mar, uma área de Mata Atlântica com mais de 330 mil hectares, cujo Núcleo Cunha (13,3 mil hectares) oferece opções de caminhadas que vão de 1,7 km (Trilha do Rio Paraibuna) a 14,4 km (Trilha das Cachoeiras).

Autoguiada, a primeira trilha passa por pequenas quedas d’água e piscinas naturais para banho. Já a puxada Trilha das Cachoeiras, que pode ser combinada com trechos de carro ou bike, leva a seis cachoeiras e exige contratação de guia do próprio parque.

Parque Estadual da Serra do Mar
Acesso pelo km 56,2 da SP-171 e mais 20 km em estrada não pavimentada.
Diariamente, das 8h às 17h
entrada grátis
www.parqueestadualserradomar.sp.gov.br

SAIBA MAIS: “Conheça atrações de aventura em Cunha, a 230 km de São Paulo”

⇒ Pedra da Macela

Vista do alto da Pedra da Macela, em Cunha (foto: Eduardo Vessoni)

Com acesso pelo km 66 da SP-171, a Pedra da Macela pode ser visitada, após uma caminhada de dois quilômetros por terreno íngreme até uma das mais belas imagens de Cunha.

A 1.840m de altitude, no Parque Nacional da Serra da Bocaina, esse pico tem vistas de Paraty, da baía de Ilha Grande e de Angra dos Reis.

O local não permite o acesso de carros particulares e a entrada também é gratuita.

⇒ Gastronomia

Trutas do Gnomo Restaurante, em Cunha (foto: Eduardo Vessoni)

Comer em Cunha é uma experiência única, cujos pratos são uma mistura equilibrada entre comida da roça e cozinha criativa.

No cardápio não devem faltar, de acordo com a temporada, ingredientes como carne de porco, costelinha, truta e shitake.

SAIBA MAIS:
“Entre a serra e o mar, Cunha é destino de artes e aventura”

CONHEÇA CUNHA

19 comentários

Fernanda Andrade 6 de julho de 2019 at 07:28

Bom dia!
Sou proprietária do cultivo de shiitake que temos em cunha/sp!
Gostaria de saber como faço para fazer parte do seu roteiro de dicas do que fazer em Cunha!
Muito obrigada

Responder
Tereza 28 de fevereiro de 2020 at 07:52

Fernanda.aguardo seu email

Responder
Armando Fiori 3 de junho de 2020 at 15:30

Gostaria de saber se rem area de camping em Cunha, e valores e, tb, pousadas.

Responder
misturador monocomando para lavatório 15 de setembro de 2020 at 22:18

Excelente trabalho

Responder
Doiis 22 de janeiro de 2021 at 20:36

Em Cunha, visite também o atelier Doiis. @doiis.art

Responder
Nicola perez 22 de janeiro de 2021 at 20:43

Em cunha ninguém sabe nada, não informar nada,as boutiques de cerâmica em cunha é um horror enfim é uma merda

Responder
Leonardo 1 de março de 2021 at 13:17

Merda é um comentário desses! Usa o google! Cunha é uma das cidades mais lindas e pitorescas do Brasil!

Responder
Ricardo 22 de janeiro de 2021 at 16:31

Chacrazen

Responder
Anna Rodrigues da Silva 22 de janeiro de 2021 at 17:41

Amei tudo aí nessa viagem!! Nesses campos de lavanda deve exalar um aroma delicioso…hum mmm.👏👏

Responder
CLAUDIA PEREIRA BARBOZA LEITE 22 de janeiro de 2021 at 17:43

Estive em Cunha de 10 à 17/01/2021, amei! Fique hospedada na Vinicula. Foi uma semana deliciosa, a pesar das chuvas pontuais no finalzinho da tarde. Fiz o caminho pra Paraty, e na volta, visitei o Lavandário. Vale a pena conhecer.

Responder
Pilar Perdomo 23 de janeiro de 2021 at 08:09

Tenho uma amiga que foi morar em Cunha, assim que der vou conhecer esse maravilhoso lugar.
Pilar (Uruguay)

Responder
Marcos Brito 24 de janeiro de 2021 at 09:06

Excelente matéria eu e minha esposa já fomos inúmeras vezes para cunha cidade maravilhosa aconchegante e muito linda diversas possibilidades de passeio os moradores e comerciantes muito antenciosos em todas as vezes que fomos ficamos hospedados na pousada natureza e arte nossos amigos Wilson e Fernanda são maravilhosos super recomendo está pousada linda e aconchegante eu índico sem sombra de dúvidas maravilhoso o lugar

Responder
Marcos Cesar De Souza 24 de janeiro de 2021 at 10:16

Bom dia, gostarua mt de conhecer está cidade tem pacotes hospedagem mais passeios ? Obrigado

Responder
Simone 24 de janeiro de 2021 at 11:17

Fotos lindas, parece cartão postal. Em breve visitarei Cunha.

Responder
Silvana pereira santos 26 de janeiro de 2021 at 18:00

Gente sempre morei no interior d sp, e nunca tinha visto esse lugar, bom vi p fotos e amei, amo lugares assim fotos lindas e parece um lugar tranquilo, amei gostaria de um dia poder ir aí visitar.. parabéns pela matéria.

Responder
Roze 27 de janeiro de 2021 at 07:21

Lindo !!!!

Responder
Helena 27 de janeiro de 2021 at 20:07

Alguém sabe de uma hospedagem boa e não tão cara pra indicar?

Responder
Layza Santos 28 de janeiro de 2021 at 18:14

Gostaria muito de conhecer essa cidadade, gostaria de saber mais informações sobre hospedagem+passeio

Responder
Wanderlei Moreira 29 de janeiro de 2021 at 01:00

Estive lá em 2018, lugar é maravilhoso! Mas tem que tomar cuidado na descida da serra. A estrada é muito íngreme e cheias de curvas em formato de “cotovelos”. O freio esquenta demais!!! Melhor fazer algumas paradas pra esfriar as pastilhas e os discos.

Responder

Deixe um comentário