Florianópolis

Ilha do Campeche (SC): o que fazer e como chegar

No sudeste da Ilha de Santa Catarina fica uma Florianópolis de acesso controlado que, de longe, lembra a muvuca de outras faixas de areia da capital catarinense.

Sítio arqueológico tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e Santuário Ecológico, a Ilha do Campeche tem menos de 2 km de extensão e uma única praia, cuja localização estratégica voltada para o continente garante mar calmo, areias brancas e tons que vão do verde ao turquesa.


LEIA TAMBÉM: “10 praias imperdíveis de Florianópolis”

O que fazer
Segundo o Iphan de Santa Catarina, até 2014 o estado abrigava mais de 1.400 sítios arqueológicos e era o endereço dos maiores sítios do tipo sambaqui em todo o mundo. Alguns deles ficam na ilha e abrigam algumas das mais importantes inscrições rupestres do Brasil.

Champeche é dona da maior concentração de oficinas líticas (área pré-colonial de polimento de artefatos) e gravuras rupestres do litoral brasileiro, como “desenhos que lembram flechas e máscaras, símbolos geométricos, um monolito com nove metros de altura e um ponto magnético sinalizado com inscrição rupestre onde as bússolas têm comportamento alterado”.

A ilha abriga também ruínas de armação de baleia, datadas de 1772.

Inscrições rupestres na Ilha do Campeche (foto: IPHAN/Reprodução)

Além da praia de águas com tons únicos, a Ilha do Campeche pode ser explorada em trilhas monitoradas, cujas caminhadas não passam de uma hora de duração e têm diferentes graus de dificuldade.

Vale lembrar que as trilhas são pagas e só podem ser feitas com acompanhamento de monitores cadastrados.

Painéis solares

Aquele pedaço de terra de vegetação remanescente da Mata Atlântica só não combinava mesmo com o gerador a diesel liberando gás carbônico (e barulho) na atmosfera.

Recentemente, a ilha passou a utilizar painéis fotovoltaicos como fonte de energia para iluminação 24 horas por dia, conservação de alimentos perecíveis e uso de equipamentos eletrônicos. Com tecnologia Intelbras, os 18 painéis têm potência de 5,94 kWp com três controladores de carga e armazenamento feito por 48 baterias.

Para Fábio Antônio Fernandes, funcionário da ACOMPECHE (Associação Couto de Magalhães de Preservação da Ilha do Campeche), a nova tecnologia se soma a outras práticas sustentáveis na ilha, como depósito de óleo vegetal e a separação do lixo


“É um sonho se tornando realidade. Agora manteremos o abastecimento de toda a ilha com energia solar”, comemora Fernandes, que mora na ilha desde 2018.

Quando não há luz solar, durante a noite, o conjunto de baterias mantém a rede funcionando normalmente e alimenta também equipamentos como geladeiras e freezers. O sistema Off Grid permite o funcionamento autônomo do equipamento e a energia produzida é armazenada em baterias que garantem a fornecimento em períodos sem sol e durante a noite.

“Um dos propósitos desse tipo de energia é chegar a lugares isolados onde a concessionária de energia elétrica não consegue chegar”, explica Marcus Vinícius Bez Batti, analista de produtos e serviços da Intelbras.

A concessionária não consegue chegar, mas você, sim.

foto: Intelbras/Divulgação

Como chegar

Embora o turismo na Ilha do Campeche tenha sido paralisado pela pandemia, o local recebe embarcações turísticas que saem das praias da Armação (30 minutos de navegação) ou da Praia do Campeche (5 minutos).

Diariamente, 800 pessoas podem visitar o local na alta temporada (de dezembro a março) e 770 pessoas/dia, na baixa temporada.

A ilha fica aberta para visitação entre às 9h e 17h, cujo desembarque na praia da Enseada é molhado, já que o local não conta com píer. Após esse horário, o atrativo é uma exclusividade dos associados e credenciados da ACOMPECHE, associação que mantém a única forma de pernoitar no local, em uma construção com capacidade para até 70 pessoas.

foto: Intelbras/Divulgação

VEJA TAMBÉM: “Florianópolis: confira praias e atrações de água doce na capital catarinense”

CONFIRA WEB STORIES


* Esta pauta é uma escolha do editor do Viagem em Pauta e não tem nenhum vínculo comercial ou editorial com a empresa.

Deixe um comentário